Turquia fazendo ligações com Israel

Vladimir Odintsov
New Eastern Outlook

Nos últimos anos, é cada vez mais frequente encontrar artigos em vários meios sobre o aparente desejo da Turquia em desenvolver e reforçar os seus diversos laços com Israel. A New Eastern Outlook tem também abordado repetidamente a questão da avaliação do estado actual das relações entre os dois países, tratando de uma questão em particular: a Turquia e Israel: inimigos ou aliados?

As relações entre os dois países desenvolveram-se em vagas ao longo das últimas décadas, desencadeando sobretudo uma crise em 2010 após os israelitas terem disparado e matado 10 activistas turcos que tentavam chegar no Mavi Marmara à costa de Gaza sitiada em apoio aos palestinianos. Por fim, em maio de 2018, a Turquia expulsou o embaixador de Israel e chamou o seu próprio embaixador devido aos ataques israelitas a Gaza e à decisão dos Estados Unidos de transferir a sua embaixada de Telavive para Jerusalém. Ao mesmo tempo, não é segredo que os laços económicos se mantiveram, e entre as empresas de construção envolvidas na construção de colonatos judaicos em território palestiniano desde os anos 90, existem também empresas turcas, tais como o Grupo de Construção Yılmazlar, que renovou a sua ligação a Israel em 2002.

Quanto a Israel, vê a Turquia como um país com importantes fluxos financeiros para si e como um dos centros do comércio mundial, um lugar-chave e estrategicamente importante para o seu domínio no Médio Oriente. Isto explica as medidas de Telavive para concordar em contactos secretos com a Turquia, uma das quais foi a recente comunicação entre o chefe do Serviço Nacional de Inteligência da Turquia, Hakan Fidan e funcionários israelitas como parte dos esforços da Turquia para normalizar as relações. Estes últimos contactos, de acordo com fontes, envolveram, entre outras coisas, o restabelecimento dos laços entre a Turquia e Israel de volta ao nível dos emissários.

Como o The Jerusalem Post assinala a este respeito, a Turquia espera não só mostrar a sua atitude amistosa para com Israel e os judeus, mas também obter dividendos aos olhos da administração de Joe Biden. Ao mesmo tempo, a publicação sublinha que “este é um modelo que já foi utilizado antes… Contudo, ainda não está claro se Israel irá ceder à Turquia e ignorar o seu apoio ao Hamas”.

No outro dia houve outra oferta de Ancara para se reconciliar com Israel e pôr fim ao prolongado conflito bilateral. Cihat Yaycı, um almirante reformado e professor de Ciência Política, próximo de Erdoğan, publicou um artigo na edição de dezembro do Turkeyscope, uma revista mensal do Centro Moshe Dayan da Universidade de Telavive, propondo uma solução para a fronteira económica marítima entre Israel e a Turquia. Ele vê isto, em particular, à custa da redução dos interesses de Chipre, com o qual as relações de Ancara se deterioraram seriamente nos últimos tempos no contexto da expansão turca no Mediterrâneo Oriental. É verdade que, nos comentários a este artigo, o editor-chefe do Turkeyscope, Dr. Hay Eytan Cohen Yanarocak, doutorado em Estudos Orientais, observou: “A fim de elevar o nível das relações de Israel com a Turquia, a fim de alcançar uma verdadeira normalização, é necessário restaurar a confiança mútua, para a qual, acima de tudo, é necessário devolver os emissários e cônsules”.

A essência das propostas turcas é estabelecer uma fronteira de zona económica marítima entre a Turquia e Israel à custa de Chipre e, através da redefinição das zonas económicas marítimas, transferir uma série de blocos cipriotas para Israel. Ao anunciar estas propostas, Ancara está a tentar jogar com o facto de que as zonas fronteiriças entre Israel e Chipre ainda são disputadas, apesar de todos os acordos assinados. E uma vez que se trata de águas económicas, onde no lado cipriota existe o campo de gás de Afrodite com 100 mil milhões de metros cúbicos de gás no valor de 9 mil milhões de dólares, a nova demarcação da fronteira marítima é apresentada por Ancara como um presente muito caro a Telavive, mas apenas com uma condição: Israel só terá negócios com a Turquia e absolutamente nada com Chipre, cuja opinião não interessa ao mínimo Erdoğan. Ao mesmo tempo, Ancara não faz segredo do facto de também ter “reivindicações” a Chipre, sugerindo assim que Israel deveria conduzir uma “troca de interesses” através da assinatura de um acordo.

O almirante Cihat Yaycı também aconselha Israel a não construir o dispendioso gasoduto EastMed para a Grécia através de Chipre, mas a ligar-se ao gasoduto turco para abastecimento de gás à Europa, o que é mais prático e mais barato, referindo-se claramente ao “Southern Gas Corridor” do Azerbaijão, que passa pela Turquia.

Vale a pena notar que a Turquia já tinha assinado anteriormente um acordo muito semelhante, apenas à custa da Grécia, com o governo líbio em Tripoli, que enfureceu não só Atenas, mas também Bruxelas, Cairo e Telavive. Além disso, foi o antigo almirante turco Cihat Yaycı, que sugeriu a ideia deste acordo com a Líbia.

Como a imprensa israelita comentou sobre a proposta de Yaycı, esta é a segunda vez nos últimos quatro meses que Ancara utiliza o sector energético numa tentativa de negociar uma trégua com Israel. A aproximação claramente orientada da Turquia é evidenciada não só pela crescente frequência de contactos entre representantes dos serviços secretos dos dois Estados, mas também pelo facto de o próprio Erdoğan ter parado os seus ataques abertamente insultuosos contra Israel nos últimos meses.

Relativamente ao acordo proposto por Israel com a Turquia em matéria de fronteiras marítimas, os observadores israelitas já lhe chamaram “gâmbito turco”, no qual Erdoğan pretende sacrificar outra peça em vez de um peão… Essa peça é Chipre, com o qual Israel ainda não concordou em estabelecer uma fronteira marítima.

A proposta de acordo de Ancara sobre a delimitação mutuamente benéfica da zona económica marítima tem sido recebida até agora de forma bastante negativa nos círculos de peritos israelitas. Em particular, há um aviso claro de que, se acordado, poderia colocar Israel não só contra Chipre e a Grécia, mas também contra o seu novo parceiro de paz, os Emirados Árabes Unidos, cujo governante formal, o príncipe herdeiro Mohammad Bin Zayed, assinou recentemente um tratado de defesa com a Grécia. Ao mesmo tempo, não é de excluir que as tensões entre os EAU e Erdoğan com os seus parceiros no Qatar possam também conduzir a um grave conflito entre Telavive e Abu Dhabi.

Nestas condições, os especialistas acreditam que Israel certamente não aceitará o acordo proposto por Ancara e a traição ao seu aliado Chipre, o que, por sua vez, lança dúvidas sobre o sucesso do “gâmbito turco”. Quanto à Turquia, Telavive insiste que deve primeiro mudar a sua atitude pública para com Israel, deixar de a deslegitimar aos olhos da população turca, e acabar com as suas relações com o Hamas. Ao fazê-lo, Israel mostra que, se Erdoğan seguir em frente, o Estado judaico encontrará formas de restabelecer a relação formal e mutuamente benéfica entre os dois países que teve no passado.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol