Uma Rússia mais forte humilha o Ocidente

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


A cimeira do G7 foi como um lembrete sombrio ao bloco que, num mundo caracterizado pela crescente multipolaridade, as chamadas “democracias livres” não podem arrogar-se a tarefa de “guiar” o mundo


Quando a Rússia foi arbitrariamente excluída do “Grupo dos oito” (G8) em 2014, muitos no Ocidente viram isto como um passo em direcção a um bloco ocidental mais coeso – o chamado G7 – que poderia colectivamente – e eficazmente – contrariar a Rússia através de uma resposta homogénea combinando meios económicos e militares. A resposta que o Ocidente deu à operação militar da Rússia não foi inesperada, mas há pouco a negar que – especialmente, com a continuação da guerra e com o Ocidente sob muita pressão económica – a resposta se tenha tornado derrotista a nível interno. Isto manifestou-se claramente através da mais recente cimeira do G7 realizada na Alemanha, onde líderes ocidentais “poderosos” se reuniram contra o pano de fundo do fracasso gritante do pacote global da sua política anti-Rússia – sanções, fornecimento de armas à Ucrânia, e votos de estender o apoio “ilimitado” à Ucrânia, etc. Os militares russos continuam a consolidar os seus ganhos, com a moeda russa também a ganhar contra o dólar norte-americano. O facto da moeda russa ser muito mais forte do que as esperanças e projecções ocidentais apontam para o fracasso do plano ocidental de destruir a economia russa através de sanções financeiras.

Por outras palavras, a própria fonte dos muitos problemas do Ocidente é a capacidade da Rússia de continuar a vender petróleo e gás em todo o mundo a um preço muito mais elevado do que no ano passado. De acordo com os dados fornecidos pelo Banco Central da Rússia, o excedente da Rússia entre janeiro e maio de 2022 foi ligeiramente superior a 110 mil milhões de dólares. Isto é 3,5 por cento mais do que o que a Rússia tinha no ano passado. Este progresso – que desafia a própria guerra – permitiu à Rússia resistir às sanções ocidentais, além de contribuir directamente para a incapacidade do Ocidente de traçar uma nova resposta, internamente coerente.

Assim, um relatório do Wall Street Journal assinalou a crescente incapacidade do Ocidente em relação à Rússia, bem como sinais de desunião interna:

“Agora a inflação elevada, o abrandamento do crescimento, e o espectro da escassez de energia na Europa neste Inverno estão a amortecer o apetite do Ocidente por sanções mais duras contra Moscovo. Divergências entre os líderes dos EUA, Canadá, Grã-Bretanha, França, Itália, Alemanha e Japão impediram-nos de chegar a acordo sobre novas sanções concretas”.

Alguns importantes líderes ocidentais – especialmente, o francês Macron – já desenvolveram pontos de vista para resolver a guerra através do diálogo com a Rússia. As opiniões de Macron, como seria de esperar, não foram bem recebidas pelo britânico Boris Johnson, que disse a Macron que resolver a guerra agora iria causar “instabilidade duradoura“. Mas, ao contrário de Johnson, Macron talvez veja os limites das opções ocidentais.

Macron foi rápido a dizer a Biden que mesmo que os EAU e a Arábia Saudita aumentassem a produção, isto não ajudaria. O que isto significa é que os preços globais da energia, principalmente elevados pelas sanções ocidentais, não podem ser reduzidos de forma a que o Ocidente o considerasse possível.

Os crescentes problemas do Ocidente – e mesmo a sua fraqueza – são também evidentes pelo facto de a presença de países não membros, como a Índia, não ter contribuído para os esforços do bloco no sentido de empedrar uma aliança global contra a Rússia. A Índia é um exemplo interessante. Quando a guerra Rússia-Ucrânia começou e a Índia decidiu comprar petróleo russo, os EUA avisaram Nova Deli, em abril, que haverá “consequências” sobre as tentativas de “contornar” as sanções contra a Rússia.

Agora que a Índia foi convidada para a cimeira significa que o Ocidente não conseguiu derrotar a Rússia por si só e que está a olhar desesperadamente para outros estados. Mas será que esta estratégia funcionou? O Ocidente quis obviamente dar à Índia prestígio temporário como potência global para a afastar da Rússia. Mas não funcionou. Como os relatórios indicam, Modi disse ao líder alemão, Olaf Scholz, que a Índia não se tornaria parte de qualquer configuração anti-Rússia e/ou imporia quaisquer sanções para se tornar parte da guerra.

As principais razões para esta rejeição são simples. A Índia, como o seu ministro dos Negócios Estrangeiros disse recentemente, não considera os problemas da Europa/Ocidente como os seus próprios problemas. Para o citar, “a Europa tem de crescer fora da mentalidade de que os problemas da Europa são os problemas do mundo, mas os problemas do mundo não são os problemas da Europa”. O que torna realmente difícil uma tal congruência é o facto de que a compra de energia da Índia à Rússia continua a ser escassa em comparação com a da Europa. Como os dados mais recentes mostram, nos primeiros 100 dias de operação militar da Rússia na Ucrânia, cerca de três quartos das receitas russas provenientes do petróleo e gás vieram da Europa. Apenas 5 por cento vieram da Índia. Como pode então a Europa convencer nações como a Índia a cortar a Rússia?

Que não foram impostas mais sanções à Rússia mostra que o Ocidente não pode simplesmente controlar o mundo inteiro e/ou realmente “isolar” a Rússia de qualquer forma significativa, especialmente quando a guerra saiu do impulso dos EUA para expandir a NATO para cercar a Rússia.

Não admira que Biden tenha permanecido reticente na cimeira, mesmo quando saiu apressadamente sem fazer qualquer discurso. Pouco lhe restava a dizer, depois de nada de concreto ter saído da cimeira que se pensava ser a mais produtiva realizada nos últimos anos. Vem como um lembrete sombrio ao bloco que, num mundo caracterizado pela crescente multipolaridade, as chamadas “democracias livres” não podem arrogar-se a tarefa de “guiar” o mundo.

Imagem de capa por M. M. Czarnecki sob licença CC BY-NC 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply