Os EUA tentam activamente transformar o Quirguistão em anti-Rússia

Por Vladimir Odintsov

Os Estados Unidos, tendo recentemente feito da russofobia o foco principal da sua política, estão a tentar tenazmente agravar as relações com a Rússia em várias regiões do mundo, especialmente no território da ex-URSS


O confronto geopolítico entre o Ocidente colectivo, liderado pelos Estados Unidos, e a Rússia intensificou-se notavelmente e, nos últimos meses, depois de Moscovo ter lançado uma operação especial para desnazificar a Ucrânia, talvez tenha atingido o seu auge. Este confronto manifesta-se de forma especialmente evidente nas esferas política e comercial e económica.

Os Estados Unidos, tendo recentemente feito da russofobia o foco principal da sua política, estão a tentar tenazmente agravar as relações com a Rússia em várias regiões do mundo, especialmente no território da ex-URSS – Ucrânia, estados bálticos, e Ásia Central. Estes “showdowns” são inspirados pelos Estados Unidos no território de povos que antes eram fraternais com a Rússia, com o objectivo principal – afastar estes estados da Federação Russa e mudar radicalmente a sua orientação política no sentido de uma total subordinação aos interesses dos Estados Unidos. Através das suas acções, o Ocidente procura transformar o espaço pós-soviético numa zona de confronto activo com a inspiração da agitação social e mesmo de acções terroristas.

O interesse especial do Ocidente colectivo em provocar um agravamento da situação na Ásia Central deve-se ao facto de os interesses de muitos actores geopolíticos importantes se cruzarem nesta região: a Rússia do norte, a China do leste, o Ocidente colectivo do oeste e o mundo islâmico do sul. Depois de Moscovo ter lançado a operação especial na Ucrânia, os Estados Unidos aumentaram a sua pressão sobre os estados da região, exigindo que estes se dissociassem ao máximo da Rússia. Isto colocou os estados da Ásia Central, que são membros da CSTO e da União Económica Eurasiática, numa situação bastante difícil e delicada. E se anteriormente a posição de neutralidade se adequava aos países da região em muitos aspectos, hoje isso não é suficiente, uma vez que é impossível para os países da Ásia Central evitarem a necessidade de responder às acções abertamente hostis dos Estados Unidos e dos seus aliados, apresentando desculpas sobre o compromisso com a política multi-vectorial.

Numa tentativa de explorar alguma confusão entre as autoridades de cada Estado da Ásia Central, os Estados Unidos e os seus aliados ocidentais intensificaram a interacção com a elite política dos países desta região. Assim, nos últimos meses, colocaram uma ênfase séria a este respeito no Quirguistão, que o Ocidente colectivo está a tentar intensamente transformar num país anti-russo.

Para este efeito, por exemplo, em meados de abril, a subsecretária de Estado norte-americana para a Segurança Civil, Democracia e Direitos Humanos, Uzra Zeya, fez uma visita a Bishkek. Ela realizou uma série de reuniões com representantes dos dirigentes deste país: com o ministro dos Negócios Estrangeiros, o procurador-geral, o chefe de Gabinete Adjunto, bem como com representantes da sociedade civil e chefes de muitas ONG. Numa entrevista com jornalistas, Uzra Zeya admitiu que, nos mais de trinta anos de independência do Quirguistão, as autoridades norte-americanas verteram para o país cerca de dois mil milhões de dólares não reembolsáveis.

Por falar nisso, é particularmente digno de nota que, graças aos esforços activos da diplomacia americana, foi criada no Quirguistão uma extensa rede de mais de 18 mil ONGs e organizações sem fins lucrativos – um número enorme para um país com 6 milhões de habitantes, em conexão com o qual o Quirguistão é mesmo chamado “o país de ONGs”. Existem muitas organizações abertamente anti-russas e proibidas na Rússia entre estas ONGs que criaram a sua própria rede pró-ocidental em todo o Quirguistão e estão a tentar estabelecer o controlo sobre as mentes do público. De acordo com alguns relatórios, o montante de fundos anuais atribuídos pelos doadores às ONG locais excede o orçamento das instituições estatais e de algumas regiões do Quirguistão. As acções das ONGs pró-Ocidente também explicam a rápida mudança política na República, expressa no financiamento de protestos e revoluções coloridas por eles provocados. Actuando em conjunto com a embaixada local dos EUA, estas ONGs estão a tentar infiltrar-se sistematicamente na vida política da república, empenhando-se, entre outras coisas, na compra directa dos meios de comunicação social e de representantes proeminentes da elite, interferindo sem cerimónias nos assuntos internos do Quirguistão.

Continuando esta pressão sobre os países da região e, em particular, sobre o Tajiquistão, em meados de junho o Quirguistão e estados vizinhos foram visitados por outro emissário importante dos Estados Unidos – o chefe do Comando Central do Exército dos EUA, o general Michael Kurilla, que foi nomeado para este posto a 1 de abril. Declarações oficiais americanas indicavam que a viagem do general do Pentágono à Ásia Central alegadamente “teve lugar no quadro do reforço da cooperação entre os Estados Unidos e os países da região no domínio da segurança e do fim das ameaças que emanam do território do Afeganistão”. No entanto, é um segredo aberto que, de facto, o Pentágono tentou sinalizar que mantém a situação na região sob controlo e que não vai partir. E isto significa que o comando militar dos EUA continua a considerar a Ásia Central como um potencial trampolim contra a Rússia e a China. Não é segredo que o Comando Central do Exército dos EUA é uma estrutura de pessoal dentro das forças armadas dos Estados Unidos responsável pelo planeamento de operações e gestão das tropas americanas no caso de operações militares nas regiões do Médio Oriente, África Oriental e Ásia Central. E recentemente, tem sido responsável por todas as operações militares dos EUA no Iraque e na Síria.

Nestas condições e a fim de dar um impulso adicional ao trabalho no Quirguistão em áreas de interesse para os Estados Unidos, a Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado norte-americano aprovou, no dia 29 de julho, a candidatura de Lesslie Viguerie como o novo embaixador dos Estados Unidos no Quirguistão. Viguerie foi seleccionado devido ao seu bom conhecimento das especificidades da região: trabalha actualmente no Departamento de Estado como secretário adjunto para os Assuntos da Ásia Central e do Paquistão no Gabinete para os Assuntos da Ásia do Sul e Central. Anteriormente, foi embaixador adjunto dos EUA no Uzbequistão, e trabalhou nas missões diplomáticas americanas em Deli e Moscovo. Fala hindi, russo e português.

Como decorre do discurso de apresentação de Lesslie Viguerie numa reunião da comissão competente do Senado dos EUA, pretende colocar uma ênfase especial no seu trabalho de apoio a uma vasta rede de ONGs já estabelecida pelos Estados Unidos naquele país nos últimos anos para implementar as tarefas de interesse para os EUA. Ou seja, continuar a separação do Quirguistão da Rússia através da utilização de ONGs e da promoção da “democracia ao estilo americano” neste país.

Imagem de capa por Lithuanian Ministry of Foreign Affairs sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Odintsov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply