Pela alucinação de Zelensky, 500 dos seus soldados morrem todos os dias

Rainer Rupp

Jornalista e ex-agente de Inteligência


Que espaço de negociação pode o governo Zelensky ganhar em relação aos russos, com o sacrifício de mais 1.400 a 3.500 soldados ucranianos mortos, se a guerra for prolongada por uma semana? Nenhuma.


Afirma-se muitas vezes que o Ocidente era bastante ignorante desde o início e não tinha uma estratégia coerente para a situação na Ucrânia. Isto não é verdade. Porque se analisarmos os desenvolvimentos na Ucrânia, podemos ver muito bem uma estratégia a longo prazo do Ocidente por detrás dela, que mostra os típicos padrões de acção dos EUA para desestabilizar países estrangeiros e derrubar governos, desta vez com o governo russo como alvo.

Mas o cálculo original dos EUA/NATO não funcionou. Como resultado dos desenvolvimentos reais na Ucrânia, o Ocidente tem ficado cada vez mais perplexo.

Há apenas quatro meses, os líderes políticos em Washington, em Londres, em Bruxelas e também a nova coligação de semáforo do governo alemão e os seus conselheiros em Berlim estavam bastante confiantes de que os russos se iriam esticar demasiado militarmente na Ucrânia e, ao mesmo tempo, cair sob a pressão das mais abrangentes e piores sanções económicas e financeiras desde o fim da Segunda Guerra Mundial. No caos social resultante, o regime de Putin não amado seria então varrido pela população russa desiludida.

Mas os senhores da guerra ocidentais pensaram demasiado depressa. O desenvolvimento foi completamente o contrário do planeado. Após uma posição de partida inicialmente forte da Ucrânia com o bem sucedido golpe de Maidan em 2014, o Ocidente inteiro tem estado de pé bastante indefeso desde o início da operação militar russa para desmilitarizar e desnazificar urgentemente a Ucrânia de hoje.

São os governos ocidentais que estão hoje económica e militarmente sobrecarregados, e não apenas devido à operação russa na Ucrânia. A inflação galopante, a escassez de energia, o abastecimento precário de fertilizantes e alimentos, a escassez de abastecimento em quase todas as outras áreas de mercadorias e semi-produtos, bem como os fortes sinais de um novo colapso da bolsa de valores e o rebentar da gigantesca bolha financeira no Ocidente são em grande parte auto-infligidos, mesmo que a culpa por tudo esteja agora a ser transferida para “Putin”.

Entretanto, a agitação cresce na sociedade ocidental face às políticas externas e económicas autodestrutivas e à incompetência não raramente infantil dos seus próprios governos. Estes devem preocupar-se cada vez mais com a estabilidade nos seus próprios países, enquanto na Rússia a economia está a crescer novamente, a inflação está a cair rapidamente e o rublo tornou-se uma das moedas mais fortes do mundo.

Com as suas sanções económicas extraordinariamente severas, os governos da comunidade ocidental de não-valores tinham esperado que a economia russa entrasse em colapso em 15 a 20 por cento este ano. Há três meses, os próprios russos tinham ainda assumido nas suas previsões que o produto interno bruto iria cair 7,5%. Agora que a economia russa começou novamente a cantarolar, Moscovo está apenas a assumir um declínio no crescimento económico de três a quatro por cento para todo o ano de 2022.

E no que diz respeito ao objectivo dos EUA/NATO de desestabilizar a sociedade russa, eles também estão totalmente deslocados nesse aspecto. O apoio popular ao presidente Putin é excepcionalmente forte. A aprovação das políticas do Kremlin é de mais/menos 80 por cento, dependendo da sondagem. Comparar este resultado com o dos fanfarrões políticos do Ocidente.

Em 2014, quando os EUA e os seus vassalos europeus, com a ajuda de violentos extremistas fascistas, assumiram a Ucrânia anteriormente neutra no sangrento golpe de Maidan e praticamente a anexaram à NATO a nível político, militar e económico, o Ocidente unido viu a Ucrânia como uma moeda de troca extraordinariamente eficaz contra a Rússia. Um comentador norte-americano na altura utilizou a seguinte imagem:

“Temos agora a oportunidade de iniciar um grande incêndio mesmo à porta da Rússia em qualquer altura, ou de o apagar de novo, dependendo de como a Rússia se comporta connosco, na Europa ou no resto do mundo”.

A partir do significativo ganho estratégico na Ucrânia, as elites nos EUA e na Europa esperavam poder forçar a Rússia a regressar sob a ordem mundial baseada em regras, liderada pelos EUA, como a conhecemos dos anos do presidente Ieltsin. Basicamente, queriam restabelecer a situação na Rússia, onde as portas para pilhar os recursos da Rússia estavam mais uma vez bem abertas para as corporações ocidentais. No entanto, estas tinham sido brutalmente fechadas pelo malvado presidente Putin.

Esta é a razão pela qual, do ponto de vista da comunidade elitista ocidental, o “regime maléfico de Putin” deve desaparecer de uma vez por todas.

O meio para atingir um fim foi a guerra no leste da Ucrânia, que se arrasta há oito anos. Os senhores da guerra ocidental queriam intensificar novamente esta guerra. Isto começou com a aprovação ocidental da ofensiva ucraniana para retomar o Donbass e a Crimeia, que começou a 16 de fevereiro deste ano com um bombardeamento maciço de artilharia contra as Repúblicas Populares de Lugansk e Donetsk, que durou uma semana. Isto provocou a intervenção da Rússia.

O Ocidente estava convencido de que, graças a oito anos de entregas de armas ocidentais, treino militar em táctica e estratégia, assistência americana em reconhecimento militar em tempo real e muitas outras ajudas militares dos EUA/NATO, a Ucrânia provaria ser um osso duro de roer para os russos. Além disso, esperava-se que os russos ficassem atolados na luta na Ucrânia e que as sanções maciças na guerra económica contra a Rússia abalassem a frente interna em Moscovo. As consequências esperadas eram que a Rússia ficaria atolada na Ucrânia com pesadas perdas militares e que em casa a crise económica e política conduziria ao colapso do governo russo. Esse foi o cálculo.

De facto, durante as duas primeiras semanas da operação militar russa na Ucrânia, parecia que os cálculos EUA/NATO iriam funcionar. Mal informadas, as colunas de forças russas tinham avançado à pressa e sido conduzidas a emboscadas preparadas para elas, confiantes de que as forças ucranianas colocariam pouca resistência e sem protecção de flanco suficiente. Foi durante este curto período que os russos sofreram as suas mais pesadas perdas até à data. Desde então, têm prosseguido metódica e lentamente, mas com firmeza. A consideração pela população civil, com quem a Rússia se quer dar bem depois da guerra, tem sido uma grande prioridade.

De acordo com um relatório da ONU publicado no final da semana passada, o número de baixas civis que a operação russa reivindicou até agora é surpreendentemente baixo, estimado em 4.500. Especialmente tendo em conta a ferocidade dos fortes combates em muitas aldeias e cidades ucranianas na guerra que durou quase quatro meses. Segundo um relatório da ONU do final do ano passado, este número representa apenas um terço dos 14.000 civis mortos no Donbass pelo exército ucraniano durante os últimos oito anos. Muitas vezes isto tem sido feito através de fogo indiscriminado de artilharia por unidades nazis ucranianas sem objectivos militares em áreas residenciais civis.

Ao contrário do que o Ocidente esperava, a Rússia também tem evitado com sucesso ficar atolada nas suas operações militares. Mas a principal razão pela qual o Ocidente está actualmente tão desconcertado é que a economia russa reagiu e funcionou de forma fundamentalmente diferente da guerra económica EUA/NATO do que se esperava. Na sexta-feira passada, o Banco Central russo baixou mesmo as taxas de juro para 9,5%, e a tendência está a cair ainda mais rapidamente, porque a inflação também está a cair rapidamente. O extraordinário reforço do rublo contra quase todas as outras moedas mundiais também contribuiu para isso.

A partir de 16 de junho de 2022, 57 rublos irão comprar um dólar. A última vez que o rublo foi tão forte foi antes do golpe de Maidan em 2014. Devido às medidas hostis dos EUA-UE para destruir a moeda russa imediatamente após a actual intervenção militar russa na Ucrânia, o rublo tinha caído brevemente para o nível de 150 rublos a um dólar. O chefe do Banco Central russo, no entanto, reagiu de forma brilhante. Tal como no judo, ela utilizou brilhantemente a energia do atacante para derrotar o adversário, na medida em que agora os países classificados como “hostis” devem pagar as suas importações de energia da Rússia em rublos. Isto quase triplicou o valor do rublo em relação ao dólar em comparação com o final de fevereiro de 2022, tornando a importação de todos os bens denominados em dólares do resto do mundo muito mais barata para os compradores russos.

Ainda mais surpreendente para muitos observadores da economia russa é o facto de haver sinais crescentes de uma recuperação sustentada – especialmente quando se trata de actividade industrial. Por exemplo, a enorme fábrica de automóveis perto de Togliatti, onde são fabricados os famosos Lada, retomou as suas operações em pleno. A UE/NATO espera que a produção paralisasse durante meses devido à falta de peças provenientes do Ocidente provou ser tipicamente ocidental, ou seja, um pensamento infundado de desejos. Ao mesmo tempo, os desenvolvimentos na indústria automóvel não parecem ser a “andorinha” que não faz a primavera. Pelo contrário, números recentes do Banco Central da Rússia sugerem que a ascensão tem uma base ampla.

Entretanto, fotografias privadas nas chamadas redes “sociais” mostram que os supermercados russos carecem por nada. As prateleiras estão cheias, mesmo que no sector alimentar os produtos nobres da UE, tais como queijo francês e presunto italiano, estejam em grande parte em falta. Mas existem substitutos de outros países. Os gourmets não chamariam a isto um “substituto”, mas a população russa pode lidar com a situação, ao contrário dos consumidores nos países do Ocidente.

Na UE, no Reino Unido e especialmente nos EUA, a recessão combinada com uma inflação de quase dois dígitos ameaça empurrar ainda mais pessoas para a pobreza. Ao mesmo tempo, as taxas já muito elevadas da dívida privada e governamental, combinadas com o aumento das taxas de juro, estão a impedir os bancos centrais de voltarem aos dias de multiplicação milagrosa do dinheiro.

Pela primeira vez em memória viva, no final do ano, mesmo muitas pessoas da classe média na Alemanha estão ameaçadas de fome e/ou de congelamento. É difícil imaginar que isto permaneça sem repercussões políticas. Do mesmo modo, tendo em conta a incompetência e ignorância constantemente demonstradas do governo dosemáforo em Berlim – especialmente com a sua componente verde – é provável que se torne cada vez mais difícil transferir todas as culpas para os russos.

O facto de a Rússia não ter cedido sob as sanções deu aos russos tempo para resolverem calmamente os problemas militares iniciais. Com excepção do actor presidencial Zelensky, mesmo o mais obcecado propagandista de Kiev e do Ocidente já não acredita numa vitória ucraniana. Em vez disso, com as unidades da linha da frente do exército ucraniano a darem sinais crescentes de desintegração, discute-se agora quantas mais semanas o exército do país pode aguentar.

Em vez de se atolarem militarmente na Ucrânia, como se supunha inicialmente no Ocidente, os russos criaram factos militares no campo de batalha na Ucrânia nos meses que se seguiram após o governo ucraniano ter interrompido as negociações em Istambul no final de março e tendo em conta a persistente recusa de Kiev em retomar as negociações com Moscovo para uma resolução diplomática do conflito. Estas não podem ser negociadas fora mesmo em quaisquer conversações futuras com a Ucrânia ou o Ocidente. E com cada dia adicional em que a força de produção de propaganda de Zelensky em Kiev prolonga a guerra, enfraquece ainda mais a sua posição negocial.

A cada dia adicional de guerra, Zelensky sacrifica centenas dos seus próprios soldados. Segundo o conselheiro de Zelensky, Dawid Arachamija a 15 de junho durante a sua visita a Washington, o exército ucraniano está a perder entre 200 e 500 mortos e outros 500 gravemente feridos todos os dias. As pessoas estão a morrer uma morte completamente sem sentido. Mesmo que se veja friamente os militares e os soldados apenas como um meio para atingir um fim, nomeadamente para “continuar a política por outros meios”, cada pessoa razoável deve perguntar-se que objectivos políticos Kiev ainda quer atingir com a continuação da guerra há muito perdida.

Que espaço de negociação pode o governo Zelensky ganhar em relação aos russos, com o sacrifício de mais 1.400 a 3.500 soldados ucranianos mortos, se a guerra for prolongada por uma semana? Nenhuma. Mesmo uma guerra mais longa de quatro semanas com até 14.000 mortos não irá melhorar a situação para o governo de Kiev. A guerra está perdida para a Ucrânia! E esta realização parece já ter sido aceite por muitos militares da NATO, mas obviamente os políticos civis da NATO continuam a insistir no seu mantra: “A Rússia tem de perder! Esta é a única forma de explicar a razão pela qual os governos ocidentais não se atrevem a continuar com esta loucura assassina através de novas entregas de armas.

Em vez de deixar claro a Zelensky que ele perdeu e que a NATO não o ajudará a recuperar o Donbass e a Ucrânia, como o palhaço tinha proclamado em voz alta há apenas alguns dias, os ministros de guerra da NATO, na sua reunião em Bruxelas a 15 de junho, voltaram a discutir mais entregas de armas à Ucrânia, reforçando assim apenas mais a perda da realidade na liderança ucraniana. Porque é que os ministros da NATO estão a fazer isto?

Se uma vitória ucraniana estiver fora de questão, e se não for possível ganhar fichas de negociação continuando a guerra, resta apenas uma explicação: o Secretário de Guerra dos EUA, Lloyd Austin, tinha descuidadamente esbatido a questão durante a sua visita a Kiev, nomeadamente que os americanos querem “continuar a guerra na Ucrânia o máximo de tempo possível”, a fim de “sangrar a Rússia até secar”.

No entanto, não é a Rússia que está a ser sangrada, mas sim a Ucrânia. E estes são os ajudantes e amigos do presidente ucraniano. O povo da Ucrânia deve tirar daí as suas consequências o mais depressa possível e afastar os seus falsos amigos EUA/NATO.

Imagem de capa por manhhai sob licença CC BY 2.0

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Rainer Rupp
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply