Porque é que Maradona era tão amado

A lenda do futebol Diego Maradona, que morreu esta semana com 60 anos de idade, será recordada por milhares de milhões de fãs do desporto em todo o mundo, não só pela sua proeza quase divina no campo, mas também pela sua solidariedade destemida para com as pessoas oprimidas.

Foi um herói da classe trabalhadora no sentido positivo. Nascido pobre num bairro dos arredores de Buenos Aires, Maradona ergueu-se para se tornar uma lenda do futebol cuja habilidade na bola surpreendeu o mundo. Comentadores comentaram que a bola parecia estar “cosida aos seus pés”, tal era a sua destreza de bola.

Maradona jogou em quatro torneios do Campeonato Mundial, mas foram os jogos de 1986 no México onde brilhou como um deus aos 25 anos de idade. Como capitão de equipa e meia-atacante vestindo a camisa número 10, Maradona foi o catalisador para a Argentina ganhar esse torneio. Numa série de jogos de cortar a respiração, ele levou a equipa à vitória na final contra a Alemanha Ocidental.

Mas foi o primeiro jogo das quartas-de-final contra a Inglaterra que imortalizou o miúdo do bairro. As memórias da Guerra das Malvinas de 1981-82 ainda eram cruas quando os argentinos foram derrotados pela Grã-Bretanha de Margaret Thatcher. Maradona exigiu uma doce vingança, encaminhando o lado da Inglaterra como segunda classificada e brilhando mais do que eles com puro brilhantismo latino. Sim, ele fez batota infame com o seu primeiro golo, chutando a bola para além do guarda-redes inglês numa finta para uma cabeçada. No entanto, o golo ficou de pé porque o árbitro não viu a falta, apesar dos protestos da equipa inglesa. Quatro minutos mais tarde, o dínamo argentino demoliu os seus críticos com um segundo golo que muitos acreditam ser o melhor de sempre na história do futebol. Ele tirou a bola do fundo da sua própria metade e driblou pelo menos cinco defesas ingleses ao longo de uma corrida de 70 metros, brilhando para além do guarda-redes e chicoteando a bola para uma rede vazia. Com o seu descaramento característico, Maradona disse mais tarde que o primeiro golo tinha sido marcado com a “mão de Deus”. Poucos se opuseram.

Com apenas 1,65m de altura, e apesar das suas habilidades mágicas, Maradona sofreu lesões debilitantes devido a repetidas pancadas ásperas. Isto foi antes da prática moderna de arbitragem de protecção. Essas lesões levaram a uma dependência de drogas analgésicas que Maradona também aumentou com os excessos de álcool e cocaína. Afinal, ele era uma divindade do futebol e vivia em cima de um pedestal. Depois do seu sucesso no Campeonato do Mundo de 1986, ele conseguiu vitórias impressionantes para o Nápoles. Durante este período, diz-se que a lenda se envolveu com narcóticos e outros demónios interiores.

Mas o que ele tinha de belo era que nunca esqueceu as suas raízes na pobreza opressora. Como um de oito crianças, cresceu em favelas sem água corrente ou electricidade. Na sua vida posterior, apesar da sua fama, identificou-se sempre com os pobres e oprimidos do mundo. Foi a razão pela qual os pobres do sul de Itália apoiantes do Nápoles o adoraram pela sua apreciação fraterna e, claro, por os levar à vitória contra os clubes ricos do norte.

Maradona disse uma vez: “Odeio tudo o que vem dos Estados Unidos. Odeio-o com todas as minhas forças”.

Ele reverenciava o seu compatriota argentino e o líder revolucionário Che Guevara. Ele também fez amizade com Fidel Castro e chamou orgulhosamente o líder cubano como o seu “segundo pai”. Viveu em Cuba durante longos períodos e recebeu tratamento médico crucial para aliviar os seus males.

Maradona também defendeu outras causas socialistas. Foi um defensor declarado do líder venezuelano Hugo Chavez. Denunciava as guerras americanas no Médio Oriente e dizia no seu coração que “ele era palestiniano”.

Utilizou conscientemente a sua fama futebolística mundial para destacar a causa da justiça contra os crimes do império ianque. Supõe-se que a sua luta heróica no campo foi um reflexo da sua própria convicção sobre a luta mais vasta pela libertação humana da opressão. A sua paixão e inspiração foi uma extensão da luta pela justiça.

Maradona travou a boa luta com o coração de um leão. Mas esse corajoso coração cedeu esta semana. Ele tinha sofrido de complicações de saúde ao longo de muitos anos e as batalhas acabaram por ter o seu preço. A Argentina anunciou três dias de luto nacional e, esta semana, em todo o mundo, haverá um minuto de silêncio antes de todos os jogos.

Os fãs de futebol de todas as cores colocam o maestro argentino em primeiro lugar entre os iguais nas estrelas do desporto: Johan Cruyff, Pelé, Garrincha, George Best, entre outros. Lionel Messi e Cristiano Ronaldo ofereceram as suas sinceras condolências e respeito pelo seu herói.

Se o futebol é o reputado “jogo do povo” universal, então Diego Maradona é o ícone do desporto. Ele era um homem do, e para, o povo. Aos hipócritas que admoestam piedosamente que a política deve ser mantida fora do desporto (usando todas as oportunidades para marcar pontos políticos contra adversários quando lhes convém) Maradona era destemido em manter a política no jogo através da sua corajosa solidariedade para com as vítimas da opressão. Ele nunca hesitou em usar as suas habilidades requintadas para a causa da justiça e da paz. É por isso que, acima de todas as outras estrelas do desporto, ele é amado por tantos milhares de milhões em todo o mundo.◼

Fonte: Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube