Bio-prospecção na Ucrânia pode comprometer os democratas

O que os americanos têm vindo a fazer é testar novos medicamentos na Ucrânia, sendo toda esta acção não só em segredo, mas também em violação das normas internacionais de segurança

Por James ONeill


O que está agora a emergir com plena visibilidade é o desenvolvimento das armas biológicas na Ucrânia por parte dos norte-americanos. Este programa existe há vários anos, organizado pela liderança do Partido Democrático que, por sua vez, beneficiou de doações da empresa por parte dos principais organizadores do programa. Estas empresas incluem a Pfizer, Moderna, Merch e Gilead, todas elas com ligações estreitas com o Pentágono e todas elas são doadores substanciais do Partido Democrático.

O que os americanos têm vindo a fazer é testar novos medicamentos na Ucrânia, sendo toda esta acção não só em segredo, mas também em violação das normas internacionais de segurança. Provas em apoio destas alegações foram recentemente apresentadas por Igor Kirillov no seu papel de chefe da Força para a Protecção contra a Radiação, Química e Biológica russa. As provas apresentadas por Kirillov demonstram que a utilização da Ucrânia não só proporciona oportunidades de sigilo, como também é de menor custo e, por conseguinte, proporciona mais vantagens competitivas.

De acordo com as provas apresentadas por Kirillov (New Eastern Outlook, 14 de maio de 2022) as empresas farmacêuticas dos Estados Unidos trabalharam em conjunto com o Pentágono “escondendo actividades ilegais, conduzindo ensaios de campo e clínicos, e fornecendo o material biológico necessário”.

O objectivo da investigação não era apenas fornecer uma utilização militar para as duas actividades técnicas, mas também realizar ensaios clínicos sobre a utilização do material biológico. A investigação, segundo Kirillov, recolheu informações sobre a resistência aos antibióticos a certas doenças em diferentes regiões da Ucrânia, e também permitiu que a investigação fosse levada a cabo fora do controlo da comunidade internacional que há muito se opõe à investigação nesta área.

O que também se está a tornar mais claro é que o programa de bio armas dos Estados Unidos em curso na Ucrânia foi uma das principais razões para o lançamento da ofensiva russa em fevereiro deste ano contra as forças ucranianas reunidas no Donbass. É evidente que as forças ucranianas estavam prestes a lançar ataques maciços contra o Donbass, não obstante os protestos em contrário do presidente da Ucrânia.

As mentiras e enganos dos ucranianos são a principal razão pela qual os russos se recusaram a encetar novas conversações com eles. As partes tinham alcançado um nível de acordo nas conversações que se realizaram em Istambul no início deste ano. O acordo ucraniano durou apenas até que o presidente regressou à Ucrânia. Ele tinha obviamente sido pressionado pelos americanos que não estão interessados num acordo de paz. Isto ficou muito claro em declarações do secretário de Defesa dos Estados Unidos, que expressou o seu desejo de ver os russos desfeitos.

Os americanos também deixaram claro que a mudança de regime era uma alta prioridade para eles, embora seja difícil ver a lógica disto. Se Putin for afastado como líder da Rússia, é muito provável que o seu sucessor seja ainda menos tolerante com o comportamento dos Estados Unidos na região. Os russos estão perfeitamente conscientes do que aconteceu nos anos 90 e não desejam ver qualquer repetição desse período.

Os russos, por seu lado, separadamente da ofensiva lançada no Donbass, exigiram uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas para apresentar mais provas da utilização de laboratórios biológicos dos Estados Unidos na Ucrânia. Estas provas serão apresentadas pelos russos, independentemente de quaisquer tentativas dos Estados Unidos ou britânicos para as impedir.

É pouco provável que o desmascaramento russo da investigação de armas biológicas dos Estados Unidos na Ucrânia dissuada os americanos. Isto é óbvio a partir dos Estados Unidos orquestraram movimentos anti-Rússia que foram introduzidos na sequência do envolvimento da Rússia na guerra em fevereiro de 2022. A orquestração dos europeus na postura anti-Rússia tornou-se mais difícil com a Ucrânia a bloquear o trânsito do gás russo através da Ucrânia para a Alemanha. Isto pode revelar-se um enorme erro de julgamento por parte dos ucranianos. A Europa não consegue sobreviver sem o gás russo, que fornece 40% das suas necessidades, incluindo tanto o aquecimento doméstico como o funcionamento das suas fábricas.

Há poucas dúvidas de que a iniciativa ucraniana foi instigada pelos americanos. É difícil compreender a lógica da jogada. A redução do gás ucraniano terá efeitos terríveis sobre os europeus, que dificilmente apreciarão as mudanças dos Estados Unidos que são obviamente em seu detrimento. Os europeus não têm uma alternativa viável ao abastecimento energético russo e serão forçados a negociar com os russos, não obstante as terríveis propostas autodestrutivas da Comissão Europeia, lideradas pela fanática e anti-russa Ursula von der Leyen.

Ironicamente, uma das consequências da iniciativa ucraniana poderá ser a continuação das negociações sobre a abertura do Nord Stream 2, actualmente em estado de congelamento graças à intransigência alemã. Pode ser demasiado tarde. Os russos estão obviamente cansados da jogabilidade europeia e estão a fazer grandes movimentos para enviar o gás Eastwood para as acolhedoras armas, entre outras da China e da Índia.

É um caso clássico de nações europeias a dispararem sobre o próprio pé. As suas refinarias são concebidas para tratar o gás russo. Mesmo que houvesse fontes alternativas de abastecimento, que não existem, a sua capacidade de processar esses abastecimentos é severamente limitada. Os europeus têm apenas a si próprios a culpa. A realidade está finalmente a penetrar os cérebros de alguns líderes nacionais europeus e um número crescente recusa-se a cumprir os ditames de Bruxelas.

A guerra na Ucrânia também não está a correr bem para os ucranianos, não obstante as tentativas desesperadas dos meios de comunicação ocidentais de retratar os recuos tácticos russos como uma “derrota”. A exposição da Rússia aos Estados Unidos – a Ucrânia tenta introduzir armas biológicas está também a revelar-se um grande erro táctico. Os europeus estão bem cientes de que a sua proximidade os coloca igualmente em sério risco de serem contaminados.

A tentativa dos Estados Unidos de introduzir armas biológicas no Donbass é uma saga que ainda tem alguma forma de jogar. Pode muito bem revelar-se o seu maior erro.

New Eastern Outlook

Imagem de capa por dodongflores sob licença CC BY 2.0


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

James ONeill
Latest posts by geopol.pt (see all)