Armem a Ucrânia já: A Califórnia, Reino Unido, Texas, Itália e Japão precisam de si!

Por Phil Butler

Só no Texas, a Lockheed emprega 55.000 pessoas. Falando de uma rede de morte e destruição, lucros e dor, nós americanos sabemos como fazer negócios


Dinheiro. Há muita gente muito rica a fazer montes de dinheiro à custa do conflito na Ucrânia. Grande surpresa, não é? A maioria de vós que lêem isto é provavelmente como eu. Podem dizer o que realmente se está a passar observando Wall Street.

Veja-se, por exemplo, o hype idiota dos sistemas de mísseis móveis HIMARS enviados pelo presidente Biden dos EUA à Ucrânia. De acordo com todos os peritos pagos a oeste do rio Dnieper, é um “factor decisivo de mudança de jogo”. Bem, é um “factor decisivo”, está bem, só que o jogo não está no campo de batalha. Os HIMARS, que são a versão americana do 9A52-4 Tornado da Rússia, são produzidos pela Lockheed Martin (LMT).

Assim, a fim de descobrir a verdade sobre a iminente vitória ou derrota da Rússia na Ucrânia, tudo o que temos de fazer é olhar para os preços das acções, datas e movimentos estratégicos dos EUA que apenas parecem ter como objectivo apoiar a Ucrânia. Se olharmos para as acções da Lockheed alguns dias antes dos russos avançarem para o leste da Ucrânia, as acções ascendiam a 386,46 dólares. No dia seguinte às unidades da Rússia terem atravessado a fronteira, a LMT estava a 409,49 dólares. A 4 de março, tinha subido para $458,15, ou seja, cerca de 72 dólares por acção.

Aqueles de vós que não acompanharam este conflito (e outros) através da lente financeira podem estar cépticos. Talvez os ganhos das acções sejam reaccionários? Mas não, os anúncios correlacionados da Casa Branca, os decretos do Departamento de Estado dos EUA, o chocalhar do sabre da NATO, e outros acontecimentos mostram um padrão claro. E aqueles que “sabem” do que realmente se está a passar estão a limpar. Os primeiros na fila atrás dos puxadores de cordas Biden ou Ursula von der Leyen são as elites que dirigem os jornais. Ah, sim. Não apreciariam uma história da meia-noite sobre um sistema de armas que se dirige para uma zona de guerra antes da abertura do mercado?

Não é preciso ser um pensador profundo para imaginar o clube de amigos que dirige o ocidente. HIMARS? Doze ou vinte sistemas de foguetes móveis lançados na briga alteram a história! A maioria das pessoas não se apercebe que os russos têm uma arma muito melhor semelhante e muito mais. O 9A52-4 Tornado é o mais recente lançador de mísseis múltiplos de 300 mm da Rússia. Tem um alcance muito superior, dispara o dobro dos foguetes guiados, e os russos têm centenas deles. Mas os sistemas de armas estão realmente fora de questão.

O que os russos não têm é o Wall Street Journal, a Bloomberg, o New York Times, o secretário da Defesa dos EUA, e o presidente americano a fazer publicidade à Lockheed Martin. Mesmo que a RT, a RIA Novosti ou o Channel One quisessem influenciar Wall Street, os russos são completamente excluídos do jogo da informação a ocidente do Donbass. Imagine o controlo ali. Nem um americano num milhão sabe a verdade. Uma dúzia de armas americanas, mesmo nucleares, não consegue empurrar a Rússia para trás nem um centímetro. A campanha publicitária dos HIMARS é boa para os preços das acções e para as relações públicas. É isso mesmo.

Eis como eu penso que o jogo funciona. As elites que dirigem o complexo industrial-militar em Washington ligam-se ao seu presidente. Alguém no alto escalão do Departamento de Estado contacta o líder fantoche Zelensky da Ucrânia. Entretanto, um projecto de lei ou memorando está a flutuar na Casa Branca ou no Congresso. Zelensky vai para um ecrã IMAX algures em Hollywood ou Washington. Depois o actor/comandante emite uma exigência/pedido para sistemas de armas específicos como os HIMARS. Os meios de comunicação social captam isto, e as fichas caem sobre os stocks de defesa ligados a estes sistemas. Dê o salto de 14 de abril de Lockheed para $467,66. No mesmo dia, um meio de comunicação secundário de defesa relatou os 800 milhões de dólares de Joe Biden em ajuda que incluía o pedido de Zelensky. A Fox News noticiou o pedido de Zelensky no dia anterior. Vou deixá-lo a descobrir como é que poderia fazer uma pilha de dinheiro com o conhecimento prévio. Então, o factor é o verdadeiro mal dos bastardos.

A crise na Europa de leste é um verdadeiro fazedor de dinheiro. Putin deveria ser um herói para todos os trabalhadores da indústria de defesa americana, se a verdade for conhecida. O Pentágono e a Lockheed Martin acabaram de fazer um acordo para construir 375 aviões multirole F-35 nos próximos três anos. Fala-se de segurança no trabalho. Os aviões vêm com um preço ligeiramente inferior a 100 milhões de dólares para os curiosos. As acções da Lockheed em 18 de fevereiro de 2022 eram de 386,46 dólares, e em 4 de março, eram de 458,15. Mas, se olharmos para a actividade de volume e tendências de preços, é evidente que muita negociação especulativa tem tido lugar em momentos chave. Esta é a história maior, acho eu, para alguém bem financiado o suficiente para desenterrar quem comprou e vendeu.

O que é claro são os meios, o motivo e a oportunidade deste maior crime contra a humanidade no novo século. Será que os nossos líderes o poderiam fazer? Será que os beneficiariam se o fizessem? Será o momento certo para fazer lucros enormes com todo o sofrimento que estamos a atravessar neste momento? Porque é que eles inventaram até um #hashtag social para o seu esquema de manipulação de mercado, é #ArmUkraineNow.

Oh, o título, quase me esquecia. O Lockheed Martin F-35 de secção intermédia é feito na Califórnia, a cauda é construída no Reino Unido, e as peças são coladas juntas ou no Texas, Itália, ou Japão, dependendo. Só no Texas, a Lockheed emprega 55.000 pessoas. Falando de uma rede de morte e destruição, lucros e dor, nós americanos sabemos como fazer negócios.


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK


Autor

Phil Butler
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply