Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


Os EUA estão a oferecer aos sauditas são formas de contrariar a China, incluindo formas de desenvolver cadeias de abastecimento globais alternativas como parte da geopolítica mais vasta dos EUA de «desacoplamento» da China


A recente aproximação entre a Arábia Saudita e o Irão, mediada pelos chineses, abalou verdadeiramente a compreensão de Washington sobre o alcance da influência geopolítica global da China. A diplomacia activa da China anunciou, mais uma vez, o fim formal da política de "não-interferência" há muito defendida por Pequim. Pequim está agora a intervir activamente, embora diplomaticamente e não militarmente, em todo o mundo para remover vários bloqueios geopolíticos (por exemplo, rivalidades regionais encorajadas pelos EUA) impostos pelos EUA em todo o mundo para manter a sua própria hegemonia. Para a China, é crucial reimaginar a sua posição global. Para os EUA, porém, é igualmente crucial enfrentar a China para manter o seu próprio papel. Em nenhum outro lugar esta luta diplomática é mais evidente hoje do que na região do Médio Oriente/Golfo Pérsico. Após anos de "retirada" dos EUA do Médio Oriente e de uma concentração crescente no Sudeste Asiático/Indo-Pacífico, o papel emergente da China no Médio Oriente, em substituição dos EUA, obrigou estes últimos a regressar à região para galvanizar as suas perspectivas cada vez mais reduzidas. A questão é: poderá Washington fazer o Médio Oriente recuar no tempo? Veremos isso em breve.

Imagem de capa por Freddie Everett / U.S. Department of State

Salman Rafi Sheikh
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply

error: Content is protected !!