Como os Estados Unidos estão a desmembrar a União Europeia

Por Valery Kulikov

Tem feito todo o possível não só para evitar perder a Europa, mas também para eliminar a UE como potencial rival na disputa sobre a influência geopolítica


Hoje os Estados Unidos, devido às crescentes críticas globais às políticas da Casa Branca, procuram desesperadamente manter a sua liderança através de acções destrutivas contra não só os seus adversários, mas também aliados em todas as direcções. Isto é evidenciado tanto pelos numerosos conflitos armados e agressões em todo o mundo instigados pelos Estados Unidos, como pelas sanções impostas aos estados que não desejam tornar-se marionetas passivas de Washington, em violação das normas geralmente aceites e sem a aprovação das organizações internacionais. A posição de outros países, incluindo aliados dos EUA, sobre os ditames políticos, económicos e militares não tem qualquer interesse para Washington, nem as suas perdas decorrentes das mesmas sanções iniciadas pela Casa Branca.

Esta política destrutiva tem sido particularmente rigorosa nos últimos anos, uma vez que Washington há muito que não gosta do que está a acontecer do outro lado do Atlântico. Embora a estratégia declarada da política externa americana apenas mencione oficialmente a Rússia e a China como adversárias, a verdadeira estratégia implica certamente que a UE também está incluída nesta lista. O desenvolvimento de ideias de integração numa Europa unida contradiz o princípio-chave da política de Washington – “dividir e conquistar”.

Como evita minar abertamente a União Europeia, Washington tem feito o seu melhor nos últimos anos não só para a governar furtivamente, mas também para contribuir para a sua desintegração. Tem feito todo o possível não só para evitar perder a Europa, mas também para eliminar a UE como potencial rival na disputa sobre a influência geopolítica.

A este respeito, a colocação de pessoal formado em Washington, como Ursula von der Leyen, Charles Michel e Josep Borrell, em posições de liderança nos estados da UE e nos seus órgãos dirigentes tornou-se uma ferramenta importante na subjugação da UE. Os políticos acima referidos há muito que são guiados nas suas acções apenas por instruções dos Estados Unidos, com total desrespeito pelos interesses de toda a Europa e dos seus países de origem em particular.

A fim de minar a unidade europeia e iniciar processos de desintegração através do seu representante na Europa, o Reino Unido, foi iniciado o Brexit. Bastaria recordar declarações em 2019 do presidente dos EUA, Donald Trump, que então prometeu a Londres um “acordo comercial favorável” a ser concluído assim que a Grã-Bretanha deixasse a UE como forma de mostrar aos britânicos e outros europeus que não há repercussões futuras para a saída da UE… Se tais “declarações aliciantes” fossem feitas oficialmente, só se pode adivinhar o conteúdo das instruções secretas dadas a Londres pela Casa Branca sobre este assunto… Finalmente, os EUA conseguiram o seu caminho, o Brexit aconteceu, e os sentimentos separatistas começaram a ganhar popularidade em vários países da UE como uma forma de sair da crise económica, financeira e energética que envolveu a Europa.

Para enfraquecer a competitividade económica de uma Europa unida, Washington concebeu uma operação multifacetada para enfraquecer a segurança energética europeia. Para este fim, o sentimento russofóbico na Ucrânia tem sido utilizado para pressionar Moscovo a realizar uma operação especial para desnazificar o país. E depois, utilizando uma campanha anti-russa de desinformação sobre a alegada “violação” dos processos democráticos da Ucrânia por parte de Moscovo, começou a crescer na Europa um clima de crítica total à Rússia, inclusive na esfera energética. Finalmente, Washington conseguiu convencer um número significativo de países da UE a endurecer as sanções contra a Rússia, limitando o fornecimento russo de energia ao mercado europeu, sem o qual a UE entraria em colapso económico e em termos energéticos, apesar de tudo isto ir manifestamente contra os interesses da própria Europa.

O resultado foi uma inflação galopante na Europa e o encerramento e falência de muitas empresas europeias, especialmente as orientadas para o mercado russo.

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos através dos seus procuradores, em particular Josep Borrell e Ursula von der Leyen, atraíram a Europa para o apoio financeiro e militar ao regime de Kiev, inclusive através da redução da ajuda nestas áreas aos próprios estados membros da UE. Primeiro foi a onda multi-milionária migração ucraniana, desencadeada pela escalada do conflito armado entre Kiev e Moscovo, que causou danos muito graves à situação financeira, social e económica na UE. Depois veio a rivalidade europeia com Washington para satisfazer o seu capricho de inundar a Ucrânia com armas europeias e o subsequente crescimento das ordens militares para satisfazer os interesses do complexo militar e industrial dos EUA. Isto levou a uma perda significativa das capacidades de defesa da UE, que Josep Borrell foi mesmo forçado a admitir recentemente, quando afirmou que os países da UE estão a ficar sem stocks de armas após o envio de ajuda militar à Ucrânia.

A crise económica e energética na Europa, exacerbada pelos EUA, está a aumentar constantemente o movimento de protesto nos países da UE, desestabilizando a situação política e social e reduzindo assim ainda mais a sua competitividade com os EUA, que é precisamente o que Washington queria.

A fim de prejudicar ainda mais a Europa, Washington, com a ajuda da Polónia, sempre a olhar para a sua boca, pronta para se atirar sobre as baionetas russas na sua fobia anti-russa mesmo para pequenas esmolas americanas, começou a acender as reivindicações financeiras e territoriais entre os estados membros da UE, aprofundando assim a divisão na união. Como resultado, na sequência de pedidos de reparação por parte da Alemanha pelas consequências da Segunda Guerra Mundial, o governo polaco irá em breve apresentar queixas contra a República Checa, como o influente jornal polaco Rzeczpospolita já declarou. Em particular, trata-se aqui da “desvantagem”, do ponto de vista de Varsóvia, da divisão da fronteira polaco-checoslovaca nos anos 50: aparentemente, a República Checa deve à Polónia mais de 368 hectares de território!

E isto não é claramente o limite dos planos traiçoeiros de Washington para dividir a União Europeia e ganhar a competição com o Velho Mundo pelo domínio mundial. Em última análise, o instrumento da guerra biológica, como exemplificado pela pandemia do coronavírus, já foi experimentado pelos Estados Unidos e não só trouxe uma enorme miséria à Europa, perdas financeiras e humanas significativas, como também enriqueceu as mesmas empresas farmacêuticas americanas. E as consequências da crise energética desencadeada por Washington afastaram durante anos a Europa do combate às alterações climáticas, que continuarão a devastar a UE e a sua economia com novos incêndios, tempestades e inundações…

Mas gostaríamos de acreditar que a Europa, dopada pelos vários truques e provocações de Washington, acabará por acordar e começar a prosseguir políticas no interesse dos seus próprios países, não dos EUA, e reconsiderar as suas relações com a Rússia e a China em benefício dos povos da Europa.

Imagem de capa por European Parliament sob licença CC BY 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde New Eastern Outlook


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Valery Kulikov
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply