Está Putin no mesmo barco que o Fórum Económico Mundial de Schwab & Cia.?

Thomas Röper

Perguntam-me frequentemente porque estou tão convencido de que o presidente russo Putin não faz parte do WEF & Cia. e da sua nova ordem mundial. Aqui quero responder a isso

Tenho recebido muitos emails porque Ernst Wolff continua a dizer e a escrever que Putin faz parte do jogo na luta pela Nova Ordem Mundial que o Fórum Económico Mundial (WEF) está a lutar em conjunto com outras fundações poderosas de bilionários ocidentais. Pensei longa e arduamente em responder novamente a estas perguntas, porque já escrevi um artigo sobre isto antes e, como sabem, prefiro falar com outros colegas do que sobre eles. Mas penso que devo voltar a expor o meu ponto de vista sobre o assunto em pormenor, por escrito, e talvez depois encontremos tempo para o discutir com Ernst Wolff numa conversa pública.

Como esta é uma questão muito complexa, este será outro dos meus temidos artigos muito longos. No entanto, para evitar mal-entendidos, devo primeiro dizer algo sobre o próprio Ernst Wolff.

O meu respeito por Ernst Wolff

Como sabem, eu próprio venho do sector financeiro, no qual trabalhei durante mais de 20 anos que conheço bem. Por isso tenho muito apreço por Ernst Wolff, porque aos meus olhos ele é talvez o melhor analista do que está actualmente a acontecer no sector financeiro internacional. Ele tem um conhecimento que excede em muito o meu, e tem a rara capacidade de explicar estas relações realmente complicadas em termos simples.

Por isso, é importante para mim dizer isto antecipadamente: Sou um fã de Ernst Wolff e das suas análises, e o meu objectivo aqui não é dizer nada de mal sobre Ernst Wolff. Tenho o maior respeito pelo seu trabalho, mesmo que discordemos sobre este ponto. Quero, portanto, explicar aqui, de forma factual, porque tenho uma opinião diferente de Ernst Wolff sobre esta questão.

Sou de opinião que Ernst Wolff entendeu mal um ponto. Explicarei primeiro isto, depois explicarei que factos, na minha opinião, também falam contra a tese de que o governo da Rússia (e também da China) fazem parte do Grande Reinício, como pensa Ernst Wolff.

Qual é a diferença

Ernst Wolff, tal como entendo as suas análises, é da opinião que as instituições financeiras como a BlackRock e outras são jogadores no grande jogo do mundo e da política económica. Penso que não, penso apenas que são instrumentos no jogo - e essa é uma diferença muito crucial.

Vou explicar isto com um exemplo simplificador: Quando vejo uma casa de madeira a ser construída, vejo como os martelos e serras são importantes no processo. Mas se eu me concentrar em compreender em detalhe como o martelo e a serra funcionam, então não serei capaz de compreender como a casa deve ficar um dia. Para isso, preciso de olhar para o projecto da casa. No entanto, este projecto não pode ser implementado sem o uso do martelo e da serra, pelo que o martelo e a serra são muito importantes, são mesmo cruciais. Mas eles não são a chave para compreender a construção da casa, são "apenas" instrumentos indispensáveis.

É também assim que eu vejo o papel dos grandes fundos, que Wolff - tal como entendo das suas análises - considera, no entanto, actores cruciais. A propósito, confesso que costumava ver as coisas de forma semelhante, mas que a pesquisa para os meus livros "Abhängig beschäftigt" e especialmente "Inside Corona" me levaram a mudar de opinião nos últimos dois anos. Ao trabalhar nos livros - especialmente nestes últimos - aprendi tanto sobre as redes das grandes fundações e como elas exercem o poder que me apercebi de que os grandes fundos como a BlackRock e outros são apenas instrumentos nas mãos daqueles que exercem o poder através das suas fundações e influenciam as decisões políticas na direcção que querem.

A meu ver, Ernst Wolff não leva (ou não leva suficientemente) em conta estas redes, o seu poder quase ilimitado e sobretudo a questão do seu funcionamento. Antes de trabalhar no "Inside Corona" também não compreendia isto, apenas o trabalho no livro me mostrou como funciona, pois no livro vi num projecto concreto quem dirige quem, quem paga quem, quem trabalha para formar opinião com quem e com cujo dinheiro, como as pessoas decisivas estão integradas nas redes e como trabalham em muitos lugares diferentes - aparentemente independentes umas das outras - perfeitamente coordenadas na mesma direcção.

Por conseguinte, acredito que são estas fundações criadas por bilionários ocidentais que estão a dirigir as fortunas e não os fundos especulativos. Os fundos de cobertura são dirigidos por estes bilionários, e não o contrário. Isto não torna os hedge funds menos importantes, pelo contrário, eles são um instrumento muito poderoso, mas são apenas um instrumento, não actores que tomam decisões importantes.

Quem gere os fundos

No livro "Inside Corona" entrei em mais detalhes sobre o clã Rockefeller e as suas fundações, entre outras coisas, porque a sua verdadeira riqueza é desconhecida e há muita especulação sobre o seu poder, o qual não é fácil de provar porque o clã Rockefeller disfarça perfeitamente a sua riqueza. É isso que quero mostrar aqui, porque mostra no resultado quem tem realmente o poder nos hedge funds. Não é só Rockefeller, mas o princípio é claro a partir do seu exemplo.

A lenda oficial é que a Standard Oil, a monopolista petrolífera propriedade da Rockefeller, foi quebrada no início do século XX e que portanto o seu monopólio foi rompido. Isto foi celebrado há 100 anos como uma vitória da democracia sobre um monopolista. Era uma mentira, contudo, porque a Standard Oil foi dividida em 34 companhias petrolíferas mais pequenas, mas Rockefeller permaneceu os proprietário de todas as 34 companhias petrolíferas.

Ele até aumentou as suas acções nas empresas nessa altura, porque durante a dissolução da Standard Oil os preços das acções caíram e Rockefeller comprou de volta acções das suas empresas em grande escala, aumentando assim até o seu poder de mercado. Não se tratava de quebrar o seu monopólio; pelo contrário, era um reforço e uma dissimulação simultânea do seu monopólio. Uma vez que nunca foi noticiado que Rockefeller mais tarde se desfez destas acções em grande escala, é preciso assumir que o clã ainda as detém. A questão é como disfarçar isto.

Para tal, cito parte do capítulo sobre Rockefeller de "Inside Corona":

"A "separação" da Standard Oil deu origem a praticamente todas as companhias petrolíferas nos EUA de hoje. A ExxonMobil foi fundida ao longo das décadas a partir de várias subempresas Rockefeller. Originalmente, as subempresas que hoje foram todas fundidas na ExxonMobil foram chamadas: Anglo-American Oil Company, Standard Oil Company of New York, Standard Oil of New Jersey, Standard Oil Company of Louisiana e Vacuum Oil Company. O mesmo se aplica à empresa petrolífera Chevron, que foi criada a partir do sucessor da Standard Oil Oil do Kentucky.

Rockefeller nunca se despojou das acções destas duas (e de todas as outras) empresas sucessoras da Standard Oil em grande escala; a estrutura de propriedade só é escondida através de um aninhamento muito inteligente. Um olhar sobre a estrutura accionista das duas empresas mostra que este é o caso.

Se olhar para Finanzen.net, por exemplo, verá que 99,87% das acções da ExxonMobil estão em "free float", ou seja, o free float de accionistas desconhecidos. Ao mesmo tempo, contudo, também se afirma que, por exemplo, quatro fundos subsidiários do Grupo Vanguard detêm cerca de 21% das acções da ExxonMobil e que dois fundos subsidiários da BlackRock detêm quase 5% das acções. Além disso, há vários outros fundos que também são accionistas da ExxonMobil. No final da tabela, pode-se então ler:

"O total de acções pode exceder 100%, uma vez que certos accionistas foram acrescentados ao free float".
Assim, uma vez que a BlackRock e a Vanguard gerem e investem o dinheiro de outras pessoas (incluindo o dos grandes investidores), não está completamente claro quem detém as acções da ExxonMobil, especialmente porque estão oficialmente quase 100% em free float. Na realidade, porém, quase todas as acções da empresa podem ainda ser propriedade dos Rockefellers. Não se sabe, mas vou repeti-lo: que o clã Rockefeller se desfez das suas acções em grande escala nos últimos cem anos não foi reportado".

O mesmo princípio encontra-se em todos os grupos sucessores do Standard Oil: as acções estão em free float ou pertencem a alguns fundos de cobertura, que não é o verdadeiro proprietário destes grupos.

Oficialmente, Rockefeller tem hoje uma fortuna estimada em 3,3 mil milhões de dólares. Mas isto é ridículo, como mostra outra citação do capítulo de Inside Corona, porque há 100 anos atrás, quando a Standard Oil foi dissolvida, Rockefeller tinha uma fortuna de 900 milhões de dólares. No poder de compra actual, isso seria mais de 300 mil milhões de dólares, por isso Rockefeller era mais rico e poderoso do que Bill Gates, Warren Buff e George Soros juntos são hoje. Em "Inside Corona" escrevo sobre isto:

"Em vez de aumentarem a sua riqueza nos cem anos que se seguiram à separação da Standard Oil, diz-se que os Rockefeller se tornaram completamente empobrecidos. Ou, dito de outra forma: se a avó Lotte tivesse colocado 900 milhões de dólares numa conta poupança com apenas 2% de juros há cem anos, teria ganho 6,5 mil milhões de dólares dos 900 milhões de dólares, incluindo juros compostos. Rockefeller, contudo, não depositou o seu dinheiro numa conta poupança, mas manteve-o em acções que, incluindo dividendos e aumentos de preços, renderam muitas vezes o interesse de dois por cento. E através dos seus fundos e investimentos, Rockefeller há muito que detém participações em muitas outras empresas e indústrias".

O instrumento utilizado para ocultar a propriedade é dividir a propriedade entre muitas fundações, que depois reinvestem os seus bens em vários fundos. Assim, é praticamente impossível localizar quem é o proprietário das acções, porque ou pertencem a fundos de cobertura ou estão oficialmente em livre circulação. Mas o free float também pode significar que muitas das fundações e fundos Rockefeller detêm blocos de acções tão pequenos que não têm de ser reportados à Comissão de Títulos e Câmbios.

Para os hedge funds, significa que eles têm de fazer o que os seus grandes investidores querem. Por exemplo, se Rockefeller tem centenas de milhares de milhões de activos geridos pela BlackRock através de diversos canais, então Rockefeller também toma as decisões na BlackRock. A direcção da BlackRock tem de as implementar, não toma as suas próprias decisões. No entanto, uma vez que a BlackRock e os outros fundos de cobertura também angariam muito dinheiro de pequenos investidores, Rockefeller também decide sobre o seu dinheiro, pelo que a BlackRock até aumenta o poder (financeiro) de Rockefeller, não só decidindo como o seu dinheiro é investido, mas também pode usar o dinheiro de outras pessoas em seu benefício.

É por isso que considero os grandes fundos de cobertura e de investimento apenas instrumentos e não actores, porque têm de implementar o que os seus grandes investidores lhes dizem para fazer. Não levam a cabo as suas próprias políticas sobre questões cruciais, mas implementam o que os outros querem.

Não estou de modo algum a negar o poder destes fundos, contra os quais Ernst Wolff muito justamente adverte, estou apenas a negar que tomam decisões importantes. Ao invés, eles têm de implementar o que os outros querem. E isto leva-nos ao poder das redes.

Como funcionam as redes

No meu trabalho "Inside Corona", descobri e mostrei no livro como funcionam as redes das fundações dos oligarcas ocidentais e como eles exercem o seu poder. Esta investigação foi para mim um verdadeiro abre-olhos, porque uma coisa é saber que assim é, e outra completamente diferente é vê-la em detalhe, analisá-la e compreendê-la.

No decorrer do processo, o meu informador e eu aprendemos uma lição muito rapidamente. Para compreender como o poder é exercido e como as redes implementam o seu poder, é completamente irrelevante se uma pessoa tem uma posição em qualquer fundação. Só se torna importante quando uma pessoa que há muito tempo depende de certas fundações ou corporações, ou seja, que lhes deve a sua carreira, tem cargos importantes em muitas fundações, organizações e governos. São estas pessoas, que como indivíduos se sentam em muitas posições de poder, que exercem o poder no interesse das redes. Estas pessoas estão dependentes de um (ou mais) oligarcas ocidentais, situam-se em muitas alavancas de poder em seu nome e podem assim conduzir os processos e decisões na direcção desejada.

Isto é importante de compreender, porque um dos argumentos daqueles que afirmam que a Rússia de Putin faz parte do jogo argumenta que o confidente de Putin e chefe do maior banco russo, German Gref, detém uma alta posição no Fórum Económico Mundial de Klaus Schwab. No entanto, de acordo com o que descobri sobre o funcionamento das redes, isto é completamente irrelevante, uma vez que Gref, em primeiro lugar, não deve a sua carreira aos oligarcas ocidentais e, em segundo lugar, não depende deles de qualquer outra forma.

Que a Rússia tente sentar-se à mesa quando estes círculos importantes se encontram não é surpreendente. Se alguém tiver a opção de os ouvir ou não, eu também ouviria para aprender o máximo possível sobre as suas ideias e planos. E é também normal que tentem levar representantes russos à sua mesa a fim de talvez ganharem influência na Rússia. No entanto, as dependências são cruciais e German Gref não depende dos oligarcas ocidentais e das suas fundações. Portanto, a sua participação nas reuniões do WEF não é para mim uma indicação de que a Rússia está "a bordo".

Putin foi um Young Global Leader?

Como mais um argumento para Putin estar "a bordo", Ernst Wolff afirma que Putin era um Young Global Leader do WEF de Klaus Schwab. A meu ver, porém, isto é um erro, porque as listas de participantes do programa Young Global Leader e do seu predecessor Global Leaders for Tomorrow podem ser encontradas na rede e Putin não está lá listado. Cobri isto em detalhe num artigo e também liguei todas as listas de participantes, pode encontrar o artigo aqui.

Para a alegação de que Putin estava num dos programas, existe apenas uma referência, nomeadamente uma declaração de Klaus Schwab em inglês, os detalhes podem ser encontrados aqui. No vídeo, um excerto de uma reportagem da Phoenix, em que Schwab fala com o presidente da Costa Rica e ambos elogiam a "Quarta Revolução Industrial" aos céus. O presidente costarriquenho diz que gostaria de contribuir para tudo isto. Depois, há um corte e Schwab diz algo em inglês, que a Phoenix traduziu nas legendas como se segue:

"Sra. Merkel, Tony Blair, todos eles foram… até o presidente Putin, todos eles já foram ‘Young Global Leaders'!"

Há dois problemas com esta tradução. Em primeiro lugar, não sabemos o que foi editado e se tudo foi realmente dito no contexto que o vídeo sugere. Em segundo lugar, não é claro se Schwab se referia realmente ao seu programa "Young Global Leaders" ou se estava a falar de "jovens líderes globais". Em inglês é o mesmo, pelo que Schwab não devia ter querido dizer o seu programa com a declaração, mas podia simplesmente ter falado sobre o facto de todas estas pessoas terem chegado a posições de liderança global jovens, o que também se aplica a Putin, que se tornou presidente russo em meados dos seus 40 anos.

Uma vez que Putin não está listado nos programas de Schwab e que a declaração de Schwab pode ser interpretada de forma diferente, não vejo qualquer prova ou mesmo indicação séria de que Putin tenha estado nestes programas, pelo contrário.

BCE-Coin

Ernst Wolff adverte - a meu ver com toda a razão - contra a introdução de uma BCE-Coin. Esta seria uma moeda completamente desprotegida que só existiria no computador e tornaria todas as pessoas completamente transparentes se o dinheiro fosse abolido em paralelo. Isso seria a introdução do estado de vigilância total, porque já nem sequer se podia comprar uma embalagem de pastilha elástica sem que esta estivesse registada. Além disso, poder-se-ia "desligar" os críticos do sistema, bloqueando a sua Walet. A BCE-Coin - juntamente com uma abolição do numerário - não seria apenas o estado de vigilância total, seria também o estado repressivo final. Demonstrei aqui que há ainda mais em jogo do que "apenas" uma BCE-Coin.

Outro argumento de Ernst Wolff é que a Rússia está a pensar num rublo de um banco central digital. Isso é verdade, mas os pormenores são cruciais. Afinal, ninguém na Rússia está a pensar em abolir o dinheiro, e o uso de dinheiro na Rússia - ao contrário do que acontece no Ocidente - é também irrestrito. Pode-se até - e isto realmente acontece - comprar apartamentos ou casas em dinheiro, usando grandes malas cheias de notas. Não há restrições à utilização de dinheiro na Rússia.

Além disso, o rublo do banco central russo, que está a ser considerado, vai tornar-se uma moeda de apoio. Atrás de cada rublo do banco central deve haver uma cesta de mercadorias (ouro, petróleo, etc.).

Estas são diferenças cruciais, porque o perigo das BCE-Coins é que sejam completamente desprovidas de qualquer tipo de suporte e, acima de tudo, que - se as coisas se revelarem como temidas - serão o único meio de pagamento e podem assim tornar-se o derradeiro instrumento de controlo e opressão. Na Rússia, por outro lado, o rublo do banco central seria apenas uma alternativa voluntária ao dinheiro, o que na minha opinião é algo completamente diferente.

Mais uma vez, portanto, não vejo qualquer indicação de que a Rússia esteja "a bordo"; pelo contrário, um rublo do banco central russo digital apoiado por mercadorias seria uma declaração de guerra contra o banco central ocidental digital em euros ou dólares, não apoiados.

Parcerias público-privadas

Um elemento central do poder dos oligarcas no Ocidente são as parcerias público-privadas celebradas nos meios de comunicação social, sobre as quais escrevi extensivamente no livro "Inside Corona". A sua essência é esta: Porque o Estado é supostamente tão ineficiente, tanto quanto possível deve ser implementado por "partes privadas". Isto é utilizado para justificar a privatização e também programas dos oligarcas ocidentais, que são, no entanto, chamados "filantropos".

E é assim: A fundação de um oligarca apresenta um belo projecto, por exemplo a luta contra a fome, "generosamente" doa 50 milhões de dólares por ela, e depois os estados ocidentais estão tão entusiasmados com ela que acrescentam, digamos, 500 milhões. A fundação tem então 550 milhões de dólares e utiliza-o para comprar algo (sementes, maquinaria agrícola, alimentos, etc.) para (supostamente) combater a fome. O truque é que estes bens são comprados a empresas que pertencem ao filantropo "generoso" - desta forma ele transforma 50 milhões do seu próprio dinheiro em 550 milhões do seu próprio dinheiro.

Esta é uma descrição muito simplificada, mas no seu cerne funciona realmente assim, do qual dou inúmeros exemplos no "Inside Corona". Esta é também a razão pela qual todos os alegados filantropos estão a ficar cada vez mais ricos, enquanto, de acordo com a leitura oficial, doam toda a sua riqueza para o benefício da humanidade. Na realidade, eles não dão nada, mas utilizam um pouco do seu próprio dinheiro para canalizar muitas vezes mais dinheiro dos contribuintes para os seus próprios bolsos. E ficam mais ricos e mais poderosos no processo.

Estas parcerias público-privadas tornaram-se agora um elemento central do sistema ocidental e estão constantemente a ser expandidas.

E agora vem o ponto crucial: Em todas as parcerias público-privadas, são sempre apenas os estados do Ocidente que as financiam com o dinheiro dos contribuintes. Outros estados, sobretudo a Rússia e a China, não jogam este jogo. Eles não apoiam os oligarcas ocidentais nesta das suas preocupações mais centrais - como é que isto se encaixa na tese de que a Rússia está "no barco"?

Discurso(s) de Putin

Além disso, a Rússia declarou abertamente guerra ao sistema ocidental, no qual as fundações dos oligarcas detêm o poder de facto. Isto poderia, naturalmente, ser levado para um espectáculo, mas juntamente com o acima mencionado não vejo qualquer prova de que se trata de um espectáculo. Pelo contrário, se olharmos para os pormenores, a Rússia opõe-se ao que os oligarcas ocidentais querem impor.

Há inúmeros discursos em que Putin se pronunciou contra este modelo económico do Ocidente. Costumava ser diplomático acerca disso, mas agora quase não dá importância. A 16 de agosto, Putin proferiu um discurso sobre este assunto, que traduzi. No discurso, ele foi mais claro do que nunca.

Putin falou abertamente sobre o facto de que os políticos (democraticamente eleitos) não governam no Ocidente, falou em vez de "elites globalistas ocidentais" - uma paráfrase clara das pessoas a que aqui chamo "oligarcas ocidentais". Putin falou deles como representando um modelo "que permite que o mundo inteiro seja parasitado" - por isso, em linguagem simples, ele estava a dizer que alguns oligarcas ocidentais estão a sugar ("parasitando") o mundo inteiro.

Um bom resumo do que está a acontecer neste momento, aos meus olhos, foi a seguinte passagem do discurso de Putin:

"É óbvio que com tais acções as elites globalistas ocidentais estão a tentar, entre outras coisas, desviar a atenção dos seus próprios cidadãos dos graves problemas sócio-económicos - queda do nível de vida, desemprego, pobreza, desindustrialização - a fim de desviar os seus próprios fracassos para outros países - a Rússia e a China - que defendem o seu ponto de vista, constroem políticas de desenvolvimento soberanas e não se submetem aos ditames das elites supranacionais".

Putin já não falava dos estados ocidentais que queriam implementar as suas políticas, mas dos "ditames das elites supranacionais" - mais uma vez, um eufemismo muito claro para aqueles a quem me refiro neste artigo como "oligarcas ocidentais".

O choque final dos sistemas

A Rússia declarou agora abertamente guerra a este sistema ocidental, isto é claro a partir de todas as declarações feitas por importantes políticos russos nos dias de hoje. E eu próprio experimentei isso quando estive em Moscovo durante um período de tempo mais longo. Tive lá muitas conversas interessantes com peritos que conheci quando fui convidado para os painéis de discussão na televisão russa ou para outras conversas.

Todas estas conversas tiveram um tom claro: a Rússia deixará de descrever diplomaticamente o sistema do Ocidente com formulações embelezadas, passando a chamar as coisas pelos nomes e (juntamente com a China?) a oferecer aos estados do mundo um sistema alternativo de cooperação política e económica internacional. A Rússia tem a ver com a construção de uma ordem mundial em que as pessoas podem ficar podres de ricas, mas em que têm de se manter afastadas da política, enquanto a política no Ocidente há muito que é determinada por oligarcas que, através das suas fundações e lobistas, determinam o que é decidido no Ocidente e o que não é.

Esta é a questão, e qualquer pessoa pode facilmente verificá-la. Todos os países que o Ocidente declarou como inimigos (Rússia, China, Irão, Venezuela, etc.) são fundamentalmente diferentes, mas têm uma coisa decisiva em comum: não permitem que as fundações ocidentais (ONG) trabalhem e exerçam influência nos seus países, impedem o poder dos oligarcas ocidentais.

A Rússia quer uma ordem mundial em que nenhum Estado possa ditar a outros estados como viver, que forma de governo ou mesmo que valores um Estado deve ter. Trata-se de uma ordem mundial multipolar em que os estados do mundo lidam uns com os outros em pé de igualdade, sem se ameaçarem uns aos outros com sanções ou exercerem pressão de qualquer outra forma.

Esse é o objectivo da Rússia e é disso que se trata realmente o conflito entre o Ocidente e a Rússia. Mas uma tal ordem mundial seria o fim do sistema "parasitário" de globalização que o Ocidente tem imposto ao mundo até agora. Estamos - sem exagero - na batalha final dos sistemas. A Ucrânia é apenas um peão lamentável com o qual as elites que governam nos EUA querem enfraquecer a Rússia, impondo a guerra por procuração na Ucrânia à Rússia. Isto é cínico, mas infelizmente é assim que a geopolítica funciona.

Por esta razão, acredito que o meu estimado colega Ernst Wolff está errado neste ponto: A Rússia e Putin não são "parte do jogo" - pelo contrário, declararam guerra ao sistema que reina no Ocidente. Trata-se de facto da luta por uma ordem mundial democrática, na qual todos os estados têm os mesmos direitos. Só que não é o Ocidente que representa uma ordem mundial democrática, mas sim os adversários do Ocidente. Pode encontrar mais informações sobre isto aqui.

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Anti-Spiegel


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Thomas Röper
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply