A Cisjordânia está quase a explodir

Steven Sahiounie

Jornalista premiado especializado no Médio Oriente


Hamas, Fattah, a Frente Popular de Libertação da Palestina, a OLP, e outros assinaram um acordo que resolve uma disputa política de 15 anos


Há uma batalha fermentando na Cisjordânia ocupada da Palestina. Milhares de forças de ocupação israelitas serão destacadas para enfrentar uma força de resistência crescente. Os “nativos estão inquietos” e o Covil dos Leões mobilizou-se para lutar pela sua liberdade e direitos humanos.

Está em curso uma batalha na Cisjordânia ocupada da Palestina. Milhares de forças de ocupação israelitas serão destacadas para enfrentar uma força de resistência crescente. Os “nativos estão inquietos” e o Covil dos Leões mobilizou-se para lutar pela sua liberdade e direitos humanos.

500.000 colonos judeus ilegais vivem agora na Cisjordânia, em cerca de 130 colonatos. Hoje [21 de Outubro], as forças israelitas disseram que dezenas de colonos correram através do Hawara, perto de Nablus, atirando pedras a carros palestinianos. Os colonos usaram gás pimenta no comandante israelita, bem como noutro soldado, e pulverizaram outros dois soldados num posto de controlo próximo. Os colonos podem intimidar os palestinianos e destruir os seus bens, enquanto os palestinianos são perseguidos e mortos pelas forças de ocupação israelitas.

A juventude palestiniana cresceu sob uma ocupação militar brutal e um Estado de apartheid. A resistência em Jenin, Nablus e Hebron tem inspirado rebeliões contra cercos e ataques. O povo palestiniano que vive sob a mão de ferro da opressão está pronto a combater a ocupação israelita e está frustrado com a sua liderança que é vista como colaborando com os israelitas na manutenção do status quo com firmeza. O movimento de resistência não vê qualquer benefício em manter a ocupação e exige uma mudança dramática no seu futuro.

A juventude palestiniana rejeita as divisões entre as facções na política da Palestina. O recente acordo de unidade na Argélia deu-lhes esperança de que os partidos políticos possam trabalhar juntos em brigadas como o Covil dos Leões, que tem combatentes do Hamas, Fatah, e outros que lutam juntos por um único objectivo de liberdade.

A 11 de Outubro, um soldado israelita foi morto num ataque a norte de Nablus, e dois outros ataques com tiros contra as forças israelitas tiveram lugar em Beit Ummar, perto de Hebron, e em Sur Baher, um bairro em Jerusalém.

A 14 de Outubro, as forças israelitas mataram Mateen Dabaya, de 20 anos, numa rusga ao campo de refugiados de Jenin. O Dr. Abdallah Abu Teen, 43 anos, correu em auxílio de Dabaya em frente ao hospital de Jenin e também foi baleado e morto pelos israelitas na sua tentativa de dar assistência médica ao jovem ferido. Dois paramédicos palestinianos e vários civis foram também feridos no ataque dos israelitas à entrada do hospital.

A 15 de Outubro, um palestiniano na casa dos vinte anos foi morto a norte de Ramallah, e as forças israelitas invadiram Nablus e prenderam um homem palestiniano enquanto continuavam a impor restrições de movimento aos palestinianos na Cisjordânia, o que é a marca de um Estado do apartheid.

A 16 de Outubro, Mohammad Turkman, 20 anos, morreu das suas feridas enquanto se encontrava sob custódia israelita. Tinha sido ferido e capturado pelas forças israelitas em Jenin, em finais de Setembro.

A 20 de Outubro, Mohammed Fadi Nuri, 16 anos, morreu após ter sido baleado no estômago no mês passado pelas tropas israelitas perto da cidade de Ramallah.

O campo de refugiados Shuafat em Jerusalém é completamente selado num cerco pelas forças israelitas como forma de castigo colectivo na sequência de um ataque ali perpetrado, e a polícia israelita anunciou que prendeu recentemente 50 palestinianos em Jerusalém.

Riyad Mansour, o representante da Palestina na ONU, denunciou os ataques das forças de ocupação israelitas e exortou a ONU a cumprir o direito internacional e as resoluções do Conselho de Segurança. Mansour observou que as forças israelitas e as milícias colonizadoras “assediam, intimidam e provocam o povo palestiniano de forma implacável”, e condenou o novo ataque contra a cidade de Jenin

Os EUA permitem que Israel continue a ser um Estado de apartheid

Os Estados Unidos da América, o campeão da liberdade e da democracia, está actualmente a enviar milhares de milhões de dólares de armas para a Ucrânia para lutar pela democracia. Mas, não verão os EUA a enviar uma bala aos palestinianos para a sua luta pela democracia. Os EUA são também os campeões da “duplicidade de critérios”.

De acordo com os vários grupos internacionais de direitos humanos, frequentemente citados pelos EUA como prova de crimes de guerra e atrocidades por inimigos americanos, o Estado judaico de Israel é um Estado de apartheid. Os EUA e os seus aliados liberais ocidentais foram os principais críticos do antigo Estado de apartheid da África do Sul, e a crítica ocidental ajudou a realizar os sonhos de liberdade e democracia na terra de Nelson Mandela.

Os EUA são como um pai que permite a Israel continuar o seu comportamento auto-destrutivo. Alguns pais de adolescentes toxicodependentes vão comprar drogas para os seus filhos, para os protegerem do perigo e da prisão. Os pais não estão dispostos a passar pelo tortuoso procedimento de reabilitação da criança, pelo que minimizam o perigo e tornam a toxicodependência tão segura quanto possível. Isto é sabido como sendo capacitante, e este é o papel que os EUA escolheram para si próprios na sua relação com Israel e a Palestina. Por um lado, os EUA afirmam apoiar as aspirações democráticas de todos os povos, mas não estão dispostos a fazer frente às políticas israelitas de racismo, punição colectiva, bloqueios, prisão sem julgamento ou assistência jurídica, e outros crimes perpetrados contra o povo palestiniano sob ocupação. A posição favorável dos EUA é destrutiva tanto para os EUA como para os palestinianos, uma vez que a reputação da América sofre de ridicularização e vergonha globais.

Acordo de unidade palestiniana

A unidade árabe pode ser pedir demais, mas a unidade palestiniana foi acordada na Argélia. Hamas, Fattah, a Frente Popular de Libertação da Palestina, a OLP, e outros assinaram o acordo mediado pelo presidente argelino Abdulmajeed Tabboune. Este acordo resolve uma disputa política de 15 anos entre as várias facções e aguarda com expectativa novas eleições.

“Jenin demonstrou aos líderes [palestinianos] reunidos na Argélia que a unidade nacional é construída no terreno”, disse o primeiro-ministro palestiniano Mohammad Shtayyeh.

Porque é que a Cisjordânia está a resistir?

A Autoridade Palestiniana perdeu o controlo em Nablus e Jenin, na Cisjordânia. Os palestinianos vêem a sua liderança como uma extensão do controlo e da opressão israelita. O Covil dos Leões em Nablus reivindicou a responsabilidade pelas últimas operações de resistência contra as forças de ocupação israelitas.

A 16 de Outubro, a Brigada Jenin anunciou que apoiará a Cova dos Leões na sua resistência à ocupação, o que levantou a perspectiva de um aumento das rusgas israelitas a Jenin e Nablus.

Benny Gantz, ministro da Defesa israelita, banalizou a ameaça do Covil dos Leões quando fez declarações sobre a forma como as suas forças de ocupação irão capturar e eliminar os membros. Israel tem dependido das divisões entre as facções palestinianas. No entanto, Israel nunca antes enfrentou uma força unificada de jovens motivados que estão dispostos a morrer pela liberdade e uma oportunidade de criar um novo futuro para si próprios e para as suas famílias. As revoluções por vezes são bem sucedidas.

De acordo com o Ministério da Saúde palestiniano, mais de 170 palestinianos foram mortos na Cisjordânia e em Gaza, desde o início de 2022, tornando este ano o ano mais mortífero desde 2015.

A proposta da embaixada do Reino Unido

Justin Welby, arcebispo de Cantuária, e o cardeal Vincent Nichols, arcebispo de Westminster, manifestaram ambos preocupação com a proposta de mudança da embaixada do Reino Unido de Tel Aviv para Jerusalém. Liz Truss, a primeira-ministra britânica em conflito, propôs a ideia na sua reunião com o primeiro-ministro israelita Yair Lapid no mês passado.

O papa Francisco, as igrejas britânicas, e as 13 denominações de cristãos em Jerusalém sempre mantiveram uma posição de apoio a uma resolução da ONU para uma solução de dois estados entre Israel e a Palestina, em primeiro lugar, e, em segundo lugar, um estatuto final de Jerusalém a ser decidido posteriormente. Anteriormente, os cristãos de Jerusalém declararam-se preocupados com a deslocação de embaixadas para Jerusalém:

“Estamos certos de que tais medidas produzirão um aumento do ódio, conflito, violência e sofrimento em Jerusalém e na Terra Santa, afastando-nos ainda mais do objectivo da unidade e aprofundando a divisão destrutiva”.

Truss quis seguir os passos do presidente Trump, que desafiou o direito internacional quando transferiu a embaixada dos EUA para Jerusalém. O plano de Truss foi sugerido pela primeira vez na sua carta aos Amigos Conservadores de Israel (CFI), um grupo de pressão pró-Israel, semelhante ao da AIPAC pró-Trump nos EUA.

Austrália inverte a sua posição sobre a mudança da embaixada

A ministra australiana dos Negócios Estrangeiros Penny Wong anunciou que a Austrália inverteu o seu reconhecimento de Jerusalém Ocidental como a capital de Israel.

Wong disse também aos repórteres que “o governo australiano continua empenhado numa solução de dois estados em que Israel e um futuro Estado palestiniano possam coexistir em paz e segurança dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas. Não apoiaremos uma abordagem que comprometa esta perspectiva”.

Imagem de capa por Joe Catron sob licença CC BY-NC 2.0


Peça traduzida do inglês para GeoPol desde Strategic Culture


Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você achar justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Instagram, Telegram e VK

Autor

Steven Sahiounie
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply