As fortes mensagens do Presidente Putin aos EUA

A conferência de imprensa de fim de ano do Presidente Putin na quinta-feira viu-o enviar algumas mensagens muito fortes aos EUA. A primeira que ele transmitiu foi a sua condenação dos esforços de alguns países, em grande parte implícita nos EUA e seus aliados, para culpar a China pela pandemia da COVID-19. O líder russo confirmou que não viu quaisquer provas que sustentassem as suas teorias extravagantes. Ele também apelou aos EUA para que levantassem as suas sanções contra outros países, a fim de os ajudar a combater o vírus.

O Presidente Putin negou veementemente as alegações de que o seu país tinha pirateado as eleições americanas de 2016 e 2020. Ele disse que estas falsas alegações resultaram na manutenção de laços bilaterais como reféns dos assuntos internos dos EUA, o que é contra os interesses de ambos os países. O líder russo também se pronunciou contra a outra narrativa de guerra de informação dos EUA, acusando-o pessoalmente de ordenar a tentativa de envenenamento de um blogueiro anti-corrupção durante o Verão, que está agora a receber tratamento na Alemanha. O Presidente Putin alegou que esse indivíduo coopera com os serviços de inteligência dos EUA, que ele insinuou que poderia tentar intrometer-se nas eleições russas do próximo ano.

Afinal, observou ele, as forças estrangeiras já estão a interferir nos assuntos políticos da vizinha Bielorrússia. Ele é totalmente contra estas provocações, dizendo que as mudanças em qualquer país devem ser impulsionadas internamente e não influenciadas por actores externos.

Está optimista, contudo, de que tudo correrá bem, tal como espera que a paz chegue em breve à região de Donbas, na Ucrânia. Esta última, porém, dependerá da vontade política da liderança ucraniana, que acusou de violar o direito internacional ao não respeitar os Acordos de Minsk.

Os EUA não se imiscuem apenas na antiga esfera soviética, mas também na Europa. O Presidente Putin criticou os esforços dos EUA para impedir o gasoduto Nord Stream 2 do seu país para a Alemanha, mas esperava que a nova administração respeitasse todos os direitos dos seus parceiros de estabelecer relações vantajosas para ambas as partes com a Rússia.

Esperava também que o acordo nuclear New START entre os seus países fosse prorrogado por pelo menos mais um ano antes de expirar em Fevereiro, caso contrário, a estabilidade estratégica global agravar-se-ia seriamente. Sobre esse assunto, lembrou a todos que a Rússia não é culpada por nada disso.

O Presidente Putin disse que o mundo já está no meio de uma nova corrida ao armamento que começou depois dos EUA se terem retirado do Tratado Anti-Mísseis Antibalísticos. Isto, por sua vez, levou a Rússia a pesquisar defensivamente a tecnologia dos mísseis hipersónicos, algo que ele disse que os EUA também querem atingir, mas com fins nefastos. O líder russo afirmou que a América quer utilizar esta tecnologia para realizar ataques de alta precisão em qualquer parte do mundo. Isso poderia prejudicar as capacidades de dissuasão nuclear da Rússia e, assim, piorar a estabilidade estratégica global.

Segundo o Presidente Putin, a constante expansão da OTAN para leste desde o fim da velha Guerra Fria ameaça os interesses nacionais da Rússia. Ele também lançou o alarme perante a rede global de bases militares dos Estados Unidos e o seu enorme orçamento militar de aproximadamente 770 mil milhões de dólares por ano, o que faz com que a Rússia seja proprietária de cerca de 46 mil milhões de dólares por quase dezassete vezes. Outro ponto sério de preocupação é o abandono pela Administração Trump de vários pactos estratégicos com a Rússia nos últimos anos, incluindo o Tratado das Forças Nucleares Intermédias (INF) e o Tratado de Céus Abertos.

No seu conjunto, Putin projectou uma imagem de força, confiança e determinação na defesa dos legítimos interesses nacionais da Rússia. Enviou à América a mensagem de que as suas intromissões e movimentos militares agressivos são inaceitáveis, assim como os seus ridículos esforços para culpar a China pela COVID-19. No entanto, o líder russo está aberto à cooperação com a próxima administração dos EUA e espera que seja muito mais pragmático do que o que está a sair. A bola está portanto no campo do Presidente eleito Joe Biden, que pode continuar a perigosa hostilidade do Presidente Trump contra a Rússia ou traçar uma nova era de cooperação com o mundo inteiro.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube