Inquietação em Davos e o medo não dito do fracasso

Alastair Crooke

Alastair Crooke

Diplomata e ex-agente de Inteligência


Os primeiros sinais de uma mudança dos EUA na Ucrânia e a inquietude dos participantes de Davos é o medo de outra débacle, a seguir à do Afeganistão


Klaus Schwab, apaixonado pela Ucrânia, configurou essencialmente o Fórum Económico Mundial (FEM) para mostrar Zelensky e alavancar o argumento de que a Rússia deveria ser expulsa do mundo civilizado. O alvo de Schwab era a crème de la crème montado dos líderes empresariais mundiais ali reunidos. Zelensky lançou um grande golpe: “Queremos mais sanções e mais armas”; “Todo o comércio com o agressor deve ser suspenso”; “Todos os negócios estrangeiros devem sair da Rússia para que as vossas marcas não sejam associadas a crimes de guerra”, disse ele. As sanções devem ser todas abrangentes; os valores devem ser importantes.

A inquietação percorreu o conjunto de Davos: O FEM é globalista de alta octanagem, certo? No entanto, esta linha de Schwab sugere um desacoplamento ‘em palafitas’. Inverte precisamente a interconectividade. Além disso, os generais ocidentais no comando dizem que este conflito pode durar não apenas anos, mas décadas. O que significará isto para os seus mercados em partes do mundo que recusam uma acção contra a Rússia, os homens do dinheiro estavam a perguntar-se?

É improvável que este cheiro a desorientação fosse o que Schwab tinha pretendido. Talvez este último estivesse mais alinhado com a intervenção posterior de Soros de que era necessária uma vitória rápida sobre a Rússia para salvar a “Sociedade Aberta” e a própria civilização – e que esta pretendia ser a mensagem do FEM 2022.

A ‘maior inquietação’ de Davos emergiu, contudo, de um quarto inesperado. Pouco antes do início do FEM, o NY Times tinha publicado um artigo da equipa editorial exortando Zelensky a negociar com a Rússia. Argumentou que tal envolvimento implicava fazer sacrifícios territoriais dolorosos. A peça atraiu um recuo indignado e furioso na Europa e no Ocidente, possivelmente porque – apesar de ter sido redigida como conselho a Kiev – o seu alvo era evidentemente Washington e Londres (os beligerantes do arco).

Eric Cantor, um antigo chicote na Câmara dos Representantes dos EUA (um legislador bem versado em sanções ao Irão), também em Davos, questionou se o Ocidente seria capaz de manter uma frente unida na prossecução de objectivos maximalistas como Zelensky e o seu chefe dos Serviços Secretos Militares exigiram. “Podemos não conseguir a próxima votação”, opinou Cantor (na sequência da votação de 40 mil milhões de dólares ostensivamente destinados à Ucrânia).

Cantor disse que a exclusão da Rússia exigiria sanções secundárias contra outros países. Isto colocaria o Ocidente em confronto com a China, Índia, e os quase 60 estados que se tinham recusado a apoiar uma resolução da ONU denunciando a invasão da Rússia. Ele advertiu que os EUA poderiam estar em perigo ao exagerar no jogo.

Depois falou o temível Henry Kissinger, também em Davos. Ele avisou o Ocidente para parar de tentar infligir uma derrota esmagadora às forças russas na Ucrânia, dizendo que tal teria consequências desastrosas para a estabilidade a longo prazo da Europa. Disse que seria fatal para o Ocidente ser arrastado pelo humor do momento e esquecer o lugar adequado da Rússia no equilíbrio de poder europeu.

O Dr. Kissinger disse que não se deve permitir que a guerra se arraste e chegou perto de apelar ao Ocidente para que instrua a Ucrânia a aceitar termos que fiquem muito aquém dos seus actuais objectivos de guerra: “As negociações têm de começar nos próximos dois meses, antes que isso crie agitações e tensões que não serão facilmente ultrapassadas”.

O que se passa aqui? Em poucas palavras, estamos a assistir ao aparecimento dos primeiros inícios de fracturas na posição dos EUA sobre a Ucrânia. As fracturas na Europa já são muito claras, tanto em termos de sanções como de objectivos de missão. Mas o comentário de Cantor de que “podemos não conseguir a próxima votação” precisa de mais desfazer as malas.

Numa peça anterior, argumentei que a vitória do senador JD Vance nas primárias do Ohio para um lugar no Senado poderia ser reveladora. A sua candidatura foi apoiada por Trump, que mais tarde emitiu um apelo “Acabem com a guerra”. Agora o conto-chave é o senador republicano Josh Hawley – ambicioso e conhecido por ter aspirações de liderança.

No início da guerra da Ucrânia, o senador Hawley telefonou a Zelensky, elogiando-o vivamente e encorajando-o a continuar. Mas depois ele começou a girar. Hawley lançou subsequentemente os 40 mil milhões de dólares em proposta de ajuda à Ucrânia, após votar “não” na votação processual para avançar com o pacote de ajuda “como não sendo no interesse da América”.

No início, como alguns se devem lembrar, houve 6 votos da Câmara contra o projecto de lei – depois 60. E no Senado, primeiro houve zero, depois houve 11 votos. O projecto de lei foi aprovado à pressa, pois os gestores de voto estavam preocupados que a votação pudesse desmoronar-se ainda mais.

O que é que se passa? Bem, a corrente “populista” republicana, nunca apaixonada pela ajuda estrangeira, ficou chocada com os 40 mil milhões de dólares da Ucrânia quando os EUA não tinham leite para bebés, (e ela própria teve de contar com a ajuda de leite para bebés estrangeira). Esta corrente política está a tornar-se mais significativa e a ter mais impacto como resultado de uma mudança estrutural. Os candidatos políticos, e agora até alguns grupos de reflexão dos EUA estão a recorrer ao financiamento da população como principal fonte de financiamento – afastando-se dos doadores “estabelecidos”. Assim, o amplo sentimento de “emaranhamento anti-foreignos” está a ganhar peso.

É claro que os 40 mil milhões de dólares não vão todos para a Ucrânia. De modo algum. De acordo com os detalhes da lei, o grosso irá para o Pentágono (para equipamento já fornecido pelos EUA e seus aliados). E um grande pedaço irá para o Departamento de Estado, para financiar todo o tipo de actores não-estatais e ONGs ‘úteis’ – ou seja, é um orçamento de Estado profundo com embalagem da Ucrânia. Os seis mil milhões atribuídos directamente para novas armas à Ucrânia compreendem, de facto, tanto treino como armas, pelo que grande parte deles terminará nos bolsos de Estados como o Reino Unido e a Alemanha, dando treino “fora do teatro” aos ucranianos no seu próprio território, ou no território de países vizinhos.

Eric Cantor, e outros americanos no FEM podem enquadrar a sua inquietude sobre os objectivos ocidentais em “companhia educada” como simplesmente articulando as suas incertezas sobre a grande estratégia americana – se os EUA estão a tentar punir a Rússia pela sua agressão, ou se o objectivo é uma utilização mais subtil da política que dá ao Kremlin um “caminho para sair das sanções”, caso mudasse de rumo. Mas por detrás da narrativa está um medo mais sombrio. O medo não dito do fracasso.

O que é que isto significa? Significa que os derradeiros objectivos de guerra do Ocidente na Ucrânia foram até agora capazes de permanecer opacos e indefinidos, os detalhes varridos para o lado no estado de espírito do momento.

Paradoxalmente, esta opacidade foi preservada apesar do fracasso público da primeira declaração de objectivos do Ocidente – que foi o de que a confiscação das reservas externas da Rússia no estrangeiro; as expulsões de bancos russos do SWIFT; a sanção do Banco Central; e o lado geral das sanções transformaria, só por si, o rublo em escombros; provocaria uma corrida ao sistema bancário nacional; colapso da economia russa; e provocaria uma crise política que Putin poderia não sobreviver.

Em suma, a “vitória” seria rápida – se não imediata. Sabemos isto, porque os funcionários norte-americanos e o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire gabaram-se publicamente disso.

Tão confiantes num rápido sucesso da guerra financeira foram estes funcionários ocidentais que parecia haver pouca necessidade de investir numa profunda reflexão estratégica sobre os objectivos ou o rumo do impulso militar secundário ucraniano. Afinal de contas, uma Rússia já em colapso económico, com a sua moeda arruinada e a sua moral quebrada, provavelmente pouco ou nada lutaria à medida que o exército ucraniano varresse Donbas e entrasse na Crimeia.

Bem, as sanções provaram ser um fracasso e a moeda e as receitas do petróleo da Rússia são abundantes.

E agora, os políticos ocidentais estão a ser advertidos nos meios de comunicação social, e pelos seus próprios militares, que a Rússia está “perto de uma grande vitória” em Donbass.

Este é o receio não falado dos participantes inquietos de Davos – medo de outro débacle, a seguir ao do Afeganistão. Um deles piorou ainda mais quando a “guerra” contra os bumerangues russos se transformou num colapso económico na Europa, e com o investimento de oito anos da NATO na construção de um exército próspero e bem sucedido de acordo com as normas da NATO a transformar-se em pó.

É isto que os comentários de Kissinger – descodificados – apelam: “Não procrastinar”; conseguir um acordo rápido (mesmo desfavorável), mas um que possa ser vestido, e de alguma forma fiado como uma “vitória”. Mas não espere, e deixe que os acontecimentos conduzam os EUA a mais um inconfundível e inegável débacle.

Isto ainda está ‘debaixo da conversa da mesa da cozinha’ nos EUA, por agora, pois o poder de uma narrativa, investido com tanta emoção, e reforçado por uma pressão de pares sem precedentes da info-guerra, mascara tais pensamentos da expressão pública. As fracturas, no entanto, começam a ser aparentes. Algo se agita – e a Europa seguirá inevitavelmente para onde quer que a América conduza. Mas por agora, os falcões permanecem firmemente na “cadeira” (nos EUA, em Londres, na Polónia, na Comissão da UE e em Kiev).

A grande questão, porém, é por que razão Moscovo aceitaria uma tal “saída” (mesmo que lhe fosse oferecida). Um acordo de compromisso seria visto ali como simplesmente Kiev, dada a oportunidade de se reagrupar, e de tentar novamente.

Imagem de capa por World Economic Forum sob licença CC BY-NC-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alastair Crooke
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply