EUA tentam abrir uma “Segunda Frente” na Síria

Washington demonstrou uma vontade feroz de lançar o seu principal aliado do Médio Oriente, Israel, no cadinho do conflito armado com Moscovo, mostrando a sua disponibilidade para sacrificar os israelitas, como já fez com os ucranianos

Por Vladimir Platov


É bem conhecido que a política dos EUA, e os próprios políticos americanos, há muito que prosperam, não com “sucessos diplomáticos”, mas com lucros consideráveis em dinheiro, resultantes do desencadeamento de numerosos conflitos armados numa parte do mundo ou noutra. E isto é particularmente evidenciado pela recente atribuição pelo Congresso dos EUA de 40 mil milhões de dólares para prolongar a guerra na Ucrânia e o novo fornecimento de armas americanas naquele país, e não pelos esforços diplomáticos de Washington na mesma Ucrânia ou em outros conflitos armados. Ou pela luta contra a fome no Afeganistão, África, as alterações climáticas, que se estão a tornar cada vez mais o flagelo da humanidade…

Esta abordagem tem sido particularmente activa nos últimos tempos, quando, num cenário de políticas externas e internas falhadas, a administração Biden se apercebeu de que o seu tempo “ao leme” era de curta duração e por isso, para além de enviar armas maciças para a Ucrânia, embarcou em múltiplos pecados para colher “finalmente” de novos fornecimentos do complexo militar e industrial dos EUA.

Daí, em particular, o desejo intenso da Casa Branca nos últimos meses de criar uma “NATO asiática” baseada no QUAD e na AUKUS, arrastando a região Ásia-Pacífico para a integração anglo-saxónica em torno dos EUA, Grã-Bretanha e Austrália e para desencadear uma nova corrida ao armamento na região. Este é também o objectivo dos esforços da Turquia para integrar a região da Ásia Central em torno da ideia de um “Grande Turan” de Erdogan, na aparente esperança de moldar uma “NATO da Ásia Central” e depois enchê-la ainda com as mesmas armas americanas para conduzir “missões armadas na região”.

A fim de apoiar tais “acções beligerantes”, Washington lançou uma vigorosa campanha de propaganda para expor o curso alegadamente agressivo de Moscovo e Pequim ao público americano e internacional. No entanto, não se deve esquecer que ambos os países nunca na sua história travaram guerras agressivas em território estrangeiro, mas apenas se defenderam contra ameaças militares externas. Apesar disso, num esforço para criar a imagem de um “inimigo externo”, Washington ajustou mesmo as estratégias políticas e militares dos EUA e da NATO, destacando claramente a Rússia e a RPC como os principais adversários dos EUA e do “Ocidente colectivo”.

Quanto à Rússia, ao cortar todos os canais diplomáticos de comunicação com Moscovo e ao levar as relações russo-americanas a um ponto crítico, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo e o embaixador russo nos Estados Unidos Anatoly Antonov, a política de Washington visa agora “a completa aniquilação do Estado russo”. E isto, em particular, foi confirmado pela antiga congressista havaiana Tulsi Gabbard, numa entrevista aos meios de comunicação social norte-americanos.

Para efeitos desta “aniquilação da Rússia”, a Casa Branca começou a acelerar a utilização do confronto armado entre Kiev e Moscovo que tinha vindo a preparar nos últimos anos. No entanto, tendo percebido a futilidade destes esforços e a clara e retumbante vitória rápida da Rússia contra as autoridades nazis em Kiev, bem como o “Ocidente colectivo” que estava por trás deles com armas modernas, a Casa Branca começou a procurar freneticamente a possibilidade de abrir uma “segunda frente contra Moscovo”, mas com as mãos de outra pessoa. Temendo claramente que se demonstrasse publicamente o seu próprio envolvimento num tal confronto armado com a Rússia, esta última estaria certamente a utilizar todas as forças e meios à sua disposição para lançar um ataque de retaliação e devastador contra os Estados Unidos. Pois é bem sabido que hoje em dia as “capacidades” da Rússia excedem de longe as dos EUA em poder e eficácia!

Nestas circunstâncias, em janeiro deste ano, Washington iniciou acções provocatórias no Cazaquistão a fim de “desviar” as forças de Moscovo da defesa da segurança própria e regional da Rússia para eliminar o perigo deste conflito. No entanto, graças à política calibrada de Moscovo e às acções competentes da OTSC, os planos de Washington foram frustrados e a situação de conflito no Cazaquistão foi resolvida.

Seguiu-se a instigação de outro conflito na Ásia Central, nomeadamente na fronteira tajique-quirguizistão e na Região Autónoma de Gorno-Badakhshan (GBAR), mas esta tentativa dos EUA de criar outra “segunda frente” para a Rússia na Ásia Central foi também frustrada por Moscovo.

Recentemente, Washington tem tentado activamente envolver a Turquia e Israel em acções anti-russas provocatórias semelhantes na Síria, orquestrando um agravamento significativo da situação naquele país através das suas capacidades e fazendo com que a Rússia se envolvesse na sua resolução e eliminando a “segunda frente” ali organizada pelos EUA.

Quanto à nova operação militar planeada de Ancara na Síria, mesmo como reconhecido pelos meios de comunicação turcos, Moscovo conseguiu até agora reduzir diplomaticamente o calor da actividade turca.

Nestas circunstâncias, Washington demonstrou uma vontade feroz de lançar o seu principal aliado do Médio Oriente, Israel, no cadinho do conflito armado com Moscovo, mostrando a sua disponibilidade para sacrificar os israelitas, como já fez com os ucranianos no conflito que desencadeou. A ameaça de guerra entre a Síria e Israel tornou-se, portanto, cada vez mais real nos últimos meses. Os líderes sírios já exigiram repetidamente que o Conselho de Segurança da ONU pressionasse Israel a parar os ataques israelitas promovidos por Washington ao território da república, que violam a soberania síria e conduzem a um aumento das tensões na região. O Ministério dos Negócios Estrangeiros sírio, entretanto, tem afirmado frequentemente que o país pode utilizar “todos os meios legítimos” para responder aos ataques israelitas no seu território. Mas tais actividades provocatórias israelitas estão apenas a escalar, testando descaradamente o destino do que poderia transformar-se num grave conflito armado a qualquer momento.

Por exemplo, só nos primeiros dez dias de junho, Israel já disparou mísseis duas vezes nas proximidades de Damasco: a 6 de junho, foi lançado um ataque com mísseis dos Montes Golã ocupados e a 10 de junho, no Aeroporto Internacional de Damasco. Como a porta-voz oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo Maria Zakharova salientou numa declaração a 10 de junho, “o continuado bombardeamento israelita do território da RAS em violação das normas básicas do direito internacional é absolutamente inaceitável. Condenamos veementemente o ataque provocatório de Israel a infra-estruturas civis sírias críticas”. Maria Zakharova recordou que, segundo relatórios, o aeródromo tinha sofrido graves danos materiais: a pista tinha sido danificada, o que, segundo os serviços técnicos sírios, pode levar bastante tempo a reparar, e o Ministério dos Transportes sírio tinha anunciado a suspensão de todos os voos que operavam através da porta de entrada da capital. Segundo Maria Zakharova, tais “acções irresponsáveis representam sérios riscos para as viagens aéreas internacionais e colocam as vidas de pessoas inocentes em perigo real”.

Imagem de capa por Tomás Del Coro sob licença CC BY-SA 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Vladimir Platov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply