Amnistia Internacional, CBS e Die Welt revelam a hediondez do comediante cazar

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


O que aconteceu à propaganda tóxica do Ocidente que canonizou o cleptocrata Zelensky?


Os multimédia do Ocidente alinharam-se contra o trágico comediante cazar (amzn.to/2MR0PfM) Zelensky, que o repórter de guerra chileno Gonzalo Lira prevê que será atirado para debaixo do autocarro (bit.ly/3z7kZYd), ideia a que Thomas Friedman do NYT (nyti.ms/3AaMEcI) aderiu.

A Amnistia Internacional (AI), a CBS e o jornal alemão Die Welt convergiram para a jugular sobre Zelensky, que foi severamente criticado pela sua frivolidade no meio da guerra através de publicidade com a sua esposa na Vogue. A AI foi amplamente criticada por encobrir as atrocidades das guerras do século americano, mas agora surpreendentemente expõe que os militares ucranianos ameaçaram civis ao colocar bases militares em áreas povoadas, em particular hospitais e escolas: “tais tácticas violam o direito humanitário internacional e põem em perigo os civis ao transformar objectos civis (sic) em alvos militares (sic) (bit.ly/3JI4gzC)”. Não é que a AI se tenha redimido subitamente pela sua amnésia (sic), também internacional, nas guerras anteriores dos seus controladores logísticos – os EUA e a Grã-Bretanha – mas antes que o seu devastador relatório constitua uma forte pressão contra o agonizado, politicamente falando, Zelensky, que se chicoteou com a sua verborreia vazia contra as constatações de que usa a população civil da Ucrânia como escudo humano.

Em sincronia, CBS News Report, a Arming Ukraine, sugere que 70% (mega-sic!) das armas dos EUA/NATO enviadas para a Ucrânia não chegam à linha da frente, o que se deve à lendária corrupção do governo ucraniano, aos gastos esbanjadores e aos grandes negócios no mercado negro. Parece implausível que os EUA repetissem agora na Ucrânia os mesmos erros que cometeram no Afeganistão, Iraque e Síria, a menos que seja um estratagema deliberado para alimentar os fogos das pradarias de guerra próximas. A maior parte das armas do Ocidente estão a fluir para a Ucrânia através da fronteira polaca, enquanto Yuri Sak, conselheiro do Ministro da Defesa ucraniano Alexey Reznikov, comentou que o fandango sobre a evaporação mágica das armas “poderia (sic) fazer parte da guerra de informação da Rússia (bit.ly/3vSrTQd)”. Aha!

A propósito, a CBS News eliminou (mga-sic!) o tweet onde afirmava que apenas “30% da ajuda militar dos EUA à Ucrânia chega à linha da frente (fxn.ws/3zIvWji)”. A CBS News admitiu ter eliminado o documentário (bit.ly/3JLQjRd), levando o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano Dmytro Kuleba a acusar a CBS de desinformação.

Não é novidade salientar – mesmo muito antes da Operação Militar Especial da Rússia em 24 de fevereiro de 2022 – que a Ucrânia é o país mais corrupto da Europa, que até o jornal britânico The Guardian, nas boas graças de Zelensky (bit.ly/3A6Xr7F), não pode esconder. O fedor cleptómano do trágico comediante cazar Zelensky – a sua casa de 8 milhões de dólares em Tel-Aviv, uma villa de 34 milhões de dólares em Miami, a sua exposição fedorenta nos Pandora Papers em conluio com o pleonasmo Igor Kolomoysky (bit.ly/3djpCXQ) – já era conhecido, mas não com o detalhe microscópico meticuloso de Die Welt (bit.ly/3zHAK8F) que publica extractos da sua biografia e dos seus “arranjos secretos (bit.ly/3AbSLxs)”, onde os seus relatos no Chipre, Belize – onde descobriram os relatos fetidos das filhas do ex-presidente equatoriano Lenín Moreno –, as Ilhas Virgens Britânicas (sic) – onde desenterraram os relatos de Genaro García Luna e Carlos Loret de Mola – brotaram.

Através da Maltex Multicapital Corp., Zelensky adquiriu um apartamento em Londres por 7,5 milhões de dólares e para cuja conta a Kolomoysky contribuiu com 40 milhões de dólares (bit.ly/3Pba9GS). A conivência deplorável entre os dois cazares, o oligarca Kolomoysky e Zelensky, equivale a evasão fiscal ou a vil lavagem de dinheiro, ou ambos?

O que aconteceu à propaganda tóxica do Ocidente que canonizou o cleptocrata Zelensky?

Imagem de capa por Statsministerens kontor sob licença


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply