Os EUA estão a tentar opor-se à China no campo da economia internacional

Por Vladimir Terehov


Toda esta agitação de Washington relacionada com o peso crescente da República Popular da China na economia global parece ser significativamente irracional


No final dos anos 90, alguns dos cientistas políticos americanos sérios já tinham mais ou menos decidido sobre a resposta a duas questões-chave inter-relacionadas: quanto tempo duraria o “belo momento” do mundo unipolar e quem seria capaz de desafiar o seu líder, que se encontrava no topo da hierarquia mundial com o fim da Guerra Fria.

Na altura, um extenso artigo de M. Mastanduno, publicado em 1997 na revista International Security com o título notável “Preservando o Momento Unipolar: Teorias Realistas e a Grande Estratégia dos Estados Unidos após a Guerra Fria“, veio à ribalta.

Foi um trabalho fundamental no qual o problema formulado no título deste artigo foi considerado a partir de diferentes posições teóricas. Mas, tanto quanto se podia compreender, a resposta final foi influenciada pela prática, que foi identificada por essa altura sob a forma de dois factos notáveis que continuam a ser relevantes. Destes, o primeiro estava relacionado com um desafio que tinha sido lançado dois anos antes (pela primeira vez desde o início dos anos 70) por Pequim a Washington, em ligação com a chamada “Terceira Crise do Estreito de Taiwan”.

O segundo facto muito mais importante deveu-se ao impressionante ritmo de crescimento económico na China, que tinha vindo a emergir desde finais dos anos 70, como consequência das chamadas “reformas de Deng Xiaoping”. O método de extrapolação linear utilizado por M. Mastanduno em relação a estas taxas de crescimento mostrou que, em cerca de dez anos, a China teria a segunda economia do mundo. E isso tornar-se-ia uma base fiável para reclamar uma das posições privilegiadas na mesa do “Grande Jogo Mundial”.

Assim, o principal resultado deste trabalho foi a previsão relativamente à questão de quem e quando irá interromper o “belo momento” do mundo unipolar. Esta previsão provou ser totalmente verdadeira, porque no final dos anos 2000, não só cientistas de alto nível, mas absolutamente todos viram muito obviamente o processo de formação de outra potência global representada pela República Popular da China.

Note-se, a propósito, que tanto os trabalhos acima mencionados como os trabalhos subsequentes do já mencionado M. Mastanduno (em colaboração com outros cientistas igualmente conhecidos) derrubaram completamente o conceito anteriormente (quase) filosófico do “Fim da História”.

Tal como noutros locais, a elite política dos EUA não prestou imediatamente a atenção necessária às conclusões notórias da sua própria ciência interna. Ao mesmo tempo, surgiu uma construção artificial chamada “terrorismo internacional” (muito provavelmente na profundidade de serviços especiais). Além disso, eclodiu uma feroz disputa dentro da própria comunidade científica entre apoiantes da continuação da expansão armada na cena mundial e aqueles que consideraram necessário “regressar às origens” do conceito de “Cidade sobre uma colina”. O que pode interessar a outras nações pela sua própria aparência, e não pela argumentação de “ataque de porta-aviões”.

Ou seja, no início dos anos 2000, a liderança política dos EUA viu-se confrontada com uma escolha muito ampla de conceitos iniciais (contraditórios) no processo de formação de uma estratégia de comportamento na cena mundial. A influência simultânea de todos eles na prática política americana pôde ser vista durante as duas décadas seguintes.

E apenas na fase inicial da administração Joe Biden houve um momento sacramental “Então foi isso que a minha desgraça foi anunciada para portar”, quando o sucesso do projecto global da Iniciativa Belt and Road (BRI) chinesa se tornou evidente. Além disso, este sucesso manifestou-se principalmente nos países do chamado “terceiro mundo”, nos quais se concentra a maioria da população humana.

A propósito, parece apropriado notar que a crescente influência no mundo dos dois principais perdedores na Segunda Guerra Mundial – Alemanha e Japão, se deve também ao mesmo factor. A natureza do seu comportamento actual na arena internacional (por exemplo, em relação à “crise ucraniana”) não é determinada pela famigerada “ocupação americana”. O que nada tem a ver com a motivação de Berlim e Tóquio para tomarem certas decisões de política externa. A saúde do organismo económico (ou seja, precisamos de o repetir, do principal instrumento de política externa) destes dois países é essencialmente assegurada pelo enorme mercado americano. Para continuarmos a manter-nos nele, precisamos de pagar algum tipo de preço no palco mundial. A este respeito, a questão das personalidades que se encontram actualmente no poder na Alemanha e no Japão é frequentemente alvo de excessiva atenção.

Deve também notar-se que Pequim está em vias de se habituar ao pesado e invulgar fardo da liderança na política global (como consequência inevitável do seu sucesso económico) e de procurar a estratégia de comportamento mais óptima que existe nela. Actualmente, já não existe a “assertividade” que se manifestou em meados da última década nas relações da China com os seus vizinhos do Sudeste Asiático, cujos custos ainda estão a ser utilizados pelos principais opositores de Pequim. A “assertividade política” está a ser substituída pelo referido factor de desenvolvimento da cooperação económica e tendo em conta os interesses dos vizinhos da China.

Seja como for, mas Washington finalmente compreendeu a situação com a China (aparentemente bastante tardia) e hoje está a tentar, em primeiro lugar, formar projectos económicos internacionais alternativos ao BRI, e também, em segundo lugar, excluir a China do sistema de divisão internacional do trabalho no campo mais importante das tecnologias TI.

O primeiro componente foi comentado mais de uma vez no New Eastern Outlook em ligação com os projectos B3W, GG, Quad, I2U2. Esta lista de acrónimos foi complementada com uma nova, que surgiu durante a viagem de Joe Biden à Coreia do Sul e ao Japão, que teve lugar na terceira semana de maio. Estamos a falar do Quadro Económico Indo-Pacífico para a Prosperidade (IPEFP), cuja formação foi anunciada pelo presidente americano em Tóquio.

A 23 de maio, a Casa Branca divulgou uma declaração, que enumera os 13 países que até agora concordaram em entrar no formato IPEFP, bem como os seus objectivos e prioridades a serem abordados. Entre os participantes, a presença da Índia (também parte da Quad e I2U2), e metade dos países da sub-região do sudeste asiático (como o Vietname, Indonésia, Filipinas) vieram à luz do dia.

Quanto à questão de saber por que razão “todos nós nos reunimos aqui (novamente) esta noite”, a resposta mais geral a este documento parece ser a seguinte: “Partilhamos um compromisso para com uma região do Indo-Pacífico livre, aberta, justa, inclusiva, interligada, resistente, segura e próspera”. Quase ninguém consegue obter emoções negativas a partir desta longa lista de palavras descritivas positivas.

Mas o facto é que os países da referida região do Indo-Pacífico há muito que passaram de bons votos para casos concretos e em grande escala. Pode-se citar, por exemplo, o Corredor Económico China-Paquistão (CPEC), ou seja, até agora o maior elemento do projecto BRI. Como parte das tentativas gerais para melhorar as relações entre o Paquistão e a Índia, foram feitos apelos à adesão ao CPEC a partir de Islamabad em direcção a Nova Deli na altura, os quais continuam sem resposta até agora. A este respeito, a China expressa um desapontamento considerável.

Este facto, bem como o facto de os Estados Unidos declararem a sua intenção de realizar na região acima referida as mesmas actividades que os participantes da BRI têm vindo a realizar há muito tempo, é outro indício do estado desfavorável, para o dizer de forma suave, da situação política geral no mundo. Irá piorar ainda mais se os ataques de informação sobre a possível adesão de Taiwan ao formato IPEFP se revelarem uma realidade. O que é, mais uma vez, de natureza obviamente competitiva (mais uma vez, para o dizer de forma suave) em relação ao projecto BRI.

A intenção de Washington de formar (mais uma vez, sem a participação chinesa) uma cadeia logística de fornecimento no campo extremamente importante da produção de vários semicondutores semi-acabados, que servem de base para a indústria de “alta tecnologia”, enquadra-se no curso geral de expulsão da República Popular da China de sectores importantes da economia internacional. Nos meios de comunicação, o futuro conglomerado internacional já recebeu a designação Chip 4, que deverá ser formado por empresas especializadas na produção de “chips” nos EUA, Japão, República da Coreia e Taiwan.

Destas, a China prestou especial atenção aos dois últimos (potenciais) participantes. Quanto à República da Coreia, após a eleição do novo presidente, houve um elemento de alguma incerteza sobre o rumo da política externa daquele país. O agravamento da luta entre os EUA e a China pela influência sobre a República da Coreia já foi notado. O facto de negociações em curso com Seul sobre a conclusão de um Acordo de Comércio Livre bilateral continua a ser um dos instrumentos de peso de Pequim. Este é um dos factores que, aparentemente, está a causar a hesitação da actual liderança da República da Coreia na questão da adesão ao conglomerado Chip 4.

A cautela de Pequim quanto ao possível envolvimento de Taiwan neste projecto explica-se tanto pelo agravamento dos problemas do estatuto internacional da ilha, como pelo facto de hoje em dia pelo menos dois terços do volume total de chips fabricados no mundo serem produzidos no seu território.

Finalmente, toda esta agitação de Washington relacionada com o peso crescente da República Popular da China na economia global parece ser significativamente irracional. E, pelo contrário, uma avaliação adequada da situação objectivamente em desenvolvimento na actual fase do “Grande Jogo Mundial” pareceria racional, em cuja mesa os Estados Unidos podem muito bem reclamar um lugar completamente digno para si.

Juntamente com outros jogadores principais.

Imagem de capa por Philippe Vandewauwer sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Terehov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply