Os uigures e a propaganda anti-China

Christopher Black

Advogado de Direito Penal Internacional baseado em Toronto


Na Europa, o Falun Gong, outro grupo de frente da CIA, é notório por estar nas ruas e distribuir panfletos anti-chineses contendo estas mentiras e calúnias. É uma calúnia criminosa, mas ninguém é processado


A 26 de agosto de 2022, quando os EUA-NATO dirigiram a contra-ofensiva contra as repúblicas do Donbass e outras regiões ucranianas que resistiam ao regime nazi amigável instalado pela NATO em Kiev começou a ter lugar, os estados da NATO, liderados pelos Estados Unidos e pela Grã-Bretanha, intensificaram a sua agressão contra a China.

As repúblicas do Donbass e as forças russas quebraram a ofensiva de Kherson e infligiram pesadas perdas ao regime de Kiev, como fizeram nos últimos dias no ataque de Kiev na região de Kharkov. A propaganda ocidental estava inundada de reivindicações de uma derrota russa, mas eram o mesmo tipo de reivindicações feitas pelos alemães em 1944-45 que se precipitaram para a sua destruição; reivindicações feitas em desespero, que os levaram a sabotar os gasodutos Nord Stream e a Ponte da Crimeia, que depois explodiram literalmente na sua cara a 10 e 11 de outubro.

Ao mesmo tempo, os EUA e os seus estados aliados, como se a guerra na Ucrânia não fosse suficiente para satisfazer o seu desejo de poder e hegemonia mundial, e esquecendo as graves consequências que as suas acções e sanções causaram a si próprios e aos seus cidadãos nos últimos meses, envolveram-se em provocações contra o Irão, Coreia do Norte e Síria, e até mesmo contra a Turquia, mas, mais importante ainda, contra a China; com várias visitas de figuras políticas americanas e europeias à província chinesa de Taiwan, apesar dos avisos chineses, com os EUA a aumentar o fornecimento de armas aos secessionistas taiwaneses, com o barulho do sabre utilizando porta-aviões americanos no Pacífico e agitando o Japão para ameaçar a China, como se a sua derrota em 1945 tivesse sido apagada da história.

Há algum tempo escrevi sobre o “Tribunal Uigur” anti-China apoiado pela CIA-MI6 que foi criado em Londres em julho de 2021 e liderado por Geoffrey Nice, o advogado britânico que ganhou notoriedade por tentar incriminar o presidente Milosevic da Jugoslávia no Tribunal de Crimes de Guerra da Jugoslávia, o ICTY. Ele falhou miseravelmente quando Milosevic e a sua equipa de defesa (da qual tive orgulho em fazer parte), rasgaram as suas pretensões em pedaços e provaram que foi a NATO que cometeu crimes de guerra e atrocidades na sua agressão não provocada contra a Jugoslávia em 1999.

Mas o mais relevante para a China, Milosevic levantou no seu julgamento o facto de aviões dos EUA e da NATO terem atacado a China ao mesmo tempo, lançando vários mísseis de cruzeiro contra a Embaixada chinesa em Belgrado, matando uma série de oficiais chineses. Esse ataque provou que os EUA e os seus aliados se consideram acima da lei, e para além de toda a moralidade. Provou que eles eram colonialistas e imperialistas até ao núcleo, e inimigos abertos do povo da China.

Nice não acusou qualquer oficial ou funcionário ou chefe de governo da NATO por este crime de guerra contra a China, pois recusou, juntamente com a procuradora canadiana Louise Arbour, acusar qualquer oficial da NATO pelos seus crimes de guerra cometidos contra o povo da Jugoslávia.

Desde então, os EUA continuaram a sua agressão com a guerra económica, disfarçada de revisões de acordos comerciais, como sanções, juntamente com ciberataques, com o sabre a chocalhar sobre Taiwan, uma tentativa falhada de formar uma aliança militar no sudeste asiático contra a China, concordando em fornecer submarinos nucleares à Austrália para serem apontados à China, e encorajando os japoneses a construírem as suas forças armadas com o mesmo objectivo.

Iniciou também uma intensa campanha de propaganda em todos os meios de comunicação ocidentais, especialmente na Voice of America e nas suas filiais na Ásia, e nos meios de comunicação controlados por Rupert Murdoch. Um dos elementos mais notórios desta campanha foi o rapto, pelas autoridades canadianas, por ordem dos EUA, da chefe financeira de Huawei, Meng Wanzhou, que esteve detida no Canadá durante vários anos enquanto os EUA tentavam deitar-lhe as mãos. Essa tentativa acabou por ruir e ela regressou a casa, mas as difamações da China continuam.

Os elementos mais persistentes da sua propaganda são as falsas alegações de que a China está a cometer “genocídio” na sua província de Xingjiang contra os uigures, uma população túrquica, principalmente muçulmana, que aí vive. Na Europa, o Falun Gong, outro grupo de frente da CIA, é notório por estar nas ruas e distribuir panfletos anti-chineses contendo estas mentiras e calúnias. É uma calúnia criminosa, mas ninguém é processado.

Na Grã-Bretanha, o tribunal Uigur de Londres, liderado por Geoffrey Nice, foi criado para conduzir “audiências” sobre as reivindicações. Discuti isto num artigo anterior. Foi um fracasso em termos de propaganda imediata. A maioria da imprensa ocidental ignorou-o e parecia desvanecer-se em irrelevância. Mas o Congresso Mundial Uigur, o grupo de frente da CIA que organizou e ajudou a financiar o tribunal de Londres e apresentou muitas das “testemunhas” encenadas e “provas” inventado tem desde então utilizado as “conclusões” do tribunal para assediar a China noutros lugares.

Em setembro de 2021, o Centro Europeu para os Direitos Constitucionais e Humanos, enganado pelo tribunal de Londres e pelo Congresso Mundial Uigur, fez alegações de que certas empresas europeias estavam a utilizar “trabalhos forçados de uigures” para fabricar os seus produtos. As empresas negaram estas alegações, tal como a China e a maior parte do mundo muçulmano, mas isso não interessava ao ECCHR. O grande salpico na imprensa era o que elas queriam e é o que conseguiram. Citaram o tribunal de Londres em apoio às suas reivindicações falsas.

Em 14 de dezembro de 2021, o Congresso Mundial Uigur e a sua organização aliada, o Projecto de Direitos Humanos Uigur, com sede em Washington, D.C., anunciaram o empenho do advogado britânico, Michael Polak, em apresentar uma queixa na Argentina, contra a China, por crimes contra os figures, baseando a sua capacidade para o fazer nas leis argentinas que lhe concedem jurisdição universal sobre crimes de “genocídio”. Polak é presidente de outro grupo de propaganda anti-China, Lawyers for Uyghur Rights (Advogados para os Direitos dos Uigures).

O Projecto de Direitos Humanos Uigur é financiado pelo governo dos EUA, através do National Endowment For Democracy (NED). Tem também ligações aos senadores anti-chineses norte-americanos Nancy Pelosi e Chuck Schumacher e foi nomeado por outros congressistas norte-americanos para o Prémio Nobel, a fim de sublinhar os seus esforços.

A medida que a acção legal foi anunciada, os legisladores em Washington avançaram com a Lei de Prevenção do Trabalho Forçado Uigur, destinada a bloquear a importação de bens para os EUA produzidos por “trabalho forçado” em Xinjiang e a autorizar sanções contra indivíduos e entidades estrangeiras consideradas responsáveis por abusos de direitos. Polak foi também utilizado pelo Congresso Mundial Uigur para apresentar uma queixa ao Comité Olímpico Internacional sobre a questão para tentar arruinar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 realizados na China.

A 26 de agosto de 2022, ele e outros apresentaram finalmente um processo contra a China na Argentina, declarando que o Congresso Mundial Uigur (WUC) e o Projecto de Direitos Humanos Uigur (UHRP) com sede em Washington, apresentaram uma queixa criminal no Tribunal Penal Federal em Buenos Aires, Argentina, a 16 de agosto, acusando funcionários chineses de “genocídio e crimes contra a humanidade contra os Uyghurs e outros grupos étnicos túrquicos muçulmanos”.

A China reagiu através do porta-voz da sua embaixada em Washington, Lui Pengyu, a uma pergunta sobre a Voice of America (VoA). Lui afirmou que,

“Nos últimos 60 anos, a população Uyghur em Xinjiang cresceu de 2,2 milhões para cerca de 12 milhões”.

“A acusação de ‘genocídio’ em Xinjiang é uma mentira do século”, disse Liu à VoA num e-mail. “Quaisquer que sejam os estratagemas utilizados; uma mentira repetida mil vezes continua a ser uma mentira”.

É claro que ele está absolutamente correcto. Mas os EUA e os seus propagandistas por contratar nada se preocupam com a verdade. Preocupam-se apenas em criar uma impressão, de criar hostilidade contra a China, e estão a fazê-lo para desacreditar e justificar a guerra contra a China.

Estes grupos não pararam nos tribunais nacionais e tribunais artificiais. A 15 de dezembro de 2020, o procurador do Tribunal Penal Internacional rejeitou a consideração das suas alegações apresentadas ao TPI sobre a China e as suas reivindicações sobre os Uigures, com base no facto de a China não ser signatária do Estatuto de Roma que cria o TPI e que aceita a sua jurisdição, o TPI não pode agir uma vez que não tem jurisdição para o fazer. Em qualquer caso, como observámos com as provas falsas apresentadas ao ‘tribunal’ de Londres e ao tribunal argentino, não há nada a investigar.

De facto, lembramo-nos que ainda em maio deste ano, Michele Bachelet, antiga presidente do Chile, e alta comissária para os Direitos Humanos da ONU, visitou a China e relatou que não encontrou provas que sustentassem as alegações feitas contra a China. Sofreu imediatamente uma série de ataques caluniosos nos meios de comunicação social ocidentais, especialmente britânicos e americanos, e relatou que estava sob enorme pressão política para emitir um relatório que o Ocidente esperava dela. Parece ter sido forçada a deixar de procurar continuar o seu mandato devido a esta pressão. E para acrescentar insulto ao ferimento, a Câmara dos Comuns britânica recusou-se a permitir que diplomatas chineses participassem nas cerimónias e mentiras da rainha Isabel em Londres, a pretexto das reivindicações uigures.

Já é tempo destes propagandistas serem responsabilizados pelos seus actos, por fabricarem ódio e hostilidade contra uma nação que tirou o seu povo da pobreza que lhe foi imposta pelo Ocidente durante o período colonial e que o Ocidente quer voltar a impor. Trata-se de um crime monstruoso contra a verdade e contra a China.

Nos Julgamentos de Nuremberga, o propagandista nazi, Julius Streicher, foi enforcado por fazer propaganda sobre os judeus e incitar ao ódio que levou ao genocídio. No Tribunal do Ruanda, os membros de uma estação de rádio foram condenados por genocídio por alegadamente terem feito falsas reportagens sobre acontecimentos que os procuradores alegavam ter instigado o ódio que levou ao genocídio. O discurso do ódio é proscrito pelo Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos e outros tratados.

Não é isto o que Nice, Polak, a CEDH, o império mediático de Rupert Murdoch, tais como a Fox News e os seus meios de comunicação britânicos, o Congresso Mundial Uigur e os seus parceiros associados no crime estão a fazer; a tentar instigar o ódio e a hostilidade para justificar a guerra, para justificar o prejuízo e a morte dos chineses? Não é aqui que tudo isto leva? Não será isto um crime contra a humanidade? Não serão eles os verdadeiros criminosos?

A propaganda é uma ameaça à própria paz. Não é apenas necessário eliminar armas e exércitos nucleares. É também necessário eliminar as armas psicológicas que são utilizadas para justificar, provocar e prolongar a guerra.

Escrevi o que se segue antes, mas é preciso repetir para aqueles que não o leram.

Uma Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas de 3 de novembro de 1947 denunciou a propaganda de guerra;

“A Assembleia Geral condena todas as formas de propaganda, em qualquer país conduzido, que seja concebida ou susceptível de provocar ou encorajar qualquer ameaça à paz, violação da paz, ou acto de agressão”.

Um projecto soviético de definição de agressão apresentado à Assembleia Geral em 1957 definiu a propaganda de guerra como sendo uma agressão ideológica. O seu projecto afirmava que um Estado cometeu agressão ideológica quando “encoraja a propaganda de guerra, encoraja a propaganda para o uso de armas atómicas ou outras armas de extermínio em massa e estimula as opiniões nazi-fascistas, a superioridade racial ou nacional, ou o ódio e o desprezo por outros povos”.

Mas antes disso o Soviete Supremo, a 12 de março de 1950, aprovou uma lei sobre a defesa da paz que afirmava:

“O Soviete Supremo da URSS é guiado pelos elevados princípios da política de paz soviética, que procura reforçar a paz e as relações amigáveis entre os povos, reconhece que a consciência humana e o conceito de direito dos povos, que durante uma geração sofreram as calamidades de duas guerras, não podem aceitar que a conduta da propaganda de guerra permaneça impune, e aprova a proclamação do Segundo Congresso Mundial dos Partidários da Paz, que expressou a vontade de toda a humanidade progressista relativamente à proibição e condenação da propaganda de guerra criminosa.

“O Soviet Supremo decreta,

  • A reconhecer que a propaganda de guerra, seja sob que forma for, mina a causa da paz, cria a ameaça de uma nova guerra e é o crime grave contra a humanidade.
  • Levar a tribunal os culpados de propaganda de guerra e julgá-los como tendo cometido um crime muito grave”.

As potências ocidentais bloquearam uma resolução russa da ONU na altura para denunciar a propaganda de guerra, embora esta estivesse de acordo com os princípios da Carta das Nações Unidas, o que torna um dever de todos os estados membros preservar a paz. O Ocidente baseou-se em argumentos de “liberdade de expressão”, argumentos que não se sustentam, uma vez que a propaganda de guerra não se destina a iluminar as pessoas, mas sim a torcer as suas mentes em pensamentos de ódio e guerra.

Aqueles que estão a participar na campanha de propaganda ocidental contra a China afirmam ser a favor da justiça mas são, na realidade, instrumentos de injustiça. Alegam agir em prol das vítimas da opressão, mas a verdade é que são agentes da opressão ocidental. Afirmam ser a favor da paz, mas na verdade são defensores da guerra. Afirmam ser fundados na lei, mas rejeitam, de facto, toda a lei. Rejeitam-nas. Melhor ainda, exponha-os. Os factos, e a história, irão condená-los.


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Christopher Black
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply