Eleições italianas: um plebiscito contra Draghi

Luigi Tedeschi

Editor do Periodico Italicum, Roma


A única deriva extremista desta direita é a atlantista: a direita opôs-se à esquerda porque esta última foi acusada de um pró-atlantismo demasiado moderado


A direita ganhou. Mas esta é a democracia da alternância, certamente não a da alternativa. Qualquer pessoa que esteja à espera de mudança em breve ficará desapontada. De facto, a linha política do novo governo terá de ser compatível com as escolhas já impostas por restrições externas, independentemente do resultado das eleições: a UE, a NATO, e acima de tudo o julgamento dos mercados. O novo governo terá de aderir aos programas já decididos na UE com o Plano Nacional de Investimento Complementar (PNRR), terá de se conformar ao atlantismo e à russofobia ocidental, e no caso de escolhas não agradáveis ao establishment, serão os mercados que imporão a linha política do governo, sob pena de incumprimento. Que margem de escolha é deixada à política? Quase nada, uma vez que os países ocidentais são governados em piloto automático.

Agitou-se o espectro do fascismo, do perigo soberanista, do extremismo. Mas a única deriva extremista desta direita é a atlanticista: a direita opôs-se à esquerda porque esta última foi acusada de um pró-atlantismo demasiado moderado. Evoca também o perigo do soberanismo de direita já galopante na Europa. Mas os soberanistas europeus (com a excepção parcial de Le Pen) opõem-se à Europa porque não se reconhecem a si próprios na UE, mas na NATO. A soberania europeia revela-se assim funcional à estratégia imperialista americana que sempre se opôs a quaisquer ambições autonomistas da Europa.

O aumento dos preços da energia e a guerra produzirão em breve graves crises económicas e sociais, que se revelarão incontroláveis. Assim, perante novas e graves emergências, os constrangimentos externos europeus imporão novos governos de unidade técnica e/ou nacional. É portanto provável que em breve se verifique a saída da Forza Italia e de uma Liga dessalinizada da maioria centro-direita, cujo governo se revelará imediatamente fraco e erodido por contínuos conflitos internos. É portanto concebível que um novo governo técnico liderado por Draghi, ou por Cottarelli, ou por algum clone financeiro em mãos, será restabelecido em breve.

O Partido Democrático [centro-esquerda], apesar das suas repetidas derrotas eleitorais, é ainda o partido institucional com o monopólio da representação da Itália na Europa. A “credibilidade” da Itália na Europa é garantida pelo PD, o partido representativo da oligarquia tecnocrática-financeira para o qual a governação da Itália é de facto delegada. As manobras anti-italianas realizadas pelo PD com o aval da UE a fim de desestabilizar o governo italiano são, portanto, inteiramente previsíveis.

As eleições foram esmagadoramente ganhas pelos Fratelli d’Italia: o único mérito de Meloni foi o de ser o único partido da oposição ao governo Draghi. Mas estas eleições, para além da vitória de Meloni, revelaram-se um plebiscito contra Draghi e os partidos que o apoiaram. A impopularidade de Draghi emergiu claramente: mesmo nos feudos da esquerda, os eleitores votaram na maioria à direita, manifestando uma aversão popular total a Draghi e aos seus correligionários. Foi o próprio Draghi que provocou a crise governamental e provocou as eleições antecipadas, a fim de fugir às suas responsabilidades políticas quando a crise dramática do próximo Outono for anunciada. O cenário que a narrativa oficial dos media vai impor quando a crise eclodir é inteiramente previsível, de facto uma conclusão inevitável: a Itália do governo de Draghi era credível, pró-europeu e a caminho do crescimento e das reformas, mas com a saída de Draghi explodiu uma crise devastadora. Será, portanto, necessário evocar o regresso iminente do taumaturgo Draghi a fim de enfrentar novas emergências.

A crise institucional italiana e europeia é evidente e por agora irreversível. É evidenciado pelo recorde de 36% de abstenção e pelo resultado de uma votação que recompensou o único partido da oposição.

Mas a deriva oligárquica das instituições italianas é gritante. O sistema democrático foi de facto subvertido, uma vez que os diktats europeus e atlânticos têm precedência sobre a soberania popular. Prova disso é a interferência americana na campanha eleitoral no que respeita ao financiamento fantasma russo de partidos políticos soberanistas e a interferência indevida de von der Leyen, que ameaçou reagir com “instrumentos justos” contra governos não apreciados pela UE, como foi feito com a Hungria de Orbán.

Foi criada na Europa uma fenda irreversível entre povos e instituições. A crise que se avizinha dará origem a conflitos sociais irreversíveis. Mas será a crise da Alemanha, cujos efeitos se farão sentir em todos os países europeus, que desestabilizará a UE e porá em causa as escolhas pró-atlânticas da Europa. Esta crise terá consequências sistémicas importantes: provocará o fim do modelo económico alemão, caracterizado pelo rigor financeiro e estruturado em torno de uma economia orientada para a exportação.

O dia 25 de setembro não foi o dia do juízo final, como anunciado pelos tons apocalípticos dos meios de comunicação durante a campanha eleitoral. Depois do dia 25 de setembro, como podemos ver hoje 26 de setembro, há vida. Nestas eleições, dada a elevada percentagem de abstenções, surgiu uma vasta área de pessoas potencialmente antagónicas ao sistema. Estas são o povo dos excluídos, marginalizado pelos partidos, mas em busca de um espaço político de referência. Quem será capaz de interpretar as exigências desta vasta dissidência, de as traduzir num programa político antagónico credível e gerador de consenso? Actualmente, esta questão, infelizmente, continua sem resposta.

Imagem de capa por Fratelli d’Italia

Peça traduzida do italiano para GeoPol desde Italicum – Periodico di cultura, attualità e informazione


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Luigi Tedeschi
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply