Tensões inflamadas nas relações palestino-israelitas

Bennett deve ter em mente que estes são novos tempos e já é tempo de o governo israelita mudar as suas políticas

Por Viktor Mikhin


A Organização de Cooperação Islâmica (OCI) reafirmou o seu compromisso e apoio aos direitos do povo palestiniano à soberania sobre as suas terras ocupadas. Os estados membros da OCI realizaram uma reunião extraordinária em Jeddah a 25 de abril e apelaram a esforços coordenados para proteger Quds (Jerusalém) e os seus locais sagrados de “crimes cometidos pelos militares israelitas”. Os estados membros da OCI salientaram que os Quds Sagrados e a Mesquita de Al-Aqsa são uma linha vermelha para a Ummah Islâmica e sem a libertar da “ocupação do regime israelita sionista” a segurança e a estabilidade na região não serão alcançadas. A agressão militar israelita contra o povo palestiniano e as acções ilegais do “regime sionista na cidade com o objectivo de assumir o controlo total da mesma e tentar mudar a situação histórica e legal de Quds e da Mesquita de Al-Aqsa” foram condenadas. Na declaração, os estados membros da OCI disseram que o “regime sionista de Israel” deveria ser responsabilizado por quaisquer consequências da agressão e acções ilegais dos ocupantes em Quds, incluindo a tentativa de dividir a Mesquita de Al-Aqsa, exigiam o fim imediato das acções perigosas e ilegais.

Desde 15 de abril, o exército e a polícia israelitas têm vindo a realizar brutais ataques diários ao al-Haram al-Sharif (Mesquita Al-Aqsa) em Jerusalém Oriental. Sob o pretexto de fornecer protecção contra “visitas” provocatórias de milhares de colonos judeus ilegais e fanáticos de direita, o exército israelita feriu centenas de palestinianos, incluindo jornalistas, e prendeu centenas de outros. Os palestinianos compreendem que os ataques em curso ao complexo da Mesquita de Al-Aqsa têm um significado político e estratégico mais profundo para Israel do que as rusgas anteriores. A mesquita assumiu um significado acrescido nos últimos anos, especialmente após a revolta palestiniana de maio do ano passado, protestos em massa, confrontos e a guerra israelita em Gaza, a que os palestinianos se referem de forma eloquente como a Operação Saif Al-Quds (Espada de Jerusalém).

Quando as forças de segurança israelitas utilizaram drones de combate para lançar gás lacrimogéneo sobre dezenas de milhares de adoradores muçulmanos em al-Haram al-Sharif, foi “mais um sinal das políticas falhadas do governo israelita”, observou a egípcia Al-Ahram. A utilização de drones para controlar as enormes multidões na terceira sexta-feira do Ramadão foi mesmo criticada pelos meios de comunicação israelitas. Ao visar aquilo a que Israel chamou “provocadores”, as forças de segurança israelitas demonstraram uma política racista contra tudo o que era palestiniano e muçulmano, afirmaram os meios de comunicação social.

Mas a utilização de drones mostra um problema muito maior. Quando se lida com grandes multidões de manifestantes, é normalmente utilizada uma abordagem a dois níveis. Deve-se ficar longe de quaisquer confrontos que possam exacerbar ainda mais a situação, e ao mesmo tempo tentar encontrar formas de comunicar ou resolver os problemas que os manifestantes estão a tentar levantar com as suas acções. Contudo, tal abordagem não parece existir na narrativa israelita quando se trata do al-Haram al-Sharif. O complexo, que ocupa cerca de 35 acres na Cidade Velha de Jerusalém, tem sido um santuário muçulmano há mais de 1.200 anos (excluindo o período de 88 anos do domínio dos Cruzados). Todas as autoridades que governaram Jerusalém respeitaram o santuário islâmico e permitiram que os muçulmanos oferecessem as suas orações. Nunca ninguém questionou este assunto. Durante o período Otomano, que durou 400 anos, o sultão Selim III regulamentou as relações com os nove locais sagrados partilhados em Jerusalém e Belém através da designação de um pacto de status quo. Este acordo, que foi alcançado devido ao conflito sobre a Igreja do Santo Sepulcro entre os ortodoxos e os franciscanos, tem sido um ponto de referência para os sítios sagrados desde a sua adopção em 1757. Após o colapso do Império Otomano, o acordo foi respeitado sob o mandato britânico pelos jordanos e mesmo durante os primeiros anos da ocupação israelita. Contudo, a mudança da política israelita para a direita e o fracasso dos Acordos de Oslo em proporcionar uma representação clara para os 350.000 palestinianos de Jerusalém deixou uma lacuna que foi abusada por Israel. Em vez de falarem pacificamente e resolverem questões controversas com os palestinianos, os israelitas recorreram a uma política de terra queimada contra a população palestiniana. Qualquer acção ou acontecimento que tivesse um indício de ligação com a liderança palestiniana em Ramallah foi banida. Mesmo um festival de marionetas para crianças, financiado pelos escandinavos através do Ministério da Cultura palestiniano, foi proscrito.

Deve recordar-se que historicamente al-Haram al-Sharif, o nobre santuário, esteve sempre no centro da luta popular na Palestina, bem como uma questão importante na política israelita. O santuário, localizado na Cidade Velha, é considerado um dos lugares mais santos do Islão, como é mencionado no Alcorão Sagrado e nos hadiths – provérbios do Profeta Maomé. O complexo contém várias mesquitas históricas, incluindo Al-Aqsa, e 17 portões, bem como outros locais islâmicos importantes. Para os palestinianos, a Al-Aqsa tem crescido em importância devido à ocupação israelita, que tem atacado mesquitas, igrejas e outros locais sagrados palestinianos ao longo dos anos. Por exemplo, durante a guerra israelita de 2014 na Faixa de Gaza sitiada, o Ministério palestiniano de Awqaf e Assuntos Religiosos relatou que 203 mesquitas foram danificadas por bombas israelitas e 73 foram completamente destruídas.

Por conseguinte, tanto os muçulmanos palestinianos como os cristãos consideram Al-Aqsa, o santuário e outros locais muçulmanos e cristãos em Jerusalém, uma linha vermelha que Israel não deve atravessar. A 15 de abril, na segunda sexta-feira do Ramadão, os famosos vitrais da mesquita foram quebrados e os móveis no interior foram danificados. Os israelitas sentem-se cada vez mais confiantes por detrás da protecção que recebem dos militares e dos políticos israelitas influentes. Muitas das rusgas a al-Haram al-Sharif são lideradas pelo membro de extrema-direita da Knesset Itamar Ben-Gvir, pelo político Likud Glick e pelo ex-ministro do governo Uri Ariel.

O primeiro-ministro Naftali Bennett está sem dúvida a utilizar os ataques como forma de manter sob controlo os eleitores rebeldes de extrema-direita e religiosos. A súbita demissão de Idit Silman, membro do partido de direita de Yamin, tornou Bennett ainda mais desesperado nas suas tentativas de dar vida à sua bastante frágil coligação de facções. Assim que o líder do Conselho Yesha, uma organização de cúpula que representava os residentes de colonatos ilegais na Cisjordânia, Bennett chegou ao poder numa onda de fanáticos religiosos, seja em Israel ou nos territórios ocupados. Perder o apoio dos colonos poderia custar-lhe o seu posto.

O comportamento de Bennett é consistente com o de anteriores líderes israelitas que escalaram a violência em Al-Aqsa para se distraírem dos seus problemas políticos ou para apelarem ao poderoso círculo eleitoral de extremistas de direita e religiosos de Israel. Em setembro de 2000, Ariel Sharon invadiu o complexo com milhares de soldados, polícias e simpatizantes israelitas. Ele fê-lo para provocar uma resposta palestiniana e derrubar o governo do seu inimigo jurado, Ehud Barak. Sharon conseguiu, mas a um custo elevado, quando a sua “visita” desencadeou a Segunda Intifada de cinco anos, também conhecida como a Intifada Al-Aqsa. Em 2017, milhares de palestinianos protestaram contra a tentativa de Israel de instalar câmaras de segurança nas entradas do santuário. Esta medida foi também uma tentativa do ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de apaziguar os seus apoiantes de direita. Mas os protestos maciços em Jerusalém e a subsequente unidade palestiniana forçaram Israel a cancelar os seus planos.

Desta vez, porém, os palestinianos temem que Israel não queira apenas provocação. Tenciona “impor uma separação temporal e espacial da Mesquita de Al-Aqsa”, segundo Adnan Ghaith, o principal representante da Autoridade Palestiniana em Jerusalém Oriental. É esta frase – “separação temporal e espacial” – que muitos palestinianos usam, temendo uma repetição do cenário da Mesquita de Ibrahimi. Após o assassinato, em 1994, de 29 adoradores pelo extremista judeu Baruch Goldstein e subsequentes mortes às mãos do exército israelita na mesquita de Ibrahimi, em Hebron, as autoridades israelitas dividiram a mesquita. Atribuíram uma grande área aos colonos judeus, limitando o acesso aos palestinianos, que só são autorizados a rezar em determinados momentos. É isto que os palestinianos entendem por separação temporal e espacial, que tem estado no centro da estratégia de Israel durante muitos anos.

No entanto, Bennett deve proceder com cautela. Os palestinianos estão hoje mais unidos na sua resistência e consciência dos planos de Israel do que nunca. Uma componente importante desta unidade são os cidadãos palestinianos de Israel, que defendem agora um rumo político semelhante ao dos palestinianos em Gaza, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental. Na verdade, muitos dos defensores de Al-Aqsa provêm destas mesmas comunidades. Se Israel continuar as suas provocações, arrisca-se a outro levantamento palestiniano como o que começou em Jerusalém Oriental, em maio passado. Apelar aos eleitores de direita, atacando, humilhando e provocando palestinianos, já não é uma tarefa fácil, como muitas vezes tem sido. Como a campanha da Espada de Jerusalém demonstrou, os palestinianos são agora capazes de responder de forma unida e, apesar dos seus meios limitados, até exercem pressão sobre Israel para que altere as suas políticas. Bennett, observa Al-Ahram, deve ter isto em mente antes de cometer mais provocações violentas contra os palestinianos, porque estes são novos tempos e já é tempo de o governo israelita mudar as suas políticas.

New Eastern Outlook

Imagem de capa por Kashklick sob liceça CC BY-NC 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook