O ‘novo’ plano anti-China do G7 irá funcionar?

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Em palavras simples, o plano envolve um anúncio de recursos até agora inexistentes


Dois acontecimentos recentes envolvendo importantes potências ocidentais confirmaram, mais uma vez, o estabelecimento – e expansão – de uma aliança global anti-China. A cimeira da NATO de 2022 – especialmente a participação dos líderes do Japão, Coreia do Sul, Nova Zelândia e Austrália – destinava-se a impulsionar a agenda americana de globalização da NATO. Esta é uma agenda dos EUA, antes de mais, porque muitas nações europeias, incluindo a França e a Alemanha, estavam, até ao início do conflito Rússia-Ucrânia, a falar em termos do estabelecimento de um sistema de segurança europeu independente da NATO. Mas todos estes estados abandonaram por completo esta ideia. Enquanto a “NATOização” da região Indo-Pacífico é responsável pela globalização da hegemonia militar dos EUA, o “novo” plano de infra-estruturas do G7, no valor de 600 mil milhões de dólares, visa contrariar a Iniciativa Belt and Road (BRI) da China quase uma década após ter sido anunciada.

Tudo isto aconteceu contra o pano de fundo da guerra Rússia-Ucrânia em curso, e especialmente contra a forma como a China tem resistido à pressão EUA/Ocidente. Por conseguinte, a maioria das potências ocidentais, seguindo os EUA, vê agora a China como um “Estado inimigo”, e acreditam que precisam de contrariar a China através dos próprios meios que Pequim utilizou na última década para expandir o seu alcance global; daí, o plano de infra-estruturas. Irá funcionar?

Tal como os meios de comunicação social ocidentais têm demonstrado, este programa, denominado “Parceria para Infra-estruturas Globais” – é mais pomposo e espectacular do que um projecto bem pensado e pronto a ser executado. O projecto foi originalmente anunciado em 2021 como “Build Back Batter World”, mas não conseguiu arrancar depois de Biden não lhe ter dado a tracção de que necessitava. Uma segunda razão chave que contribuiu para o seu fracasso anterior foi o facto de nenhum país parceiro ter fornecido o dinheiro que prometeu, citando os problemas de Biden com o Congresso dos EUA como a razão chave. Este ano, em 2022, Biden apenas relançou o programa. Mas este projecto ainda tem muitos buracos para resolver.

A maior parte destes 600 mil milhões de dólares vem como financiamento que os EUA, a UE e os seus aliados globais prometeram, e irão angariar este dinheiro através de fundos, subsídios federais e investimento privado – que ainda está por vir – ao longo de um período de cinco anos. Os 600 mil milhões de dólares, por outras palavras, é uma soma que não está prontamente disponível nem existe uma fonte clara para a sua obtenção. Em palavras simples, o plano envolve um anúncio de recursos até agora inexistentes.

Mais importante ainda, será que os fundos prometidos pelos EUA e pela UE ficarão disponíveis de todo, dados os problemas em que as suas economias se encontram? A inflação nos EUA atingiu o seu máximo histórico, atingindo 8,6% em junho de 2022. Por conseguinte, continua a ser questionável se a administração Biden poderá realmente desviar recursos suficientes – e atenção – para o projecto. Mesmo na Europa, a inflação atingiu quase 9%, o que significa que a maioria destes estados ocidentais – as chamadas “democracias mais ricas” – estão mais preocupados com os seus problemas internos do que com a China no Indo-Pacífico.

Enquanto o britânico Boris Johnson está continuamente em tumulto doméstico, o regresso de Trump, ou “trumpismo” projectando uma política de prioridade para a América, nos EUA continua a ser uma possibilidade, uma vez que um grande banco de votos branco supremacista aguarda as próximas eleições. Existe, portanto, uma explicação para a razão pela qual a maioria das nações Indo-Pacífico encaram qualquer parceria com o Ocidente como uma empresa arriscada. Para eles, os muitos problemas que estes estados enfrentam são um obstáculo a uma parceria a longo prazo.

Se o sucesso deste plano contra a China depende, como Biden reiterou muitas vezes, da “unidade ocidental”, o projecto já parece de difícil venda. Depois do Brexit, os laços do Reino Unido com o resto da Europa estão longe de ser os ideais. O Reino Unido tem o seu próprio plano para o Pacífico, o qual, também, está a lutar para obter tracção. A inflação também no Reino Unido ultrapassou os 9,1%, com muitos sindicatos de trabalhadores em greve e a planear mais acções laborais. De facto, o Reino Unido tem a inflação mais alta dentro do G7, amortecendo a sua capacidade de financiar o exercício anti-China, tal como planeado na cimeira do G7.

Existem, portanto, questões sérias sobre a capacidade real dos estados do G7 de implementar o plano tal como teoricamente concebido. A turbulência económica que rodeia os concorrentes da China vem juntar-se ao facto de faltarem seriamente os 600 mil milhões de dólares. Não foram partilhados detalhes – porque ainda não foram trabalhados detalhes – sobre a cronologia deste projecto, como irão investir e em que países específicos irão contrariar a China. Muito disto é, portanto, ilusório e demasiado futurista para oferecer algo tangível às nações alvo para se tornarem parte dele.

Como a própria Casa Branca afirmou numa declaração, “este [projecto é] … será apenas o começo: os Estados Unidos e os seus parceiros do G7 também procurarão mobilizar centenas de milhares de milhões em capital adicional de outros parceiros com os mesmos interesses, bancos multilaterais de desenvolvimento, instituições financeiras de desenvolvimento, fundos soberanos de riqueza, e muito mais”.

Esta ilusão foi desmascarada por um relatório recente da Chatham House, no qual se afirmava que “a mudança de prioridades entre as nações doadoras, impulsionada pelos acontecimentos na Ucrânia, corre o risco de uma nova mudança na política de desenvolvimento no sentido do bilateralismo e da fragmentação no seio do G7 e com as nações beneficiárias”.

A maioria das nações asiáticas e africanas compreende que o projecto do G7 é, por natureza, anti-China. Por conseguinte, há a questão de saber se os projectos ocidentais, que na sua maioria serão liderados por investidores privados, corresponderiam ou não aos seus próprios planos e prioridades nacionais. De facto, tal como o referido relatório mencionou, os estados do G7 ainda não apresentaram tal plano para desmamarem os estados alvo para longe da China.

Portanto, para além do facto de este plano poder já ser demasiado tarde (o BRI da China já se espalhou por 140 países), também parece um projecto demasiado pequeno, tendo em conta os muitos problemas e buracos que precisa de combater, tanto a nível colectivo como individual (estatal). Por conseguinte, embora não cause preocupações à China, há muito para o Ocidente – especialmente os EUA – se preocupar em garantir o seu sucesso.

Imagem de capa por Number 10 sob licença CC BY-NC-ND 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Salman Rafi Sheikh

Leave a Reply