EUA e NATO aumentam a pressão sobre a Turquia

Por Vladimir Platov


Durante muitos anos, as relações entre Ancara e Washington têm sido caracterizadas por um “equilíbrio instável”. Se inicialmente, quando Erdogan chegou ao poder, o seu Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP) foi apoiado pelos Estados Unidos, com o tempo deixou de ser um projecto americano, demonstrando (assim como o próprio Erdogan) cada vez mais independência em relação a Washington

Barack Obama, por exemplo, considerava Erdogan um líder muçulmano moderado, chamando-lhe um dos cinco colegas com quem conseguiu estabelecer as relações mais amigáveis e de confiança. Ele esperava que a Turquia se tornasse um exemplo de país democrático com uma população predominantemente islâmica, uma espécie de ponte entre a Europa, o Médio Oriente, e o mundo muçulmano. No entanto, gradualmente, ambos ficaram desiludidos um com o outro.

As relações entre os países também se desenvolveram ambiguamente durante a “era Trump”, especialmente contra o pano de fundo da decisão de Donald Trump de se retirar do acordo nuclear iraniano, e depois de Washington ter reconhecido Jerusalém como a capital de Israel e transferido a embaixada americana de Telavive para lá.

Desde a chegada de Joe Biden à Casa Branca, as relações entre a Turquia e os Estados Unidos têm permanecido tensas. Uma razão para tal é o desenvolvimento da cooperação russo-turca, incluindo a compra por Ancara de quatro batalhões de mísseis antiaéreos russos S-400 e a discussão activa de um contrato para o fornecimento de um segundo lote destes sistemas em detrimento dos mísseis Patriot americanos. Em abril de 2021, Biden reconheceu o genocídio arménio, que previsivelmente foi percebido negativamente por Ancara. No final de Agosto de 2021, o senador norte-americano Robert Menendez, presidente da Comissão de Relações Externas do Senado, criticou a actual administração turca e pessoalmente o presidente Recep Tayyip Erdogan, dizendo que qualquer novo governo turco “não pode ser pior” do que o actual. As observações de Menendez não devem, portanto, ser tomadas como uma opinião privada, mas como a posição da administração Biden, que queria dar a Erdogan um aviso claro de que as suas políticas são inaceitáveis para os Estados Unidos.

Nos últimos dias, as relações turco-americanas tornaram-se ainda mais agravadas, tendo como pano de fundo a objecção do presidente turco Erdogan à intenção da Suécia e da Finlândia de aderirem à NATO e, assim, não só negar os acordos anteriores entre o Ocidente e Moscovo sobre a não-proliferação da aliança a leste, como também agravar significativamente a situação com a Rússia.

A fim de “persuadir” Ancara, Washington exerceu sobre ela uma intensa pressão de muitos lados. A Alemanha tem sido um “aliado activo” dos Estados Unidos, especialmente desde que Olaf Scholz foi eleito chanceler, e tendo perdido, como o ministro dos Negócios Estrangeiros russo Sergei Lavrov admitiu recentemente na maratona educacional New Horizons, os seus últimos sinais de independência, o país juntou-se a ela para atacar a Turquia a mando de Washington. Nos meios de comunicação nacionais pró-governamentais, Berlim lançou uma campanha, e começaram aí a surgir acusações contra Ancara, que alegadamente se tinha tornado um “parceiro pouco fiável” com o rótulo de “ditador” atribuído ao presidente turco.

Ao mesmo tempo, através de vários meios de comunicação social, Washington começou a difundir intensivamente informação anti-turca direccionada sobre a possibilidade de a NATO expulsar Ancara da aliança por causa de declarações das autoridades turcas sobre a recusa de aprovação da adesão da Finlândia e da Suécia à NATO. Isto foi mesmo afirmado pelo colunista David Andelman na CNN.

Para tornar Erdogan mais complacente, o presidente dos EUA Joe Biden começou a demonstrar, contra o pano de fundo do conflito com a Turquia, a aproximação de Washington a Atenas, o opositor declarado da Turquia no Mediterrâneo Oriental. Para estes fins, foi organizada uma visita “ostensivamente amigável” pelo primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis a Washington, onde o político grego não só se encontrou com o presidente dos EUA Joe Biden, mas também se dirigiu a ambas as casas do Congresso a convite da presidente da Câmara, Nancy Pelosi. É digno de nota que ao longo dos últimos 40 anos, os líderes estrangeiros receberam tal convite apenas 70 vezes.

A 12 de maio, na véspera desta visita, o Parlamento grego ratificou um acordo de cooperação em matéria de defesa com os Estados Unidos que prevê a criação de quatro novas instalações militares americanas para além das quatro bases militares americanas já em funcionamento na Grécia. Num aparente favor à Casa Branca, durante a sua visita aos Estados Unidos Kyriakos Mitsotakis declarou a sua determinação em fazer da Grécia “um aliado chave dos Estados Unidos no flanco sudeste da OTAN”, e lançou uma ofensiva diplomática contra a Turquia, acusando Ancara de criar problemas para a Aliança do Atlântico Norte e grandes ameaças à segurança no Mediterrâneo Oriental.

Ao mesmo tempo, vários observadores observaram que “Sleepy Joe” estava particularmente bem disposto, demonstrando de todas as formas possíveis que, para ele, a Grécia não era apenas um país, mas uma parte da sua vida. O chefe da Casa Branca falou dos seus laços estreitos com a diáspora grega na América. “Gosto de brincar que sou conhecido como Joe Bidenopoulos na comunidade greco-americana em Delaware”, disse o presidente dos EUA.

É também digno de nota que a exibição por Washington desta “aproximação amigável com a Grécia” teve lugar na véspera da visita do ministro dos Negócios Estrangeiros turco Mevlut Cavusoglu à capital americana. Durante as discussões realizadas em Washington com o primeiro-ministro grego, questões tão dolorosas para Ancara como as actividades conjuntas americano-grecas na base naval em Souda Bay, em Creta, que Mitsotakis chamou de “o diamante na coroa” das excelentes relações militares bilaterais, foram activamente levantadas em público. Pelo canal de televisão grego Skai, Kyriakos Mitsotakis mostrou adicionalmente o chamado mapa da “Pátria Azul” do presidente dos EUA, segundo o qual a Turquia possui uma parte significativa da plataforma continental e área aquática no Mar Egeu sob a jurisdição de outras nações. “Todos compreendem que o expansionismo e o revisionismo não têm lugar numa paisagem global cada vez mais complexa”, disse uma fonte do governo grego citada pela AMNA após a reunião na Casa Branca.

Numa campanha de informação liderada pelos EUA e lançada pela Bloomberg, começou a circular informação francamente direccionada sobre a alegada prontidão da Turquia em aceitar a entrada da Suécia e da Finlândia na NATO em troca do fornecimento de aviões F-16, uma opção para aderir ao programa de produção de caças F-35 Lightning e a existência de restrições à aquisição de sistemas de mísseis antiaéreos S-400 da Rússia a serem levantados.

No entanto, esta parte da campanha de informação promovida por Washington sobre o alegado interesse de Ancara nos caças F-35 Lightning dos EUA suscita sérias dúvidas. Especialmente tendo como pano de fundo o aumento das críticas ao programa F-35, que tem sido criticado há mais de uma década, e o Pentágono não ter emitido autorização para a produção em larga escala destes caças. E ainda mais porque, de acordo com relatórios dos meios de comunicação militares americanos especializados, o Congresso dos EUA vai agora suspender completamente a sua compra.

Claramente, a Turquia e o seu presidente, Recep Tayyip Erdogan têm demonstrado repetidamente a sua independência da influência de Washington ou de outros actores externos. Não há dúvida de que essa política independente de Ancara irá continuar.

Quanto às várias exortações e compromissos dos EUA em troca de políticas benéficas de outros países, todos estão já bem conscientes, incluindo a própria Turquia, da total incapacidade de negociar com os actuais círculos políticos dos EUA, que podem a qualquer momento até rejeitar tratados internacionais para os seus próprios fins egoístas.

New Eastern Outlook

Imagem de capa por World Bank Photo Collection sob licença CC BY-NC-ND 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Leave a Reply