EUA tentam criar uma “segunda frente” contra a Rússia na Síria

Por Gordon Duff


Sem sequer se preocupar em mascarar as suas posições russofóbicas no conflito na Ucrânia e a registar um fracasso nas suas acções naquele país, Washington está a procurar energicamente desencadear uma “segunda frente” contra a Rússia em qualquer zona sensível a Moscovo. Os Estados Unidos estão a tentar activamente desestabilizar a situação na região da Ásia Central, agravar as relações entre a Rússia e a União Europeia, criar um conflito com o Japão e no Mar da China Meridional como um todo.

Os EUA começaram recentemente a dar os passos mais significativos a este respeito na Síria, onde, com a utilização de Israel, os ataques aéreos em território sírio se tornaram mais frequentes. Apesar das repetidas declarações das autoridades sírias na ONU, os aviões israelitas atacam regularmente vários alvos, incluindo objectos civis na Síria. A aviação israelita faz isto muitas vezes sem entrar no espaço aéreo da República Árabe, agindo principalmente a partir do espaço aéreo libanês, o que constitui uma violação das normas internacionais, ou a partir do Mar Mediterrâneo. Desde 2013, a IDF tem levado a cabo centenas de ataques aéreos deste tipo.

Outro ataque aéreo deste tipo foi realizado por Israel a 12 de maio contra a cidade síria de Masyaf, que, segundo a Al Arabiya, citando uma fonte do Ministério da Defesa sírio, matou cinco pessoas e feriu sete. A agência síria SANA esclareceu que havia uma criança entre os feridos. Segundo a agência, as forças de defesa de mísseis sírias conseguiram abater a maior parte dos projécteis.

A liderança síria exigiu repetidamente que o Conselho de Segurança da ONU pressionasse Israel a parar os ataques à república, uma vez que tais acções violam a sua soberania e conduzem a um aumento das tensões na região. Ao mesmo tempo, o Ministério dos Negócios Estrangeiros sírio declarou frequentemente que o país tem o direito de utilizar “todos os meios legais” para responder aos ataques israelitas contra o país, o que poderia transformar-se num grave conflito armado.

Na ausência de uma resposta adequada da comunidade internacional e das autoridades israelitas, bem como da cessação de ataques israelitas tão agressivos, foi efectuado um ataque de retaliação contra este ataque aéreo regular israelita pelas forças dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 utilizados pela Rússia na Síria. Os lançamentos da bateria do S-300 foram efectuados quando os aviões israelitas atacantes deixaram a área. Embora nenhum dano específico tenha sido infligido à aviação israelita, este passo foi, no entanto, uma clara demonstração da prontidão para eliminar as aeronaves israelitas no futuro.

Nos últimos anos, Israel e a Rússia criaram uma chamada linha directa de resolução de conflitos para que as partes não colidissem acidentalmente nos céus sobre a Síria. Durante uma reunião em Sochi no ano passado, o primeiro-ministro Naftali Bennett e o presidente russo Vladimir Putin concordaram que ambas as nações continuariam a implementar este mecanismo a fim de evitar crises no espaço aéreo sírio. No entanto, como notam os meios de comunicação israelitas, “ainda é difícil dizer se o ataque com o míssil S-300 foi um acontecimento único ou se foi um sinal da Rússia para Israel de que está a mudar a sua política”. Mas em todo o caso, Telavive deve ter em conta este sinal e, apesar do apoio franco de Washington, parar os seus ataques aéreos ao seu vizinho árabe, causando-lhe danos materiais e matando civis.

A fim de desestabilizar a situação na Síria e agravar um conflito armado naquele país, os Estados Unidos também utilizaram veículos aéreos não tripulados, atingindo alvos terrestres a 7 de maio na província de Deir ez-Zor, no leste da Síria. Segundo o canal de televisão Al-Hadath, as posições das formações xiitas pró-iranianas nas áreas de Howeija-Katea e Jisr al-Muallaq, que operam nas proximidades das bases militares norte-americanas criadas na margem oriental do Eufrates, foram atacadas. Como informa o canal, a 2 de maio, os UAV americanos também atacaram os campos de combatentes xiitas em Badiya al-Ashara.

Em Damasco, a presença armada dos Estados Unidos é considerada uma ocupação ilegal, e os destacamentos das “Forças Democráticas da Síria” (SDF) curdas que cooperam com os EUA são acusados de cumplicidade com os planos americanos de dividir a Síria.

Sob estas violações abertas dos direitos da Síria pelos Estados Unidos e seus aliados, a reacção anti-americana da população local que muda para métodos de guerra de guerrilha contra a agressão dos EUA não é surpreendente. Daí o aumento dos ataques aos comboios militares americanos na Síria, que regularmente, de forma pirata, exportam petróleo e outros recursos do Estado árabe. A base militar americana na cidade de Ash Shaddadi, no Governado sírio de Al-Hasakah, foi recentemente sujeita a outro ataque com morteiros. Como relata o canal de televisão Al-Mayadin, o incêndio veio do lado da fronteira sírio-Iraqueí. Foi especificado que a maior parte dos mísseis explodiu nas proximidades das instalações militares, não foi fornecida qualquer informação sobre possíveis perdas e danos materiais.

No início de abril, quatro soldados americanos foram feridos durante o bombardeamento de uma base americana no leste da Síria. Dois projécteis foram disparados contra a base, danificando dois edifícios.

Em novembro, residentes da aldeia de Kamo, na província síria de Al-Qamishli, atacaram um corredor militar americano de veículos blindados, atirando-lhes pedras e obrigando-os a dar meia-volta. Como se pode ver nas imagens publicadas por testemunhas oculares do local no Twitter, não só homens adultos, mas também crianças atiraram pedras aos americanos, e quando os veículos voltaram para trás, alguns sírios começaram a persegui-los.

Uma história semelhante aconteceu em meados de julho do ano passado, quando residentes da aldeia síria de Farfara atiraram pedras a uma patrulha americana e expulsaram-na enquanto tentavam passar pela aldeia.

New Eastern Outlook

Imagem de capa por İHH İnsani Yardım sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Gordon Duff
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply