A guerra do Ocidente na Ucrânia é uma guerra contra a Rússia

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Mas será que o Ocidente pode realmente conseguir uma “vitória total” e continuar a longa guerra que os seus líderes e especialistas estão a projectar?


Como os recentes acontecimentos em torno do conflito em curso na Ucrânia demonstraram de forma inequívoca – e bastante convincente – o chamado “esforço de guerra” do Ocidente na Ucrânia tem menos a ver com a defesa da Ucrânia e mais com aquilo a que alguns especialistas ocidentais chamam “apagar” a Rússia como uma potência capaz de exercer influência a nível global. A guerra, em palavras simples, tem por objectivo provocar uma mudança de políticas dentro da própria Rússia. Isto é de facto o que Biden quis dizer quando disse – ele voltou atrás por razões tácticas – que o russo Vladimir Putin não pode permanecer no poder. Esta é uma agenda clara de interferência directa, mesmo de acordo com os padrões ocidentais, padrões que numerosos funcionários dos EUA têm vindo a repetir para lembrar ao mundo desde que Hillary Clinton afirmou, em 2016, que a sua derrota – e a vitória de Trump – nas eleições presidenciais dos EUA em 2016 foi o resultado de “interferência russa” – uma afirmação nunca apoiada por provas credíveis e/ou conclusivas. Mas é evidente que os EUA, a força líder da NATO, está a travar uma guerra muito explícita contra a Rússia.

De facto, é precisamente por isso que o chefe da NATO, recordando ao mundo o envolvimento dos EUA contra a União Soviética no Afeganistão nos anos 80, disse que a guerra na Ucrânia poderia durar anos, independentemente do custo militar e/ou do aumento contínuo dos preços da energia e dos alimentos. Enquanto Joe Biden tentou deixar claro que os EUA não lutarão directamente contra a Rússia na Ucrânia, permanece que os EUA nunca lutaram directamente contra a União Soviética, nem no Afeganistão, enquanto continuaram a armar e a treinar os grupos mujahideen afegãos durante uma década. Isto é precisamente o que os EUA/NATO esperam conseguir também na Ucrânia. Milhares de milhões têm sido fornecidos em “ajuda à segurança”. Isto está em cima do moderno equipamento militar que os EUA e os países da OTAN estão a fornecer desde o início do conflito, em finais de fevereiro.

Mais uma vez, o objectivo não é defender a Ucrânia, mas infligir uma derrota à Rússia para a diluir permanentemente como uma superpotência. O aliado mais próximo de Biden, Boris Johnson, partilha deste entusiasmo mais do que muitos outros líderes europeus. Johnson expressou vivamente este sentimento num artigo recente que escreveu para o The Sunday Times, argumentando que o Ocidente tem de “se fortalecer para uma longa guerra”, com vista a aumentar a capacidade da Ucrânia não só para se defender, mas também para “renovar a sua capacidade de atacar” as forças russas dentro da Ucrânia e mesmo para além dela. Johnson, por outras palavras, quer levar a guerra até aos russos.

Isto é visto como uma parte vital do “esforço de guerra” global ocidental, porque as operações militares russas na Ucrânia – que tiveram como pano de fundo o impulso agressivo de Washington de expandir a NATO para incluir a Ucrânia e cercar a Rússia – estão a ser esmagadoramente vistas como uma guerra contra o Ocidente ou contra o sistema internacional dominado pelo Ocidente, que está em vigor desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Se a Rússia vencesse na Ucrânia, isso poderia significar o início do fim deste sistema dominado pelos EUA, razão pela qual muitos especialistas políticos anti-Rússia nos EUA pensam – e projectam – a maior necessidade de derrotar a Rússia directamente na Ucrânia. É precisamente por isso que Johnson argumentou que vencer a guerra é necessário para “os nossos aliados [e nós] estaremos a proteger a nossa própria segurança tanto como a da Ucrânia e a salvaguardar o mundo”.

Mas será que o Ocidente pode realmente conseguir uma “vitória total” e continuar a longa guerra que os seus líderes e especialistas estão a projectar? Uma crise económica já está a instalar-se na Europa e nos EUA, com o aumento dos preços da energia e dos alimentos a tornar-se uma questão de massa – e politicamente controversa – para estes países lidarem. Em maio, a taxa de inflação na Europa foi um recorde de 8,1 por cento. Esta taxa de inflação é mais de quatro vezes superior ao objectivo e estimativa do Banco Central Europeu, mostrando assim como o próprio Ocidente se encaminha para uma situação em que o combate à chamada “guerra longa” pode tornar-se demasiado dispendioso para continuar e que, em última análise, poderão ter de alterar os seus planos de expansão da NATO e/ou derrotar a Rússia.

A verdadeira questão, então, é: serão os líderes ocidentais capazes de projectar a mesma raiva – e entusiasmo populista – contra a Rússia quando a situação económica em mudança começar a atingir as massas e as massas se voltarem para as ruas contra elas? Tal como está, as projecções anti-Rússia dos principais líderes ocidentais já estão a ser utilizadas como uma distracção útil para as massas consumirem e apoiarem o “esforço de guerra” global, independentemente do preço que as pessoas possam ter de pagar a si próprias, com ou sem conhecimento de causa. Mas isto não pode – e não vai – continuar para sempre. As massas não podem ser enganadas permanentemente.

No que diz respeito à Rússia, a política do Ocidente de sancionar o petróleo russo não conduziu a um declínio esperado da economia russa. Como mostram os dados partilhados recentemente por Pequim, a Rússia já ultrapassou a Arábia Saudita como o principal fornecedor de petróleo à China. Isto apesar do facto de a Rússia ser hoje o país mais sancionado do mundo com mais de 10.500 restrições diferentes impostas às suas várias empresas e indivíduos. Destas, só nos últimos quatro meses, foram impostas 7.500. Mas a economia russa está longe da beira do colapso – algo que o Ocidente calculou que irá acontecer muito rapidamente.

A narrativa no Ocidente está, portanto, a ser alterada para preparar as massas para uma “longa guerra”. Os líderes ocidentais estão num dilema. Se a Rússia for bem sucedida, isto será mau para o seu futuro político, na medida em que passaram centenas de dias a projectar a Rússia como “fraca”. Se a guerra se arrastar, o custo será demasiado elevado para que as massas forneçam apoio incondicional. Mas independentemente de como as coisas se desenrolarem nos próximos dias/meses, o que é quase certo é que os políticos e os meios de comunicação ocidentais estarão a melhorar a sua projecção da guerra na Ucrânia como uma guerra contra a Rússia.

Imagem de capa por UNDP Ukraine sob licença CC BY-ND 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply