Guerra dos 30 anos e/ou 100 anos de guerra dos EUA contra a Rússia

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


Springmann desvenda os contactos de espionagem dos EUA com dissidentes na Ucrânia – quando fazia parte da URSS – no final da Segunda Guerra Mundial, independentemente de serem nazis


Da última vez, argumentei: “Hoje há um vislumbre crescente da gravidade geoestratégica sombria da Ucrânia, que representa, segundo os gostos cronológicos, uma nova guerra dos 30 anos – com início em 1991, continuando em 2014 e atingindo o seu paroxismo em 2022 – ou uma guerra de 100 anos (bit.ly/3D3L91J), que procura a balcanização e desintegração da Rússia, com base no axioma do britânico Sir Halford Mackinder em 1904 com o seu livro “O pivô geográfico da História” (bit.ly/3BrfXs5).

No início da Operação Militar Especial (Putin dixit) para desnazificar e desmilitarizar a entelechy da Ucrânia, eu postulei que poderia ser uma nova guerra dos 30 anos – que colocou os protestantes contra os católicos e terminou com o Tratado de Vestfália de 1648 que deu origem ao conceito de soberania que é o pilar fundador da agora mais disfuncional do que nunca ONU (bit.ly/3RttkgQ).

Recentemente, o nonagenário Kissinger, de 99 anos, argumentou que a guerra entre a Rússia e a Ucrânia poderia ser comparada a uma nova guerra dos 30 anos (bit.ly/3RQU5LW).

O muito imprudente ex-diplomata, agora advogado e notável comentador americano Michael Springmann publicou um ensaio perturbador A Guerra dos 100 Anos: Tentativas dos EUA de destruir a Rússia.

Springmann tem a seu crédito três revelações de levantamento de cabelo sobre a política externa farisaica do Departamento de Estado dos EUA: 1) Ele atribuiu do seu posto na Arábia Saudita, durante as administrações Reagan e Daddy Bush, mais de 100 (megasic!) vistos aos terroristas jihadistas da Al Qaeda que perpetraram o altamente controverso 11 de Setembro de 2001 (amzn.to/3x53Puf). Obviamente, Springmann foi defenestrado pelo Departamento de Estado; 2) No seu livro vulcânico Adeus Europa? Olá Caos?: A bomba migratória de Merkel (amzn.to/3B8N7eO) ele argumenta que a política externa dos EUA criou a crise para desestabilizar a União Europeia em geral e a Alemanha em particular; e 3) adverte o Iémen para não confiar em Biden, que prometeu na sua campanha acabar com a guerra da Arábia Saudita no Iémen (bit.ly/3AUBVly).

No seu longo ensaio expõe a sua génese dos cem anos de guerra desde que o presidente democrata Woodrow Wilson, em julho de 1918 – 14 anos após o livro de Sir Halford Mackinder, interveio contra os bolcheviques, que a URSS se estava a tornar ao enviar “13.000 (megasic!) soldados dos EUA” para apoiar od russos brancos, ou seja os czaristas, contra os russos vermelhos bolcheviques. Não podia faltar a intervenção do Império Britânico com mais de 57.000 (megasic!) soldados e mais 5.000 canadianos!

Springmann desvenda os contactos de espionagem dos EUA com dissidentes na Ucrânia – quando fazia parte da URSS – no final da Segunda Guerra Mundial, independentemente de serem nazis. Uff! Depois, expõe então a operação Aerodynamic da CIA e a sua máquina de propaganda de Nova Iorque através da capa da Prolog Research Corp. com o grupo nazi de Bandera/Lebed. Subsequentemente, a CIA mudou os seus operacionais para a Ucrânia antes do golpe de Estado de 2014 das suas ONG bem oleadas.

Cita o jornal globalista The Guardian, muito próximo de George Soros, que exultou que a campanha americana está por detrás da turbulência em Kiev quando a Revolução Laranja foi “uma criação americana, um exercício sofisticado e brilhantemente executado no branding ocidental e no marketing de massas (bit.ly/3Bps6O2)”. Segundo o cineasta Oliver Stone, esta é a técnica de energia suave chamada Mudança de Regime 101.

Springmann expõe a enorme operação de censura dos EUA para esconder o “assassinato (sic) de 14.000 russos étnicos em Dombass” antes de 2022, quando a NATO se tinha expandido do Báltico para os Balcãs.

Com os ensinamentos da Al Qaeda, o trágico comediante cázar Zelensky criou a Legião Internacional de Defesa Territorial de 20.000 combatentes de 52 países (sic), incluindo Israel”. E o que é que Israel está ali a fazer? A Rússia não o perdoará.

Imagem de capa por Oli Zitch sob licença CC BY-NC-ND 2.0


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply