O “factor de mudança” HIMARS: o resto da história

Brian Berletic

Ex-marine, investigador e escritor geopolítico


Os Estados Unidos anunciaram que irão enviar mais um sistema de armas pesadas para a Ucrânia no meio da sua actual guerra por procuração com a Rússia


Depois de enviar milhares de mísseis Javelin anti-tanque e mísseis anti-aéreos Stinger, e mais de 100 howitzers M777 (incluindo vários enviados pelos aliados dos EUA Austrália e Canadá), os EUA preparam-se para enviar o High Mobility Artillery Rocket System (HIMARS), o mais recente sistema de mísseis de lançamento múltiplo norte-americano (MLRS).

Os lança-mísseis não eram uma capacidade sem a qual a Ucrânia se encontrava no início deste conflito actual, no final de fevereiro. A Ucrânia tinha um grande número de lança-mísseis que desde então foram destruídos ou capturados pelas forças russas e seus aliados. Os HIMARS iriam, na melhor das hipóteses, ajudar a substituir estas perdas, na pior das hipóteses, dar falsas esperanças com um sistema que irá sobrecarregar os esforços logísticos da Ucrânia, que já se encontravam desmoronados.

A próxima “arma-maravilha”

O Guardian no seu artigo, “Himars: o que são os mísseis avançados que os EUA estão a enviar à Ucrânia?”, relataria:

As unidades Himars transportam uma cápsula pré-carregada de seis mísseis guiados de 227mm (o M270 transporta duas cápsulas), ou uma cápsula grande carregada com um míssil táctico ATACMS (Army Tactical Missile System). Os EUA não fornecerão a Ucrânia com o ATACMS, que tem um alcance de 300 km.

Com uma tripulação pequena, os Himars podem proceder à remoção de uma cápsula gasta e carregar uma nova em minutos, sem a ajuda de outros veículos. As tripulações necessitarão de alguma formação.

No entanto, o Guardian não assinala que enquanto os veículos HIMARS podem carregar eles próprios munições adicionais sem veículos de apoio, um grande número de camiões de transporte é obrigado a trazer munições para serem carregadas em primeiro lugar. Esta é apenas uma das várias questões não relatadas sobre a utilização de HIMARS na Ucrânia.

HIMARS: O resto da história

Uma bateria típica HIMARS inclui 9 lançadores apoiados por dezenas de outros veículos, incluindo vários veículos todo-o-terreno para elementos de comando e controlo de incêndios, 3 camiões de carga para a secção de manutenção, um camião de carga e 2 camiões-cisterna para a secção de abastecimento, e até 12 camiões de carga para a secção de munições.

Quando o Guardian menciona “as tripulações necessitarão de algum treino”, omite-se que o típico operador HIMARS de nível básico no exército dos EUA recebe pelo menos 4 semanas de treino, de acordo com o próprio website do exército dos EUA. Estes operadores de nível básico seriam então enviados para uma bateria HIMARS comandada e tripulada por pessoal mais experiente, possuindo não só conhecimentos técnicos de operação dos próprios HIMARS, mas todos os elementos de apoio necessários para encontrar, disparar e destruir alvos de forma coordenada, tudo isto enquanto se deslocam e sobrevivem no campo de batalha.

O Pentágono, numa recente conferência de imprensa, indicou que este curso de formação de 4 semanas seria reduzido para 3 semanas, pondo seriamente em causa a qualidade das tripulações que irão tripular os HIMARS na Ucrânia.

O comunicado também indicou que a parcela inicial dos HIMARS seria de apenas 4, menos de metade da bateria típica (a mais pequena unidade a operar independentemente) empregada pelo exército dos EUA.

O Guardian observaria, relativamente ao impacto que os HIMARS poderiam ter no campo de batalha na Ucrânia, que:

Os Himars darão às forças da Ucrânia a capacidade de atacar mais atrás das linhas russas, e a distâncias mais bem protegidas do próprio armamento de longo alcance da Rússia.

Os mísseis guiados por GPS que os Himars disparam têm um alcance aproximadamente do dobro do dos howitzers M777 que os EUA forneceram recentemente às forças ucranianas.

A cerca de 80 km, coloca geralmente os Himars fora do alcance da própria artilharia russa, ao mesmo tempo que coloca as baterias russas em risco.

No entanto, o alcance de 80 km das baterias HIMARS mal corresponde às baterias MLRS que a Rússia está a empregar em grande número no campo de batalha. A actual administração americana recusou-se a enviar mísseis de longo alcance compatíveis com os HIMARS com alcance até 300 km, enquanto a Rússia emprega o formidável complexo de mísseis Iskander que corresponde ou excede os seus homólogos americanos.

Os HIMARS são assinalados como utilizando munições guiadas por GPS. Nenhuma menção é feita pelo Guardian do extenso bloqueio de GPS da Rússia no campo de batalha na Ucrânia. O Times, num artigo intitulado, “A Rússia leva a batalha para o espaço e aponta o GPS na Ucrânia”, observa:

“O bloqueio de GPS tornou-se uma ferramenta comum no arsenal da Rússia, e os militares russos bloquearam frequentemente os sinais GPS na Ucrânia desde 2014”, disse o think-tank. “Muito antes do início da invasão [em fevereiro], a Rússia estava a bloquear activamente os sinais de GPS em toda a área”.

O general David Thompson, vice-chefe de Operações Espaciais da Força Espacial dos EUA, disse à NBC em abril, que “a Ucrânia pode não ser capaz de utilizar o GPS porque há bloqueadores à volta que os impedem de receber qualquer sinal utilizável”.

Assim, o único aspecto dos HIMARS que supostamente lhe dá uma vantagem sobre o MLRS russo, precisão, pode eventualmente ser anulado.

A Rússia também possui as melhores defesas antiaéreas do mundo, mesmo segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), financiado pelo governo dos EUA, tal como referido num artigo intitulado, “Russian Air and Missile Defense”, que declara:

Durante a Guerra Fria, a União Soviética investiu fortemente nos seus sistemas de defesa aérea. Como resultado, a Rússia possui agora alguns dos mais avançados sistemas de defesa aérea e antimísseis do mundo.

Ao longo do actual conflito na Ucrânia, as defesas aéreas russas derrubaram mísseis de longo alcance disparados pelos actuais MLRS ucranianos. HIMARS lançando apenas um ou dois foguetes de cada vez a maior alcance, daria às defesas aéreas russas tempo suficiente para adquirir alvos e descer os foguetes antes de chegarem ao destino pretendido.

Para que os operadores HIMARS ucranianos possam ultrapassar tanto o encravamento do GPS russo como as suas formidáveis defesas aéreas, será necessário disparar um grande número de foguetes numa única salva para saturar a área alvo com os foguetes que chegam, a fim de aumentar a probabilidade das munições bloqueadas ainda se aproximarem dos seus alvos, e de sobrecarregar as defesas aéreas russas para garantir que pelo menos alguns foguetes atinjam os seus alvos.

Contudo, para o fazer, será necessária uma grande quantidade de munições. Serão necessários mais de uma dúzia de camiões para mover as munições para uma única bateria para sustentar esta cadência de fogo, criando uma grande pegada física, tornando mais provável que a Rússia encontre e atinja a bateria com contra-fogo.

A potência aérea e a defesa aérea russas proporcionam-lhe uma relativa segurança aquando do destacamento MLRS. A Ucrânia tem pouco de ambos e foi um factor que contribuiu para a perda do seu próprio MLRS ao longo deste conflito. A falta de energia aérea e de defesas aéreas nega à Ucrânia o luxo de montar uma bateria HIMARS da forma como os EUA normalmente o fazem.

É muito claro que muitos dos sistemas de armas que os EUA e os seus aliados estão a transmitir à Ucrânia são simplesmente sistemas que têm nos seus inventários, não sistemas que são apropriados para o actual campo de batalha. Isto porque os EUA e outros sistemas de armamento da NATO são concebidos sob o pressuposto de terem estabelecido superioridade aérea e, assim, fornecerem a protecção necessária para a criação de uma bateria HIMARS em relativa segurança.

Complicações semelhantes às enfrentadas pelo destacamentos HIMARS surgiram com a utilização pela Ucrânia dos howitzers M777.

Os EUA, em lugares como o Afeganistão e o Iraque, poderiam utilizar HIMARS e howitzers M777 em bases de fogo – fortificações relativamente permanentes muito fora do alcance dos sistemas de armamento utilizados pelos talibãs e outros grupos militantes que os EUA afirmavam estar a combater no estrangeiro. A colocação destes mesmos sistemas num ambiente em que os operadores não dispõem de protecção adequada contra o fogo de aviões e de contrabateria garante que não farão diferença, e no caso das M777 fornecidas à Ucrânia, não fizeram qualquer diferença.

O que os HIMARS tem de especial: Dar dinheiro à Lockheed Martin

Apesar destas realidades, a expressão “factor de mudança” tem sido constantemente utilizada pelos meios de comunicação ocidentais, incluindo o Guardian, para descrever os HIMARS. O Guardian afirma:

Alguns analistas disseram que os Himars podem ser uma “factor de mudança” na guerra, numa altura em que as forças ucranianas parecem estar a lutar sob fogo de artilharia russa.

Mas outros dizem que os Himars não vão mudar de repente a situação. “nem sequer o campo de jogo”, disse um alto funcionário da defesa dos EUA.

Na realidade, os HIMARS não serão nem um “factor de mudança” nem “mesmo o campo de jogo”. O que farão é ganhar centenas de milhões de dólares para o fabricante de armas norte-americano Lockheed Martin, que produz os HIMARS.

Poder-se-á perguntar por que razão o Departamento de Defesa dos EUA não informa Washington ou o público americano sobre as limitações muito sérias e até mesmo sobre os perigos de fornecer HIMARS à Ucrânia (a sua utilização contra alvos civis), até que se perceba até que ponto a liderança sénior do Pentágono está comprometida.

Basta olhar para o próprio secretário da Defesa dos EUA Lloyd Austin III para compreender o problema. O secretário Austin fazia parte do conselho de administração de outro fabricante de armas dos EUA, a Raytheon, quando foi escolhido para secretário da Defesa dos EUA. O New York Times no seu artigo, “Biden’s Choice for Pentagon Faces Questions on Ties to Contractors,” observaria:

“É importante para o secretário da Defesa trazer a esse papel uma independência de pensamento, e é profundamente preocupante quando qualquer nomeado vem directamente de um dos maiores fornecedores militares”, disse Daryl G. Kimball, o director executivo da Associação de Controlo de Armas, que pressiona para reduzir as armas nucleares e as despesas militares.

Ele acrescentou: “A Raytheon, gostaria de notar, tem um enorme interesse financeiro nas próximas decisões da administração Biden, do Congresso, do secretário da Defesa”.

E de facto, a Lockheed Martin não só fará milhões dos HIMARS de apoio enviados para a Ucrânia, como o antigo empregador do secretário Austin, a Raytheon, já está a colher milhões das “decisões da administração Biden, do Congresso, do secretário da Defesa” relativamente à torrente de armas que está a ser enviada para a Ucrânia.

No seu artigo “O Exército dos EUA assina acordo para o envio de Stingers para a Ucrânia”, o jornal Defense News observa que:

O Exército dos EUA adjudicou um contrato de 624,6 milhões de dólares à Raytheon Technologies para a construção de mísseis antiaéreos Stinger para reabastecer o seu próprio fornecimento após o envio de cerca de 1.400 Stingers à Ucrânia para reforçar a defesa da nação contra a invasão russa.

A decisão dos EUA de enviar HIMARS para a Ucrânia apesar das limitações e riscos é um microcosmo de todo o conflito que se estende até 2014, quando os Estados Unidos ajudaram a derrubar o governo eleito na Ucrânia em primeiro lugar. A partir de 2014, o regime de clientes americano instalado no poder já não servia os interesses ucranianos e, em vez disso, transformava a Ucrânia num meio de obter lucros para os interesses americanos, ao mesmo tempo que transformava a nação num aríete contra os adversários americanos, nomeadamente a Rússia.

Nos dias, semanas e meses que se seguem, esta decisão irá sem dúvida obter lucros para os fabricantes de armas americanos, ao mesmo tempo que apenas irá alimentar ainda mais o conflito na Ucrânia, e fazê-lo à custa não só do povo ucraniano mas também dos contribuintes americanos.

Imagem de capa por Official Fort Sill sob licença Public Domain Mark 1.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Brian Berletic
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply