O envolvimento directo da Bielorrússia na Guerra da Ucrânia é uma questão de tempo?

Nikola Mikovic

Nikola Mikovic

Jornalista


A Bielorrússia – o único aliado da Rússia na Europa – parece estar a preparar-se para o envolvimento directo na guerra da Ucrânia. Se as Forças Armadas russas não fizerem progressos significativos no Donbass, ou se o exército ucraniano lançar uma contra-ofensiva bem sucedida no sul do país, o Kremlin poderá ter de pressionar Minsk a abrir uma “segunda frente” contra a Ucrânia


Desde que a Rússia lançou a sua “operação militar especial” a 24 de fevereiro, funcionários e analistas ucranianos e ocidentais têm especulado sobre um possível envolvimento bielorrusso no conflito. Até hoje, porém, as tropas bielorrussas não atravessaram a fronteira e tentaram apreender partes do território ucraniano, embora tal medida permitisse à Rússia acelerar a sua ofensiva no Donbass.

O problema, contudo, tanto para Moscovo como para Minsk é que as tropas bielorrussas estão longe de estar motivadas para lutar. Falta-lhes experiência de combate, e um potencial envolvimento no conflito da Ucrânia poderia ter consequências graves para a segurança nacional da Bielorrússia. Dado que a Rússia não pode impedir a Ucrânia de atingir o território russo, no caso das forças bielorrussas invadirem a Ucrânia, é quase certo que Kiev retaliará disparando mísseis contra cidades e vilas no sul da Bielorrússia. Mais importante ainda, os “partisanos bielorrussos” tentariam provavelmente sabotar as acções do governo, pois destruíram com relativo sucesso partes da infra-estrutura ferroviária da Bielorrússia durante a primeira fase da aventura militar da Rússia na Ucrânia.

Além disso, cerca de 200 cidadãos da Bielorrússia já estão a lutar do lado ucraniano contra as Forças Armadas russas. Segundo Gennady Kazakevich, vice-ministro bielorrusso dos Assuntos Internos, estão nas fileiras dos batalhões nacionalistas da Ucrânia, e a maioria deles participou nos protestos de 2020 que quase paralisaram a Bielorrússia. Dado que a maioria dos bielorrussos não apoia a participação do seu país na invasão russa da Ucrânia, um possível destacamento de tropas para o país vizinho poderia o tiro sair pela culatra e conduzir a outra enorme crise na Bielorrússia.

Bem ciente disso, o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko parece hesitar numa nova escalada. Ainda assim, as suas recentes declarações sugerem que Minsk está a preparar-se activamente para o pior cenário possível.

“Teremos de lutar pela Ucrânia ocidental para que esta não seja retalhada”. Porque isto é morte para nós, e não apenas para os ucranianos. Estão em curso processos terríveis”, disse Lukashenko no dia 10 de junho.

Anteriormente, em maio, falando de um possível envolvimento polaco na guerra da Ucrânia, Lukashenko salientou que “os ucranianos terão eventualmente de pedir à Bielorrússia que evite a separação do seu país”. Isso significa que as tropas bielorrussas entrarão na Ucrânia se as forças polacas fizerem o mesmo?

Um tal resultado transformaria a Ucrânia numa nova Síria, onde várias potências estrangeiras têm as suas próprias zonas de ocupação. Vale a pena recordar que Lukashenko, em 2015, avisou que a guerra no Donbass, que eclodiu em 2014, poderia ter consequências graves para o mundo inteiro.

“Se não pararmos o derramamento de sangue na Europa, este massacre fratricida, se permitirmos a escalada deste conflito, ele será ‘quente’ em todo o mundo civilizado”. Isto significará mais um passo para um conflito global, e talvez para outra guerra mundial, desta vez no centro do mundo civilizado avançado”, disse Lukashenko durante a Cimeira da ONU em Nova Iorque.

A sua previsão parece estar a tornar-se realidade. Semanas antes de a Rússia lançar a invasão da Ucrânia, Lukashenko deu a entender que Moscovo, Minsk e Kiev poderiam eventualmente tornar-se aliados.

“Se não cometermos um erro, nos próximos 15 anos, a Ucrânia tornar-se-á um aliado russo e bielorrusso”, salientou Lukashenko.

O Kremlin tem cometido demasiados erros desde então. Quatro meses após ter lançado “a operação militar especial para proteger o Donbass”, a Rússia ainda não pode proteger os residentes de Donetsk dos constantes bombardeamentos ucranianos. Entretanto, os líderes ocidentais continuam a visitar livremente Kiev, dado que a Rússia retirou as suas tropas da região “como um gesto de boa vontade“.

Ainda assim, Moscovo conseguiu preservar a sua influência na Bielorrússia. O país da Europa Oriental ultrapassou a Alemanha e tornou-se o maior importador único de mercadorias da Rússia. Relatórios sugerem que as exportações alemãs para a Rússia caíram para 800 milhões de dólares em abril de 2022, enquanto que as exportações bielorussas duplicaram, subindo para mais de 1,5 mil milhões de dólares. Mais importante ainda, o destino político de Lukashenko depende fortemente do Kremlin, o que significa que a Rússia pode eventualmente pressionar Minsk a enviar tropas para a Ucrânia.

O exército bielorrusso planeia realizar exercícios militares em julho na região de Gomel, perto da fronteira ucraniana. Isto, contudo, não significa necessariamente que a Bielorrússia invadirá a Ucrânia. Os exercícios militares, assim como a retórica de Lukashenko, provavelmente visam impedir Kiev de redistribuir as suas tropas para o sul e o leste do país.

Assim, neste momento, é pouco provável que as tropas bielorussas se juntem à “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia. Mas a longo prazo, tal opção estará quase certamente em cima da mesa.

Geopolitics & Empire

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Nikola Mikovic

Leave a Reply