China e Rússia: Diálogo face aos desafios externos

Zhao Huasheng

Zhao Huasheng

Professor universitário e perito do RIAC

Se a política de “conduzir uma cunha” implicava separar a China da Rússia, tentando esta última, agora os EUA utilizam a pressão e as ameaças directas


O conflito entre a Rússia e a Ucrânia tornou-se o conflito internacional mais premente na história das relações China-Rússia desde que os dois Estados proclamaram a sua parceria estratégica em 1996. Este conflito constitui a mudança mais radical na política internacional e trouxe consigo a escolha política mais difícil que a China enfrentou.

No meio do conflito Rússia-Ucrânia, a China está a ser sujeita a uma pressão política sem precedentes por parte dos EUA no que diz respeito às suas relações com a Rússia. Tal pressão é diferente da sua política anterior de “cunha” entre a China e a Rússia, que os EUA conduziram antes do conflito Rússia-Ucrânia. Se a política de “conduzir uma cunha” implicava separar a China da Rússia, tentando esta última, agora os EUA utilizam a pressão e as ameaças directas. Washington tenta forçar Pequim a aderir ao lado anti-russo e a aderir às sanções dos EUA e da UE contra a Rússia.

As relações com os Estados Unidos são de grande importância política, económica e de segurança para a China. Ao mesmo tempo, Washington vê Pequim como o seu principal concorrente. Já existem muitos problemas nas suas relações bilaterais; a China quer desenvolver as suas relações China-Rússia, mas também quer evitar a deterioração das suas relações com os EUA. Equilibrar estes dois objectivos é incrivelmente difícil.

Uma situação semelhante aparece nas relações da China com a Europa. Após a eclosão do conflito Rússia-Ucrânia, os círculos políticos europeus têm vindo a exigir que a China condene as acções da Rússia. Isto gerou muitas opiniões negativas sobre a China, e a sua imagem tem sofrido muito aos olhos do público europeu. Claramente, o conflito Rússia-Ucrânia afecta negativamente as relações China-Europa, uma vez que a China não o faz, ao contrário do que a União Europeia exige, colocando a China numa situação mais difícil.

Por um lado, as novas sanções económicas em larga escala impostas à Rússia pelos EUA e pela Europa após a eclosão do conflito Rússia-Ucrânia abriram mais oportunidades para o desenvolvimento da cooperação económica China-Rússia. Por outro lado, criaram severas restrições e riscos para Pequim. Dadas as sanções anti-russas americanas e europeias, a cooperação Pequim-Moscovo pode resultar em sanções secundárias contra instituições financeiras e empresas chinesas, o que limitaria as suas operações globais subsequentes, incluindo as suas actividades na América e na Europa. Levantará também questões relativas ao avanço dos seus interesses económicos e comerciais.

Porque é que as relações Rússia-China permanecem estáveis no meio de uma situação tão radicalmente mutável? Penso que a razão mais importante é que estas relações se baseiam em interesses comuns extensos e profundos e em pensamento estratégico, e não em interesses estreitos e oportunismo. O modelo escolhido de relações bilaterais entre os dois estados poderia desempenhar um papel importante e parece ser a melhor opção. Este modelo é uma parceria estratégica, não uma aliança. Ajuda a preservar a estabilidade nas relações China-Rússia, particularmente em condições externas e internas complexas, e dá todo o espaço para a cooperação China-Rússia. Ao mesmo tempo, cada lado preserva o seu próprio espaço diplomático, e ninguém perde a sua independência. A China e a Rússia são grandes potências, pelo que a igualdade política e a independência diplomática são de primordial importância para elas.

Além disso, a confiança mútua, o respeito mútuo pelas políticas escolhidas, a compreensão mútua de interesses e preocupações são características que definem as relações China-Rússia e continuam a ser significativas. Isto é totalmente diferente da forma maniqueísta de pensar da América “aqueles que não estão comigo estão contra mim”. A este respeito, podemos resumir que as relações China-Rússia permanecem estáveis face aos desafios externos.

RIAC


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Zhao Huasheng
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply