A guerra secreta de Joe Biden na Ucrânia

Phillip Giraldi

Director executivo do Council for the National Interest


Biden não admitirá que já existem botas americanas no terreno, mas elas estão lá e estão a desempenhar um papel importante tanto na logística como na partilha de informações


A Casa Branca continua a insistir que não envolverá directamente soldados americanos na guerra na Ucrânia, mas continua a tomar medidas que conduzirão inevitavelmente a um papel de combate aberto em larga escala dos EUA contra a Rússia. Entre as medidas mais recentes para aumentar a pressão sobre o Kremlin, Biden revelou na cimeira da NATO em Madrid, a 29 de junho, que os EUA estabelecerão um quartel-general permanente na Polónia para o Quinto Corpo do Exército, manterão uma brigada rotativa adicional de milhares de tropas na Roménia e reforçarão outros destacamentos nos estados bálticos. Além disso, o número de tropas dos EUA na Europa, que se aproxima actualmente dos 100.000, será aumentado. Biden também ficou satisfeito por saber que a Turquia tinha sido seduzida a abandonar a sua objecção à adesão da Finlândia e da Suécia à NATO.

A caminho da cimeira da NATO a bordo do Air Force One, o conselheiro de Segurança Nacional de Biden, Jake Sullivan, aconselhou que “No final da cimeira, o que verá é uma postura de força mais robusta, mais eficaz, mais credível, mais capaz e mais determinada para ter em conta uma ameaça russa mais aguda e agravada”. Presumivelmente Sullivan estava a ler a partir de um guião preparado, mas o objectivo certamente parecia ser o de aumentar a tensão com Moscovo em vez de tentar reduzi-la e chegar a algum tipo de acordo diplomático.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, também fez a sua parte. Numa espantosa demonstração de beijo de ironia, ele respondeu que os novos compromissos da postura de força dos EUA eram demonstrativos da forte liderança de Biden. O que Stoltenberg não mencionou foi que Biden mentiu durante algum tempo sobre a presença de pessoal militar dos EUA na Ucrânia. Ele deixou o gato sair do saco em março, quando disse às tropas pertencentes à 82ª Divisão Aérea na Polónia que em breve iriam para a Ucrânia, observando que “Vão ver quando lá estiverem, e alguns de vós já lá estiveram, vão ver -” Foi uma admissão de que as forças dos EUA já estão a funcionar dentro da Ucrânia, apesar de a Casa Branca ter rapidamente efectuado o controlo dos danos, afirmando que o presidente continua a opor-se a que os soldados americanos estejam directamente envolvidos nos combates. Biden alegou também que os EUA estavam a trabalhar para “impedir que o massacre [dos ucranianos] continuasse”. Mais uma vez, a linguagem mal foi concebida para criar algum espaço para um possível alojamento com a Rússia para negociar o fim dos combates.

E agora há um relatório do New York Times intitulado “A rede de comando coordena o fluxo de armas na Ucrânia, oficiais dizem: Uma operação secreta envolvendo as forças de Operações Especiais dos EUA insinua a escala do esforço para ajudar os militares ucranianos ainda em desvantagem”.

O artigo descreve um papel mais activo dos EUA na Ucrânia do que a Administração Biden tem estado disposta a admitir publicamente. Em fevereiro, antes de intervir na Ucrânia, os EUA teriam retirado os seus próprios 150 instrutores militares, muitos dos quais estavam a treinar soldados ucranianos em armas de produção americana recentemente adquiridas. No entanto, alguns agentes paramilitares da Agência Central de Inteligência (CIA) e tropas de operações especiais continuaram o seu serviço no país em segredo, dirigindo a maior parte do fluxo de informações que os EUA estão a partilhar com as forças ucranianas. Além disso, soldados das operações especiais dos aliados da NATO de Washington têm vindo a gerir o movimento de armas e equipamento para a Ucrânia e a fornecer alguma formação especializada. Também tem sido noticiado que os comandos britânicos da SAS estão de facto a guardar o presidente Volodymyr Zelensky. O New York Times especifica, citando oficiais americanos e outros oficiais ocidentais, que os soldados e oficiais da CIA não se encontram actualmente na linha da frente com as tropas ucranianas. Também segundo o Times, embora os EUA e os estados membros da NATO não tenham reconhecido a presença dos seus soldados paramilitares em funções operacionais na Ucrânia, Rússia e outros serviços de informação em todo o mundo estão cientes disso.

O relatório do NYT parece ser geralmente correcto, embora omita alguns pormenores, alguns dos quais tenho ouvido de antigos colegas dos serviços de informação. Tem havido uma considerável formação explícita na base do exército alemão em Grafenwoehr, bem como na Base Aérea norte-americana Ramstein, para familiarizar os ucranianos com as novas armas que chegam. Outros países da NATO estão também a participar no treino. Entretanto, os quadros de soldados de operações especiais e pessoal dos serviços secretos que operam principalmente na Ucrânia ocidental não estão uniformizados e muitos deles estão a trabalhar sob várias designações de cobertura, incluindo por vezes filiações soltas com embaixadas estrangeiras e ONGs. Há também uma estação convencional da CIA, um grupo da Agência Nacional de Segurança e um gabinete da Adida Militar na recém reaberta embaixada dos EUA em Kiev.

Tudo isto significa que Biden e outros líderes ocidentais têm vindo a dissimular a sua participação activa no conflito Rússia-Ucrânia. Para além da sua possível gafe, Biden não admitirá que já existem botas americanas no terreno, mas elas estão lá e estão a desempenhar um papel importante tanto na logística como na partilha de informações. A potencial desvantagem para o presidente poderá vir quando alguns destes soldados em mufti forem mortos ou, pior ainda, capturados e começarem a falar sobre o seu papel.

A tenente-coronel reformada da Força Aérea dos EUA, Karen Kwiatkowski, antiga analista do Departamento de Defesa dos EUA, observa que o destacamento de pessoal plausivelmente não uniformizado “é completamente típico das fases iniciais de uma longa guerra apoiada pelos EUA, e de uma manipulação política a longo prazo do país alvo. Este é o futuro que os “estrategas” neoconservadores em Washington DC e os seus aliados britânicos e europeus imaginam para a Ucrânia. Em vez de uma conclusão negociada, com um novo papel ucraniano como país neutro e produtivo, independente das influências políticas tanto russas como americanas, o governo dos EUA e a CIA vêem a Ucrânia como uma satrap dispensável mas útil na sua competição com a Federação Russa”.

O antigo analista da CIA, Larry Johnson, vê a actividade em termos muito claros, ao mesmo tempo que comenta que a CIA não ganhou uma guerra insurreccional semi-clandestina em quarenta anos. Ele observa que

“… a Ucrânia é um procurador; o Ocidente está a tentar destruir a Rússia, é tão simples quanto isso. Uma coisa seria se a Rússia fosse o regime mais maléfico, opressivo e autoritário do mundo. Não está nem perto disso. Mesmo que o Ocidente continue a tentar retratar a Rússia como tal. O facto é que o Ocidente quer os recursos que a Rússia tem e quer controlar a Rússia. [Mas] a Rússia não está prestes a ser controlada”.

Por outras palavras, Washington pode estar à procura de uma guerra sem fim entrelaçando a Rússia e limitando as suas opções a nível global. A administração Biden apostou a sua reputação e o seu possível futuro político em permitir à Ucrânia sobreviver sem sucumbir às exigências territoriais russas. Trata-se de uma política arriscada e até perigosa, tanto em termos práticos como políticos. A persistência dos ucranianos na sua defesa é em grande parte um produto dos EUA e da Europa Ocidental garante que eles farão tudo o que for necessário para apoiar Zelensky e o seu regime, que já está à procura de 750 mil milhões de dólares em ajuda para “reconstrução”. Se as baixas militares ocidentais começarem a surgir, o apoio político à guerra da Ucrânia começará a desvanecer-se em Washington e noutros locais e haverá consequências nas próximas eleições americanas a meio do período, em novembro.

Um comentário final sobre a peça do Times é em resposta à questão de saber por que razão ela apareceu no momento actual. Os principais meios de comunicação social têm sido líderes de no apoio agressivo dos EUA à Ucrânia e Zelensky, mas agora começa a afastar-se dessa posição, tal como o Washington Post e outros meios de comunicação social. Talvez estejam a ficar convencidos de que o plano de jogo promovido por Washington e os seus aliados europeus dificilmente será bem sucedido a um grande custo para as respectivas economias. Larry Johnson coloca a questão desta forma:

“Penso que o objectivo deste artigo que sai agora é apenas o de lançar as bases para que não possamos ou não devamos colocar mais pessoal militar dos EUA ou mesmo pessoal da CIA dentro da Ucrânia porque continuar a colocar pessoal dos EUA… dentro da Ucrânia para treinar está a tornar-se demasiado arriscado devido ao sucesso da Rússia no campo de batalha”.

Poder-se-ia também acrescentar que é excepcionalmente perigoso. Um passo em falso ou mesmo uma bandeira falsa deliberada vinda de qualquer dos lados poderia facilmente fazer com que a guerra se tornasse nuclear.

Imagem de capa por 7th Army Training Command sob licença CC BY 2.0

Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Unz Review


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Philip Giraldi
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply