EUA financiam novos protestos na Líbia

Líbia, mas desta vez a um nível oficial e sem qualquer encobrimento.

Muitos líbios acreditam que a culpa dos actuais acontecimentos reside nas actividades de Williams, que contribuíram para o conflito entre Oriente e Ocidente

Por Vladimir Odintsov


Num cenário de deterioração das condições de vida, escassez de electricidade, subida dos preços do combustível e do pão, a agitação popular voltou às ruas das cidades líbias desde 1 de julho que, com a inacção das forças de segurança, degenerou em actos desordenados por multidões enraivecidas, acompanhados de vandalismo, fogo posto e pilhagens. Centenas de manifestantes invadiram o edifício do parlamento na cidade líbia de Tobruk, incendiando documentos oficiais, escritórios e salas de recepção, de acordo com a
Libyan News Agency. Segundo a Alwasat TV, os manifestantes exigiram a dissolução do parlamento e a transferência de todos os poderes eleitorais para o Supremo Conselho de Estado do país.

As divisões da Líbia estão a tornar-se mais claras, com a parte oriental a não se submeter a um governo de consenso nacional em Trípoli, e as conversações intermediadas pela ONU em Genebra no dia anterior sobre o compromisso político e as eleições na Líbia a não avançarem.

Devido ao fracasso da Líbia em organizar as eleições gerais patrocinadas pela ONU no ano passado, que deveriam unir as suas díspares regiões históricas, o país do Norte de África encontra-se agora numa profunda crise política. Há uma amarga luta pelo poder entre o Governo de Unidade Nacional (GNU), baseado em Trípoli, liderado por Abdel Hamid Dbeibeh, e o gabinete Fathi Bashagha, baseado em Sirte, que foi fundado em março, contestando a autoridade um do outro.

Para além dos dois centros de poder já existentes em Trípoli, no oeste, e Sirte, no leste, apoiantes de Saif al-Islam, filho do falecido líder da Líbia Muammar Gaddafi, anunciaram a formação do seu próprio governo no sul. Este torna-se a terceira estrutura de poder numa Líbia já polarizada. Uma mensagem de vídeo de funcionários do sul, difundida por Al Arabiya, salientou que Trípoli e Sirte, entre os quais se situa actualmente a principal linha de conflito, há demasiado tempo que não têm em conta os interesses de Fezzan, a região do sudoeste. Os activistas apelaram, portanto, à organização de eleições parlamentares e presidenciais, e anunciaram a formação de forças de segurança “paralelas”, que provavelmente irão competir tanto com as tropas de Tripoli como com o Exército Nacional Líbio (LNA), liderado por Khalifa Haftar.

O segundo filho do líder líbio deposto, Saif al-Islam, declarou as suas ambições políticas na Líbia em 2021, quando se candidatou às eleições presidenciais a realizar em dezembro. Antes de Muammar Gaddafi ter sido derrubado no meio da agitação anti-governamental e da subsequente intervenção estrangeira, este jovem político foi visto como o seu sucessor. No meio do caos que eclodiu na Líbia após a tomada do poder pelo Ocidente, o apoio a Saif al-Islam está a crescer na sociedade líbia e houve mesmo previsões segundo as quais ele poderia ser o vencedor nas eleições presidenciais do país. Ao mesmo tempo, a sua personalidade é controversa no Ocidente: dado que Saif al-Islam esteve directamente envolvido na repressão da agitação no início da Primavera Árabe, um tribunal internacional na Haia emitiu um mandado de captura contra duas acusações de crimes como a perseguição e o homicídio.

Nas manifestações de massas que tiveram início no país, o Exército Nacional Líbio (LNA), que está sediado no leste do país, afirmou, como relata Sada El Balad, que está pronto a apoiar as exigências populares, que reconhece como legítimas no contexto da crise. Ao mesmo tempo, o exército confirmou que seriam tomadas todas as medidas necessárias para preservar a independência da Líbia caso este país enfrentasse quaisquer tentativas externas de influenciar o movimento popular. O Governo do Acordo Nacional (GNA) na Líbia Ocidental também tinha anteriormente apoiado os manifestantes.

De acordo com os media líbios e as reportagens dos meios de comunicação social, os líbios acreditam que existe um elaborado plano dos EUA e dos seus capangas por detrás das novas manifestações que estão a ter lugar na Líbia. Diz-se que Washington pretende fomentar uma nova revolução, desestabilizando a já precária situação política do país, a fim de levar os políticos leais dos EUA ao poder e assim manter o acesso às receitas do rico sector petrolífero. Como prova disso, uma foto de uma tabela elaborada pelo pessoal do vereador Ibrahim Daghdan em Misrata foi divulgada aos meios de comunicação social, mostrando o pagamento de dinheiro aos propagandistas por organizarem acções e outras tarefas relacionadas com o movimento de protesto. De acordo com esta tabela, os coordenadores do movimento de protesto receberam 2.000 dólares cada um. A cidade de Tobruk pagou $50.000 por cada acção organizada.

O envolvimento de Washington nos tumultos na Líbia é também evidenciado pela reacção dos funcionários norte-americanos aos acontecimentos. Por exemplo, o embaixador dos EUA Richard Norland observou no outro dia que as próximas eleições do país serão provavelmente realizadas com dois governos, reafirmando assim o seu apoio ao Governo de Unidade Nacional, liderado pelo primeiro-ministro leal aos EUA, Abdul Hamid Dbeibeh, que perdeu legitimidade. Stephanie Williams, conselheira do secretário-geral da ONU para o Estado norte-africano, que é cidadã americana, disse sobre a “necessidade de proteger as manifestações pacíficas”. E tinha anteriormente afirmado que a National Oil Corporation (NOC) em Trípoli era alegadamente incapaz de gerir as receitas provenientes da venda de produtos petrolíferos e sugeriu a criação de um mecanismo “provisório” para permitir ao organismo internacional controlar totalmente os lucros energéticos do país. Assim, ao tentar impor um controlo externo sobre o petróleo da Líbia e privar os cidadãos líbios da oportunidade de lucrar com a venda das suas riquezas naturais nacionais legítimas, Stephanie Williams pretende claramente continuar a roubar as receitas petrolíferas da Líbia, mas desta vez a um nível oficial e sem qualquer encobrimento.

Muitos líbios acreditam que a culpa indubitável dos actuais acontecimentos na Líbia reside nas actividades de Williams, que contribuíram para o conflito entre Oriente e Ocidente que dividiu o país, o qual poderia ter sido resolvido há muito tempo. Afinal, os líbios já demonstraram a sua vontade de realizar eleições no país e de eleger o primeiro presidente de sempre do país, e não um fantoche dos EUA. No entanto, “com a ajuda” de Stephanie William, o processo de votação foi interrompido e adiado indefinidamente. Como resultado, ninguém está interessado na opinião do povo líbio de hoje, o controlo externo e a pilhagem do país está em curso, e através de várias capacidades dos EUA, este país norte-africano continua envolvido no caos e na agitação interna, que se tornou nos novos protestos na antiga Jamahiriya.

Foto de capa por BRQ Network sob licença CC BY 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Vladimir Odintsov

Leave a Reply