Caixa de Pandora na Ucrânia: lítio, titânio, terras raras, carvão/gás no valor de 12,4 biliões de dólares

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Tal montante representa quase metade do seu valor nos depósitos revistos em 2009


Seis meses após a operação militar especial (Putin dixit) para a desnazificação/desmilitarização da Ucrânia, outros factores pouco escrutinados estão gradualmente a emergir, tais como, segundo o The Washington Post (WaPo), a batalha pela riqueza mineral e energética (wapo.st/3PpctKe).

Outros factores foram descobertos pelos multimédia russos e chineses – obviamente censurados pelos hilariantes multimédia do Ocidente – tais como os biolabs apoiados pelo amazona casara Vicky Nuland – do clã neoconservador straussiano (bit.ly/3PtGwAM) -, as armas radioactivas do trágico comediante casar e cleptocrata Zelensky (bit.ly/3QkxDuk)- que obrigou à conquista imediata das suas centrais nucleares (bit.ly/3QHzUzG)-, a captura dos portos ucranianos do Mar Negro – que sufocaria as suas exportações de grãos muito publicitados e dos seus altamente apreciados minerais – e a exposição da quadrilha neonazi (literal) Azov – escamoteada pelo Ocidente.

Por muito tendenciosamente enviesada que seja, o WaPo e a empresa de risco geopolítico do Canadá SecDev (bit.ly/3pe4YLB) – ambas as entidades da NATO e do Comando do Norte – exploram o corno da abundância mineral e energética, bem como a abundância agrícola, em jogo na entelequia ucraniana: Moscovo assegurou uma grande recompensa: um controlo alargado sobre algumas das maiores ricas terras em minerais da Europa, onde se concentram algumas das maiores reservas de titânio (sic) e ferro, campos de lítio (mega-sic!) não explorados, e depósitos maciços de carvão, que colectivamente valem dezenas de biliões de dólares, que a SecDev avalia em pelo menos 12,4 biliões de dólares ($12.4 trillion).

Tal montante representa quase metade do seu valor nos depósitos (sic) revistos em 2009.

Quanto valerão 13 anos mais tarde, quando a inflação e os preços das mercadorias tiverem explodido?

Sem fazer as felizes contas, às quais os economistas globalistas neoliberais são tão viciados, e que são capazes de se gabar de que essa riqueza combinada na Ucrânia é equivalente ao PIB da China ou dos Estados Unidos, a dupla WaPo/SecDev afirma que Moscovo capturou 63% dos depósitos de carvão, que se encontram principalmente na parte oriental separatista do Donbass, para além de ter capturado 11% do petróleo da Ucrânia e 20% dos seus depósitos de gás natural, 42% dos seus metais e 33% dos seus depósitos de terras raras e outros minerais críticos, incluindo o lítio.

O montante mínimo de 12,4 biliões de dólares reclamado pela WaPo/SecDev não é pequeno, representando aproximadamente o equivalente à soma dos PIBs nominais do Japão, Alemanha e Grã-Bretanha combinados, ou pouco mais de 10 vezes o PIB do México, a segunda maior economia da América Latina.

O WaPo – o porta-voz não oficial do Estado Profundo norte-americano – afirma que os funcionários dos EUA afirmam que Moscovo tentará anexar os territórios capturados da Ucrânia nos próximos meses (wapo.st/3PlxghX), o que faria com que Kiev perdesse permanentemente (sic) quase dois terços dos seus depósitos.

Um facto geo-financeiro a não perder de vista: o rublo russo tornou-se a moeda de mercado emergente mais forte, tendo levado uma tareia das sanções ocidentais – que tiveram um efeito bumerangue – que o desvalorizou para 136, agora negociando a 60 para o dólar, enquanto a moeda ucraniana Hryvnia (UAH) desvalorizou para 37: mais de 30 por cento, apesar do influxo maciço de ajuda infértil.

Escapa aos analistas do WaPo/SecDev do Comando do Norte/NATO que nas recentes incursões da Rússia na Geórgia – onde Moscovo detém 20% do território – e na Síria – onde Moscovo detém a costa do Mar Mediterrâneo e o eixo estratégico de Damasco/Homs/Hama/Aleppo -, a estratégia militar/geopolítica consiste em operar as suas partes funcionais, e não apenas uma presença territorial estéril, sob o preceito da guerra híbrida praticada pelo general Valeri Gerasimov, o seu chefe de Estado-Maior (bit.ly/3QEcESV).

Imagem de capa por Chibi Veritas sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Artigo traduzido do espanhol para GeoPol desde La Jornada

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply