Qual será a mensagem de Putin que irá abalar o mundo no dia 21 de abril?

Um dia após o Wall Street Journal ter revelado a criação do ciber-yuan, a Rússia anunciou hoje que o czar Vlady Putin prepara-se para apresentar a sua visão do futuro num discurso dramático que os seus aliados julgam ser “o acontecimento político mais importante do mundo” (sic). É o anúncio de uma nova época à medida que na Rússia a pandemia de Covid-19 se vai desvanecendo.

O ciber-yuan é um verdadeiro ‘game changer’ (ponto de inflexão) e afastar-se-á da dolarização e do sistema SWIFT dos EUA que controla as transacções financeiras em mais de 21.000 (sic) bancos em todo o mundo. O SWIFT e o dólar são os dois verdadeiros pilares do poder financeiro omnipotente e todo-poderoso de Washington.

A decisiva presidente do Conselho da Federação, Valentina Matviyenko, antecipou que o discurso de 21 de abril daria respostas a uma série de desafios (sic) no planeta: será uma mensagem para uma nova era, no meio do ambiente difícil que o mundo está a enfrentar.

A Rússia recorda hoje a palestra realista de Putin no Fórum Económico Mundial em Davos, em janeiro, onde argumentou que a medida de aumentar a dívida para estimular as economias é obsoleta, pois serve para alargar o fosso entre ricos e pobres, quando “o custo da educação e dos serviços médicos aumentou na maioria dos países desenvolvidos (sic) nos últimos 30 anos”. Nessa ocasião Putin soou como discípulo do economista francês Thomas Piketty, que propõe ideias criativas sobre a desigualdade prevalecente, a necessidade imperativa de controlar os paraísos fiscais e a urgência de aumentar os impostos sobre os multi-milionários da Forbes.

Há dezoito dias (cinco dias antes do perplexo artigo do Wall Street Journal sobre o ciber-yuan e seis dias antes da dramática mudança de era de Putin, a 21 de abril), já tínhamos avançado que “a China já tem o seu sistema alternativo ao SWIFT: o Sistema de Pagamentos Internacionais da China (SIPS), ao qual alguns bancos russos, sufocados por sanções, começaram a aderir. Em breve seguir-se-ão os 15 da RCEP e os países inseridos nas três Rotas da Seda, liderados pela China. A Rússia e a China já farejaram o cheiro de sangue do vulnerável dólar-centrismo e do seu insustentável SWIFT”.

A 13 de abril, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo Serguei Lavrov, durante a sua visita ao Irão -21 dias depois de visitar o seu homólogo chinês Wang Yi em Guilin-, numa entrevista com a agência iraniana IRNA esclareceu as medidas a serem tomadas para contrariar as sufocantes sanções maciças dos Estados Unidos, a fim de “tomar medidas graduais no sentido da des-dinamização das economias nacionais e da transição (sic) para pagamentos com moedas nacionais ou alternativas, bem como para deixar de utilizar o sistema de pagamentos SWIFT internacional controlado pelo Ocidente”.

A linha temporal é seminal: reunião EUA-China em Anchorage (18-19 de março); três dias depois, Lavrov na China (22-23 de março); Wang Yi no Irão (27 de março); Lavrov no Irão (13 de abril): 26 dias vibrantes de recomposição geopolítica!

Um dia depois do alerta sísmico do ministro Lavrov, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que o “Kremlin não exclui a desconexão da Rússia do sistema de pagamentos ocidental”, dada a “atitude hostil de vários países (sic) contra a Rússia”. Dmitry Peskov disse que o sistema russo de pagamento MIR amadureceu o suficiente e acabará por ter uma distribuição global.

Cinco dias antes do anúncio bombástico da nova época de Putin, o altamente influente Sputnik dá asas ao “O yuan digital da China: uma reinvenção do dinheiro que abalará o poder do dólar americano”.

Será que a mudança de época de Putin enfatizará a sua saída da SWIFT e a sua desdolarização, sob a capa das suas até agora insuperáveis “armas hipersónicas”?

Fonte: La Jornada

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube