A queda de Ícaro da globalização em Davos: “a nova era da desglobalização”

Alfredo Jalife-Rahme

Analista geopolítico, autor e docente


A queda do Ícaro da globalização em Davos: “a nova era da desglobalização”


A colunista financeira turco-iraniano-americana Rana Faroohar do Financial Times (FT), o porta-voz supremo do globalismo neoliberal, opera as obsequias rituais da globalização financeira no recente Fórum Económico Mundial (WEF): Davos e a nova era da desglobalização.

Nada de novo. Exprimi-o aqui há 15 anos, e recentemente a desglobalização foi exposta pelo principal banco europeu Deutsche Bank e pela BlackRock dos EUA.

O FT não pode esconder o humor sombrio e incerto em Davos: dos negócios estrangeiros às crises alimentares, a maioria dos líderes empresariais tornaram-se pessimistas quanto à incerteza global. Jane Fraser, chefe do Citigroup, expressou o seu medo triplo da Rússia, da recessão que se aproxima e do aumento das taxas de juro.

Os repórteres da FT citam a opinião do globalista George Soros, que julgou o recente confinamento da China em Xangai – para implementar a sua bem sucedida política de Covid zero – como o pior erro (sic) do presidente Xi Jinping, que irá afectar a economia global (sic) quando “a ruptura da cadeia de abastecimento, a inflação global é susceptível de se transformar em depressão global (sic)”. A propósito, seis dias após as tediosas jeremiads do cázaro-anglo-americano-húngaro Soros, a China levantou o confinamento de Xangai.

Até mesmo os globalistas mais ardentes caíram na armadilha da ideia de recuo no templo da globalização em Davos, quando há um perigo iminente de aceleração da desglobalização, de acordo com C. Vijayakumar, CEO da HCL Technologies.

O obsessivo mantra das alterações climáticas ficou em segundo plano em Davos, com o novo enfoque na segurança energética impulsionado pela guerra que iria fazer descarrilar a transição para uma energia mais limpa (que na realidade mascarou, a meu ver, uma guerra sub-reptícia contra a Rússia pelo controlo global da energia, quando não há nada de limpo nos substitutos ocidentais do gás e do átomo).

Vale a pena notar que entre as várias guerras que se condensaram singularmente na Ucrânia, há também uma guerra energética e uma guerra alimentar que se desenrola como parte da guerra híbrida global.

Ao contrário do hábito cacofónico dos globalistas, a fauna de Davos empurrou calmamente uma nova proposta na ONU a 22 de maio – depois de todas as propostas fracassadas do tipo GAVI (https://bit.ly/3t7Owio) – no sentido de que os países valetudinianos entregassem a sua soberania médica à OMS.

Estritamente demográfica, a santa aliança UE-NATO e a maioria da União Europeia (representando cerca de 15% da população mundial) está a tentar impor a sua cosmogonia globalista à restante maioria do mundo, no meio de carências incoercivas de alimentos e de energia, que têm atingido inconcebivelmente até a comida para bebés nos Estados Unidos.

O esquema do Grande Reinício, proposto pelo zelota globalista alemão Klaus Schwab (KS) (economia verde, desindustrialização, passaportes digitais saudáveis, moedas digitais dos bancos centrais) foi descarrilado à medida que a inexorável passagem do tempo impôs a realidade do Grande Desacoplamento.

O apaixonado, patológico e inveterado globalista alemão KS, um grande aliado do mega-especulador George Soros, emitiu uma temível ameaça à raça humana: “Sejamos também claros, o futuro (sic) não está a acontecer. O futuro está a ser construído por nós, uma comunidade poderosa (sic): você aqui nesta sala. Temos os meios para impor este estado (do futuro) ao mundo”.

Os globalistas não se vão render à nova realidade geoestratégico-geoeconómica sem antes terem estimulado várias guerras à beira do precipício nuclear. A Ícaro de Davos derreteu as suas asas de cera à medida que se aproximava do sol.

Imagem de capa por  World Economic Forum sob licença CC BY-NC-SA 2.0


Peça traduzida do espanhol para GeoPol desde La Jornada


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Alfredo Jalife-Rahme
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply