A política externa sem escrúpulos de Biden recebe o preço elevado da jogada saudita-russa sobre o petróleo

Martin Jay

Jornalista de Política Internacional


Biden provou que o seu erro belicoso vem com um retorno. E os sauditas esperaram o tempo suficiente para o seu momento de alegria


Muito foi feito da recente viagem de Joe Biden à Arábia Saudita, onde conheceu o príncipe herdeiro do país e tentou afastar-se com um melhor negócio de petróleo, conduzindo às eleições intercalares americanas. A primeira fotografia de impacto continua a fazer as rondas nas redes sociais, tal como a especulação sobre quem foram os vencedores e os perdedores da viagem.

Para Biden, foi uma lição que os futuros presidentes devem ter em conta. Ele tinha-se lançado numa tirada no início do seu mandato contra os sauditas, visando especialmente Mohamed bin Salman (MbS), e prometendo que teriam de reinar sobre os direitos humanos – centrando-se no assassinato de Jamal Khashoggi. Ele tinha montado a sua banca e os sauditas deveriam ser um exemplo, para outros países da região que precisavam de puxar os seus bloqueios para a hegemonia da América.

O que pensava Biden? Como a maioria dos presidentes americanos, ele estava a olhar para o passado, em vez de olhar para o futuro. A relação entre os países do Conselho de Cooperação do Golfo e Washington baseava-se sempre em dois núcleos de adesivos: segurança e energia. Mas uma das primeiras coisas que Biden fez, ao entrar na Sala Oval, foi bloquear um enorme negócio de armas dos EUA para abastecer os sauditas com jactos de caça F-35, num total de 23 mil milhões de dólares. De facto, mais tarde, em abril de 2021, ele permitiu que o negócio prosseguisse, mas os danos já tinham sido feitos. Uma coisa era acusar MbS de ser o assassino de Khashoggi, mas o comentário de Biden sobre fazer do país um “pária” foi simplesmente estúpido e despropositado.

Para além da América ter perdido o alto nível moral para casar com uma tutela moral tão errada, a posição contra a Arábia Saudita quando Biden entrou em funções não foi bem pensada. Biden pensava em termos de meses; os anos sauditas. Eles sabiam que seria apenas uma questão de tempo até os americanos voltarem de joelhos a implorar ou por petróleo ou por mega negócios de armas.

Não precisavam de esperar muito tempo.

No Verão deste ano, foi o próprio Biden que teve de visitar a realeza saudita e eles mostraram-lhe desde o início que iria agora receber uma grande lição de geopolítica, uma lição pela qual o povo americano iria pagar profundamente. Nem o rei da Arábia Saudita Salman nem o príncipe herdeiro estavam presentes no Aeroporto Internacional Rei Abdulaziz para se encontrarem com Biden quando o Air Force One aterrou na cidade portuária de Jeddah e por isso não deveria ter sido surpresa que Biden se tivesse afastado do encontro saudita apenas com aquela fotografia do primeiro salto.

Mas a pílula amarga que Biden teria assim engolido viria muito mais tarde.

Com agora as eleições intercalares a poucos dias de distância e os elevados preços do gás na América, é provável que Biden se apresente como um quebrador de acordos para quem conseguir dirigir ambos os panteões de poder – a casa dos representantes e o Senado – é provável que os democratas possam perder ambos, deixando a segunda metade do seu mandato muito cerimonioso, sem poder real para empurrar as suas próprias agendas através destas casas.

Os sauditas, que se reuniram recentemente com os russos, para discutir os níveis de produção de petróleo, ambos concordaram em cortar a produção numa oferta, em grande parte por parte do Reino da Arábia Saudita (RAS), para manter o petróleo a mais de 100 dólares por barril. Mas havia uma segunda razão pela qual era do interesse tanto dos sauditas como dos russos, cortar a produção: atingir duramente Biden a meio do período, onde os eleitores o culpariam pelos preços elevados da bomba. Os analistas também deram um tom e um grito sobre como as relações entre os sauditas e, de facto, os Emirados Árabes Unidos (o seu irmão maior em muitos aspectos no palco global) e a Rússia estão sempre a melhorar e dão crédito a Putin pela decisão de cortar a produção. Na realidade, isto é exagerado, já que o foco do RAS e dos EAU é manter as suas próprias economias dinâmicas e fazer o que puderem para expulsar Biden da Casa Branca e recuperar Trump. Para Riade e Abu Dhabi é vantajoso para ambas as partes manter vivas as relações com Putin durante os tempos conturbados com Washington, uma vez que eles conhecem este irritado Biden e podem ser usados como alavanca contra qualquer outro dos seus gestos idiotas. Havia um preço a ser pago pelo seu gâmbito saudita. E ele está a pagá-lo agora. A guerra da Ucrânia criou instabilidade energética num mercado global e os americanos podem juntar-se aos pontos e ver como as sanções do Ocidente contra a Rússia não só ajudaram Putin, como também dão mais poder aos produtores de energia, mesmo “párias”, como os sauditas que irão apreciar o seu prato frio de vingança servido dentro de algumas semanas. O período de Biden no cargo será uma marca de água para o Ocidente em geral. A lição será que antes que os presidentes americanos exalem o seu poder em todo o mundo e se entreguem a chamar pelo nome, alguém precisa de fazer um estudo das implicações. Biden provou que o seu erro belicoso vem com um retorno. E os sauditas esperaram o tempo suficiente para o seu momento de alegria.

Imagem de capa por U.S. Secretary of Defense sob licença CC BY 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Martin Jay
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply