Trump doa 11 mil milhões a Israel

Kathryn Shihadah
MintPress News

A administração Trump está preparada para doar 11 mil milhões de dólares a Israel para garantir outro tratado de “paz” árabe-israelita

Os Estados Unidos continuam a usar a conta de despesas dos contribuintes americanos para priorizar as aspirações de Israel. Logo após os chamados Acordos de Abraão no início deste mês, que normalizaram as relações entre Israel e os estados árabes do Bahrein e os Emirados Árabes Unidos (EAU), o governo Trump está formulando planos para essencialmente comprar outro tratado de “paz árabe-israelita”.

Além disso, é provável que os EUA entreguem milhares de milhões de dólares a Israel em equipamentos militares gratuitos.

Dominação regional
O acordo de Trump pós-Abraão para vender aviões de guerra F-35 aos EAU levou Israel a emitir uma lista de exigências – aeronaves avançadas obrigatórias e outros equipamentos que permitiriam a Israel manter sua “Vantagem Militar Qualitativa” (VMQ) na região.

A VMQ de Israel, o compromisso dos EUA de assegurar a capacidade de Israel de superar toda e qualquer ameaça militar com o mínimo de baixas, está consagrado na lei dos EUA desde 2008 e é expresso hoje em 3,8 mil milhões de dólares em ajuda militar, cerca de um quarto dos 15 mil milhões de dólares distribuídos no mundo todo.

A lista de desejos de Israel, conforme relatado pela AntiWar, inclui um esquadrão de F-35s, supostamente no valor de cerca de 850 milhões de dólares cada, e outros produtos de ponta.

Estes “presentes” seriam adicionais aos 3,8 mil milhões de dólares anuais que Israel já recebe em ajuda militar dos EUA – dinheiro que deveria ser retido de acordo com as Leis Leahy, legislação que visa colocar uma barreira entre a ajuda americana e grupos militares que perpetram graves violações dos direitos humanos.

O plano de Trump de vender aviões de guerra e as exigências de Israel surgiram poucas horas antes de os ministros dos negócios estrangeiros do Bahrein e dos EAU assinarem os Acordos de Abraão, embora algumas fontes relatem que Netanyahu sabia do plano dos EUA de vender aos Emirados Árabes muito antes.

Tratado em andamento
A administração Trump também está correndo para montar um tratado entre Israel e o Sudão antes das eleições nos Estados Unidos, novamente com grande benefício para Israel e às custas do contribuinte americano.

De acordo com o analista político sudanês Khalil Abdul Jabbar, o povo sudanês normalmente apoiaria os palestinos em vez de aceitar a normalização com Israel – mas eles precisam da ajuda que Washington poderia oferecer para melhorar sua situação económica.

Abdul Jabbar indicou que Trump esperava capitalizar a terrível situação económica do Sudão antes das eleições de 2020.

O Sudão está lutando contra uma dívida externa de 62 mil milhões de dólares, causada em grande parte pela sua designação como um patrocinador estatal do terrorismo (SST) – um rótulo que remonta a 1993 e que resultou em sanções globais.

O Sudão espera receber uma injecção inicial de 3 mil milhões em ajuda dos EUA, para além da remoção da lista do SST, em troca da normalização relações com Israel. Ajuda adicional provavelmente viria em seguida.

Compensação ao ataque terrorista
Há a preocupação de que o Capitólio bloqueie a remoção do Sudão da lista do SST: alguns membros do Congresso querem primeiro ver o país pagar mais de 300 milhões de dólares às vítimas americanas dos ataques terroristas no Quénia e na Tanzânia em 1998, bem como do ataque ao USS Cole em 2000. O agora afastado Omar al-Bashir permitiu que terroristas da Al Qaeda residissem no Sudão e realizassem ataques na região.

Vale ressaltar que Israel também é responsável por um ataque a um navio da Marinha, o USS Liberty, agressão que matou 34 americanos e tem sido sistematicamente encoberto desde então.

E quanto aos palestinos?
Os líderes dos EAU estavam aparentemente com a impressão de que o seu tratado com Israel beneficiaria os palestinos: o seu ministro dos negócios estrangeiros, Abdullah bin Zayed, declarou na cerimónia de assinatura de 15 de setembro:

“Excelência, primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro do Estado de Israel, obrigado por escolher a paz e por deter a anexação dos territórios palestinianos, uma decisão que reforça a nossa vontade comum de alcançar um futuro melhor para as gerações vindouras…

E quanto a nós nos EAU, este acordo permitir-nos-á continuar a apoiar o povo palestino e a realizar as suas esperanças de um Estado independente dentro de uma região estável e próspera”.

Mas o primeiro-ministro israelita Netanyahu já havia deixado claro há um mês ou antes que “não há mudança no meu plano de aplicar a nossa soberania, na Judeia e Samaria [Cisjordânia palestiniana], em plena coordenação com os EUA. Estou comprometido com isso, isso não mudou… Esse problema continua na mesa”.

Alguns analistas concluem que a aspiração dos palestinos por libertar-se da ocupação e da opressão esteve fora de cena o tempo todo, porque os seus interesses são irrelevantes – que o mundo árabe começou a trocar solidariedade com a Palestina por vantagens económicas. Um comentarista opinou: “O acordo EAU-Israel não disse nada sobre os palestinos porque a questão nunca foi deles. Na verdade, eles são o pagamento inicial”.

Rumores abundam e foram confirmados pelo embaixador americano nas Nações Unidas, Kelly Craft, de que outro país árabe – Omã – pode seguir a multidão crescente de estados trocando a Palestina por vantagens económicas.◼

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube