Porque é que Israel está agora a ajudar os EUA contra a Rússia?

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


O pano de fundo imediato da mudança de atitude de Jerusalém é um telefonema recente entre Biden e o primeiro-ministro israelita Naftali Bennett


Apesar de Israel se ter anteriormente recusado a opor ou condenar a operação militar especial da Rússia na Ucrânia – que foi provocada pelo expansionismo irresponsável do Ocidente associado aos planos de alargamento da NATO – a situação mudou nos últimos dias. Israel alterou claramente o seu estatuto anterior, uma vez que Jerusalém não só criticou a operação militar de Moscovo, como também manifestou a sua vontade de ajudar o fornecimento de sistemas avançados de armamento à Ucrânia contra a Rússia. O ministro dos Negócios Estrangeiros Yair Lapid “condenou” recentemente, num tweet, a operação militar da Rússia na Ucrânia. Moscovo respondeu apontando a posição de Israel como “uma tentativa mal camuflada de tirar partido da situação na Ucrânia para distrair a atenção da comunidade internacional de um dos mais antigos conflitos por resolver – o conflito israelo-palestiniano”. A Rússia também advertiu Jerusalém contra o fornecimento de quaisquer sistemas de armas a Kiev, afirmando que Moscovo responderá “em conformidade”. O que aconteceu que levou ambos os países ao ponto de uma discussão diplomática que poderia muito bem transformar-se num esforço de guerra israelita contra a Rússia?

O pano de fundo imediato da mudança de atitude de Jerusalém é um telefonema recente entre Biden e o primeiro-ministro israelita Naftali Bennett. Aparentemente, a administração Biden ofereceu a Jerusalém algo muito valioso que não pode recusar. Como os detalhes mostram, Washington decidiu abandonar Teerão, mais uma vez, para apaziguar Jerusalém e angariar o seu apoio contra a Rússia. As provas para tal foram fornecidas pelo próprio Bennet.

Como mostra a leitura israelita da chamada, Bennet recebeu uma garantia de Biden de que a Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) continuará a ser listada como um grupo “terrorista” – uma garantia que só poderia ser um prelúdio para o eventual fracasso das conversações em curso entre os EUA e Teerão no sentido de reavivar o negócio nuclear de 2015, o Plano de Acção Global Conjunto (JCPOA). De acordo com a leitura, Bennet afirmou que,

“Estou certo de que o presidente Biden, que é um verdadeiro amigo de Israel e se preocupa com a sua segurança, não permitirá que a IRGC seja retirada da lista de organizações terroristas. Israel clarificou a sua posição sobre a questão: A IRGC é a maior organização terrorista do mundo”.

Anteriormente, os EUA tinham mostrado a sua vontade de retirar o estatuto da IRGC como organização terrorista para facilitar o processo em curso e obter algumas garantias do Irão sobre a sua actividade regional. Agora que Washington decidiu apaziguar Israel para fortalecer o seu bloco anti-Rússia, o Irão tinha-se tornado mais uma vez uma vítima da geopolítica expansionista de Washington.

As autoridades israelitas já estão confiantes de que os EUA anunciarão em breve o fracasso das conversações com o Irão. Segundo um funcionário israelita anónimo citado nos meios de comunicação israelitas, “A possibilidade de as partes assinarem um acordo num futuro previsível está a diminuir a um ritmo exponencial”.

É irónico ver que, embora os EUA estejam envolvidos em conversações com o Irão há já muitos meses, só agora é que altos funcionários da administração Biden começaram a manifestar a sua oposição à possibilidade de alterar o actual estatuto da IRGC. O general Mark Milley, presidente do Conselho Conjunto dos Chefes dos EUA, disse numa audiência do Congresso que, “Na minha opinião pessoal, acredito que a Força Quds da IRGC é uma organização terrorista e não apoio que seja retirada da lista de organizações terroristas estrangeiras”.

Se as conversações não reanimarem o JCPOA, isso significaria que os EUA sobrepuseram a questão da IRGC deliberadamente para aniquilar todo o processo. Não esqueçamos que a questão do estatuto da IRGC como organização terrorista não tem nada a ver com o acordo que foi assinado pela administração Obama em 2015. Por conseguinte, ao salientar que os EUA não tomarão quaisquer medidas para desclassificar a IRGC, sinalizou também ao Irão que pode ou aceitar um acordo nos termos dos EUA ou ir-se embora de mãos vazias.

Apesar de ainda não vermos como o Irão responde a esta mudança, permanece que qualquer acordo oferecido agora terá uma marca israelita visível, o que torna difícil para Teerão aceitá-lo. Por extensão, isto também significa que a força militar mais poderosa da Ásia Ocidental estará agora a ajudar a NATO contra a Rússia. Isto faz todo o sentido para a administração Biden, que há dois meses procura formas de expandir o seu apoio a Kiev.

O secretário de Defesa dos EUA está a fazer lobby activamente junto de funcionários de muitos outros países para aumentar o apoio a Kiev numa base de longo prazo. Israel é um dos 40 países que participaram na cimeira recentemente realizada na Alemanha. O objectivo central desta cimeira é, segundo Mark Milley, coordenar a assistência à segurança de Kiev, incluindo armas pesadas, para a ajudar, nas palavras de Austin, a “derrotar” a Rússia.

Israel tem, assim, trocado a sua neutralidade por um acordo com os EUA para manter Teerão sob controlo. Mas a questão crucial é até que ponto esta troca é de facto boa? A ajuda de Israel à Ucrânia hoje poderia facilmente transformar-se numa Moscovo fazendo vista grossa à actividade do Irão na Síria, Líbano e outras partes da Ásia Ocidental contra Israel. Por outras palavras, isto significa que o Irão poderia procurar ajustar contas com Israel pela sabotagem deliberada do acordo nuclear por parte deste último.

Em suma, tendo Israel tomado partido no conflito em curso na Ucrânia, tornou-se muito conscientemente um instrumento para a política de expansionismo do Ocidente. Isto não é irónico na medida em que o expansionismo do Ocidente só é igualado pelo próprio expansionismo de Israel para sempre explodindo em relação aos palestinianos e outras nações. Foi neste contexto que o representante permanente da Rússia nas Nações Unidas, Vasily Nebenzya, lembrou – e aqueceu – Israel durante uma recente reunião do Conselho de Segurança da ONU que os “planos de colonatos no Golan sírio ocupado ameaçam minar a estabilidade regional” tanto como o fornecimento de sistemas de armamento de Israel a Kiev.

New Eastern Outlook

Imagem de capa por Facts for a Better Future sob licença CC BY-SA 2.0


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)