BlackRock: 2 biliões em perdas

Ernst Wollf

Ernst Wolff

Economista e autor


Estará a BlackRock, como afirmam alguns sítios da internet, em problemas existenciais ou mesmo a caminho da insolvência?


A BlackRock é a empresa financeira mais poderosa que alguma vez existiu. Mas embora tenha gerido mais de 10 biliões de dólares ($10 trillion) em 2021, encontra-se actualmente numa posição muito pior do que há um ano: os activos sob gestão caíram para menos de 8 biliões de dólares no terceiro trimestre de 2022, uma perda de mais de 20 por cento.

Estará a BlackRock, como afirmam alguns sítios da internet, em problemas existenciais ou mesmo a caminho da insolvência?

De modo algum. A perda actual é o resultado de uma estratégia em que a própria BlackRock está fortemente envolvida e que tem dois objectivos: a destruição da classe média e a introdução de um novo sistema monetário.

Aqui está o pano de fundo:

A BlackRock foi fundada em Nova Iorque em 1988. Favorecida pela desregulamentação do sistema financeiro global, a empresa tornou-se a maior gestora de activos do mundo em três décadas.

O principal accionista da BlackRock é a Vanguard. Os dois juntos são grandes accionistas em seis dos seguintes oito maiores gestores de activos do mundo e estão também entre os principais accionistas das maiores empresas digitais do mundo, Apple, Amazon, Alphabet e Microsoft.

Além disso, a BlackRock possui o sistema de análise de dados financeiros mais completo do mundo, a rede informática Aladdin, que também tem sido utilizada pelos maiores bancos centrais desde a crise financeira global de 2007/08, quando a BlackRock se tornou o seu consultor mais importante.

Uma vez que a BlackRock e a Vanguard podem influenciar quase todos os mercados mundiais a seu favor, ambos têm uma palavra decisiva a dizer sobre a política monetária dos bancos centrais. Assim, a sua decisão há alguns meses atrás de abandonar a política monetária frouxa e aumentar as taxas de juro base não é de forma alguma uma decisão tomada contra BlackRock e Vanguard.

Mas porque é que os dois gigantes financeiros seguem uma política que encolhe os seus próprios bens?

Por duas razões.

Primeiro, o modelo empresarial mais bem sucedido das últimas duas décadas é o da economia plataforma. Empresas como a Amazon, Uber, airbnb, booking.com, MyHammer ou Lieferando, no entanto, não só são extremamente lucrativas, como vivem destruindo a classe média. A Amazon, por exemplo, arruinou centenas de milhares de retalhistas em todo o mundo, a Uber levou à falência outras tantas empresas de táxis.

A actual política monetária dos bancos centrais – aumentando as taxas de juro – assegura que a classe média sofrerá ainda mais pressão do que anteriormente e dá às grandes empresas de plataformas, que podem facilmente fazer face a perdas temporárias, novas aquisições e, por conseguinte, dá à BlackRock ainda mais poder de mercado no futuro.

Por outro lado, o nosso sistema financeiro global está quebrado e já não pode ser mantido vivo a longo prazo. Por conseguinte, um novo sistema baseado no dinheiro central digital está a ser preparado nos bastidores. Os empréstimos devem ser retirados aos bancos comerciais e colocados exclusivamente nas mãos dos bancos centrais.

Mas isto significa o fim de toda a liberdade financeira e, portanto, o fim da democracia. A fim de impor este sistema à população, é preciso levá-la a enfrentar problemas sociais, económicos e financeiros. Isto é também o que a política monetária actual consegue. Conduz a inflação nas condições do mais alto nível de endividamento de sempre, dificulta o serviço de empréstimos e também cria um exército de desempregados que acabará por aceitar qualquer sistema monetário, por mais antidemocrático que seja, por puro desespero.

Portanto, se a BlackRock está actualmente a sofrer perdas, não passa de uma manobra estratégica com o objectivo claro de acabar ainda mais rica e mais poderosa do que antes.

Peça traduzida do alemão para GeoPol desde Apolut


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Redação GeoPol
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply