O verdadeiro custo das sanções está revelar-se agora

Por James ONeill

A verdadeira tragédia é que nada disto foi necessário, foi apenas uma consequência da adesão servil dos alemães aos desejos dos Estados Unidos


Na passado dia 14 de junho a empresa russa Gazprom anunciou que estava a restringir o fluxo de gás natural através do gasoduto Nord Stream 1 para a Alemanha em 40% em relação aos níveis anteriormente planeados. A restrição era justificada com base em atrasos no equipamento para afectar as reparações necessárias. Estes atrasos são directamente atribuíveis às restrições impostas à Rússia e às suas empresas na sequência da invasão russa da Ucrânia em fevereiro deste ano. O efeito imediato do anúncio foi o de provocar um aumento dos preços do gás na Europa de dois dígitos. O problema na fixação de parte da maquinaria necessária do Nord Stream 1 foi a recusa do governo canadiano em permitir a devolução da maquinaria necessária à Alemanha, aparentemente devido à sua propriedade russa.

O efeito da redução do gás russo foi também comentado pelo presidente russo Putin. Ele disse que a “rejeição dos recursos energéticos russos significa que a Europa se tornará a região com os custos energéticos mais elevados do mundo”. Putin prosseguiu, afirmando que os europeus “parecem ter esquecido as leis elementares da economia, ou simplesmente preferem ignorá-las”. É uma amarga lição que os europeus estão agora a aprender.

Parece que finalmente, a Europa começa a pagar o preço pela sua imposição de restrições à Rússia. Foi uma simples lição de economia básica que os europeus optaram por ignorar: a redução de uma mercadoria essencial resultará inevitavelmente em que essa mercadoria custe mais caro. O facto de que haverá consequências desagradáveis para os cidadãos europeus parece não ter entrado nos seus cálculos. Parece inevitável que haverá um preço político a pagar pela estupidez do líder. É altamente improvável que os cidadãos da Europa enfrentem a perspectiva de serem congelados no próximo Inverno com qualquer grau de equanimidade. Pode-se esperar que haja um custo político a ser pago pela liderança europeia que, não pela primeira vez, colocou a obediência aos americanos acima dos direitos e necessidades dos seus próprios cidadãos.

Talvez a maior consequência imprevisível das sanções impostas à Rússia tenha sido totalmente mal avaliada pela liderança política europeia. Longe de conduzir a economia russa a uma espiral descendente com o efeito esperado de conseguir uma mudança de regime na Rússia, aconteceu exactamente o oposto. O rublo russo, que afundou há três meses para mais de 100 dólares dos Estados Unidos, voltou a rugir para atingir níveis de câmbio de cinquenta para o dólar. O rublo é agora uma das melhores moedas do mundo em formação. A sua própria força tornou-se um factor de preocupação nos círculos políticos russos.

Em vez de levar a economia russa à destruição, todas as suas principais exportações estão a atingir níveis recorde de ganhos nos mercados estrangeiros… O excedente comercial russo atingiu um nível recorde este ano e está a vender todo o petróleo e gás que pode produzir. São as economias europeias que sofreram as consequências das suas próprias acções. Isto inclui preços recorde a serem exigidos para os alimentos. Existe agora um sério risco de que a fome venha a afectar grandes partes do mundo, incluindo a Europa. É uma consequência que não foi prevista pelos mansos líderes políticos europeus que seguiram lealmente os desejos da América sem pensar nas consequências dos seus actos.

Outra consequência da adesão servil da Alemanha aos desejos americanos foi o cancelamento do projecto Nord Stream 2, após a despesa de 10 mil milhões de dólares. A Alemanha está agora a descobrir os custos reais dessa decisão, que é um défice no fornecimento de energia. A verdadeira tragédia é que nada disto foi necessário, foi apenas uma consequência da adesão servil dos alemães aos desejos dos Estados Unidos. Estão agora a pagar o preço por essa adesão de mais do que uma forma. Os russos estão agora a forçar os alemães a pagar o preço. Como diz o velho ditado, fez a sua cama, agora tem de se deitar nela.

O rápido aumento dos custos energéticos alemães terá uma consequência em termos da sua competitividade na exportação. Os produtos europeus foram sempre caros, mas foram capazes de lidar com isso. O enorme custo do seu abastecimento energético que inevitavelmente se segue às restrições de abastecimento está a se colocar à sua competitividade internacional. O Wall Street Journal observou que alguns produtores estavam a ser forçados a encerrar face à competitividade dos preços das fábricas de outras partes do mundo. O Wall Street Journal observou que os preços do gás natural europeu eram agora mais de três vezes mais altos na Europa do que nos Estados Unidos (ela própria dificilmente uma economia de baixo custo).

O Wall Street Journal, tipicamente para uma agência noticiosa sediada nos Estados Unidos, gostaria que os seus leitores acreditassem que o colapso da indústria europeia é culpa dos russos. Trata-se de um argumento ridículo. A responsabilidade pelo aumento dos preços é uma consequência directa das sanções impostas pelos Estados Unidos e pela Europa à Rússia. A culpa é apenas deles próprios. A consequência inevitável será que a Europa terá de racionar o fornecimento de energia no próximo Inverno.

A tentação para os europeus será a de culpar a Rússia, embora esse seja também um argumento ridículo. A escassez que se faz sentir para os europeus pode ser atribuída às escolhas políticas feitas pelos seus líderes políticos que obviamente colocaram a obediência aos americanos à frente do bem-estar do seu próprio povo. Isso dificilmente é culpa dos russos.

Uma voz sã nesta loucura política tem sido, de certa forma surpreendente, a do antigo secretário de estado dos Estados Unidos, Henry Kissinger. Falando na recente reunião de Davos dos líderes económicos e políticos mundiais, Kissinger exortou a um rápido fim da guerra da Ucrânia que ele viu claramente como uma consequência da intervenção dos Estados Unidos. Pode ter chegado demasiado tarde, mesmo que tivesse sido escutado, o que não foi o caso.

Os russos já começaram a redireccionar a sua energia para leste, para a Índia e a China, entre outros lugares. Isto também reflecte na parte russa um reconhecimento de que o centro de gravidade mundial se afastou firmemente dos Estados Unidos – Reino Unido – clube europeu que tem dominado nos últimos 300 anos.

É um movimento que não pode vir tão cedo.

Imagem de capa por Anton Romanko sob licença CC BY-NC-ND 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Leave a Reply