Afeganistão um ano depois: O Ocidente não perdeu a guerra, na verdade

Martin Jay

Jornalista de Política Internacional


A verdadeira história do Afeganistão pode realmente ser encontrada na Ucrânia, uma vez que as semelhanças são impressionantes


Os especialistas dos meios de comunicação social ocidentais misturam-se para organizar os clichés sobre como o Ocidente sofreu uma derrota militar no cemitério dos impérios. A verdadeira razão pela qual a América foi para lá, em primeiro lugar, foi na realidade nada teve a ver com a luta contra os talibãss.

Um ano após os talibãs terem assumido o controlo do Afeganistão depois do Ocidente ter saído do país de uma forma tão desesperada, as raparigas são proibidas de frequentar o ensino secundário, muitas mulheres não conseguem trabalhar, e mais de 90 por cento das famílias não têm o suficiente para comer. Nas últimas semanas, porém, os meios de comunicação ocidentais concentraram-se na última queixa dos EUA sobre o país: se as armas, aviões, tanques e veículos americanos deixados ali acabariam no campo de batalha utilizado contra soldados ucranianos e mercenários ocidentais.

Neste aniversário do maior fracasso do mundo ocidental e certamente o último prego no caixão da sua hegemonia aparente, os jornalistas ocidentais agarram os seus computadores portáteis e desvendam os clichés pouco edificantes sobre o estado do país, enquanto as famílias das vítimas dizem a Joe Biden que é moralmente repugnante para ele ficar com o dinheiro – 7 mil milhões de dólares detidos em bancos de Nova Iorque – que é propriedade do governo do Afeganistão.

Alguma vez teve a sensação de que a verdadeira história do Afeganistão é algo que terá de esperar um par de décadas, pelo menos, pela morte de pessoas-chave e pela divulgação de documentos que mostrem quais eram os verdadeiros objectivos do Ocidente – e por que razão deixou no caminho e, na altura, que o fez?

Para que a verdade surja, que poucos críticos ocidentais conhecem e menos ainda querem escrever, temos de voltar ao início da história, que não é em 2001, quando as torres gémeas se despenharam do que nos é dito, devido ao combustível da aviação de dois jactos que derretem as vigas de aço da estrutura. Temos de voltar a 1991, quando George Bush senior tomou posse, um homem do petróleo do Texas, e foi pressionado por uma companhia petrolífera californiana chamada Unocal, que tinha grandes planos de construir um enorme gasoduto que se estendia desde o Turquemenistão, passando pelo Afeganistão, até finalmente ao Paquistão. Bush e os seus amigos, como Cheney, viram a possibilidade de explorar 6 bliões de dólares ($6 trillion) de gás natural com este projecto, que poderia funcionar em conjunto com um segundo projecto colossal americano na região, que também atravessou o Afeganistão e se estendeu desde a Índia até à costa mediterrânica. Ambos os grandes projectos se complementariam e, para além de quebrar a dependência americana de petróleo e gás do Médio Oriente, tornariam também, sem dúvida, muito ricos aqueles que conseguiram um tal acordo. O segundo projecto foi o plano de ninguém menos que a Enron, cuja relação corrupta com a família Bush é uma lenda.

Mas as relações corruptas com actores corruptos – e o seu dinheiro sujo – é o cerne da história.

Durante todo o mandato de Bush pai, ele não assinou o acordo com o único grupo no Afeganistão de que precisava, tanto para a segurança do oleoduto como para a única região do país (Kandahar, no sul do Afeganistão) onde alguns acreditavam que poderia atrair enormes quantidades de gás e petróleo: os talibãs.

Nenhum presidente dos EUA pensa que só permanecerá no cargo um mandato. Bush pai não conseguiu levar o acordo por diante como negociações com este grupo – que controlava grande parte do país mesmo antes de chegarem ao poder oficialmente – e por isso foi deixado a Clinton fazer o seu melhor. Em 1997, Clinton que tinha estado a cortejar o governo talibã depois da queda de Cabul em 96, convidou uma delegação talibã, trajando roupas tradicionais, a visitar o Texas e, finalmente, a própria Casa Branca. Com efeito, os talibãs foram duas vezes, no mesmo ano, às compras e visitas a jardins zoológicos.

O bombardeamento das embaixadas dos EUA no Quénia e na Tanzânia em 1998 proporcionou um breve alívio à tentativa americana de aconchegar os talibãs, impelida pelos sauditas que rapidamente assinalaram que seria útil na região ter relações cordiais com um regime tão anti-Irão.

E assim Clinton continuou finalmente a insistir no acordo, apesar do facto de a Al Qaeda estar a ser acolhida pelos talibãs. De facto, alguns acreditam mesmo que Bin Laden era também um alvo chave do grupo de pressão. Dado o que sabemos agora sobre Clinton, será possível que o clã Bush tivesse algo sobre ele, envolvendo Epstein?

Ainda assim, o acordo não pôde ser alcançado, até mesmo quando os talibãs estavam no poder em agosto de 2001, quando a administração de G. W. Bush estava a negociar com eles, até ao 11 de setembro. De facto, ainda em julho de 2001, Christina Rocca, a secretária de Estado adjunta dos EUA para o Sul da Ásia, encontrou-se com funcionários talibãs em Islamabad e anunciou 43 milhões de dólares em ajuda alimentar e abrigo, elevando para 124 milhões de dólares os EUA tinham dado ao chamado Estado pária, aparentemente ligado aos bombardeamentos da embaixada dos EUA.

Os teóricos da conspiração afirmam que o ataque às Torres Gémeas foi provocado pela Mossad, que queria que o Ocidente fosse mais solidário com os ataques aos grupos islâmicos hardcore no Médio Oriente. Se George W. Bush tivesse conhecimento de tal conspiração, certamente que ele e Cheney a usariam então como pretexto para entrar no Iraque e no Afeganistão para perseguir a sua ânsia por petróleo e gás gratuitos?

Há até provas de que os americanos trabalharam com Bin Laden até esse ponto, o que apenas corrobora a afirmação de que o 11 de setembro foi um trabalho interno.

Em poucos dias, George W. Bush, cujas despesas eleitorais foram subscritas pelo CEO da Enron na quantia de 600.000 USD, anunciou uma invasão. E as tropas americanas não perderam tempo em construir uma base, curiosamente, na localização do país por onde os oleodutos e gasodutos teriam de passar, possivelmente dando um pontapé de saída: em Kandahar.

O problema para os americanos era que eles não queriam construir infra-estruturas no Afeganistão, que era o que os talibãs pediam; nem queriam que o gasoduto desse gás à população local dentro do país. Os 100 milhões de dólares por ano que os talibãs tinham pedido, simplesmente para o gasoduto funcionar, eram provavelmente exequíveis – mas que não podiam ser provenientes dos cofres dos contribuintes americanos. Mas eles sabiam que haveria problemas com o oleoduto em Kandahar.

O ataque às Torres Gémeas deve ter tido directores da Unocal a abrir champanhe. Certamente este era o momento por que George W. esperava para apaziguar a ânsia de vingança do povo americano e para entrar no Afeganistão, ao mesmo tempo que expulsava os talibãs.

O primeiro acordo, envolvendo a Unocal – que tinha uma série de parceiros impressionantes, incluindo os sauditas – podia ir em frente. Tudo o que foi necessário depois da queda do governo talibã foi assegurar o perímetro de toda a região com equipamento militar e soldados para proteger o investimento. Antes do 11 de setembro, ambos os presidentes Bush estavam a considerar pagar milhões aos talibãs para proteger os seus interesses. Agora, George W. estava a rir-se até ao limite do banco, pois conseguia que o petróleo e o gás atravessassem a região sem gastar um centavo pela segurança – o que seria pago pelos contribuintes americanos, pois os soldados americanos perderiam as suas vidas neste cemitério em massa durante duas décadas a lutar por um mega-acordo da família Bush.

No entanto, poucos dias após a tomada do poder pelos americanos no Afeganistão, Bush júnior marcou um encontro que deveria ter levantado as sobrancelhas entre os jornalistas americanos.

Nomeou um antigo assessor da companhia petrolífera americana Unocal, Zalmay Khalilzad, nascido no Afeganistão, como enviado especial para o Afeganistão, o que lhe diz tudo o que precisa de saber sobre a razão pela qual a América foi para o Afeganistão em primeiro lugar.

A nomeação foi anunciada a 31 de dezembro, nove dias após o governo provisório de Hamid Karzai, apoiado pelos EUA, ter tomado posse em Cabul e ter mostrado claramente quais eram as prioridades: interesses económicos e financeiros agora ricos por terem escolhido uma vez que a intervenção militar dos EUA na Ásia Central criou raízes.

Como conselheiro da Unocal, Khalilzad elaborou uma análise de risco de uma proposta de gasoduto do Turquemenistão através do Afeganistão e Paquistão até ao Oceano Índico. Este foi o mesmo Khalilzad que iniciou as conversações entre a companhia petrolífera e funcionários talibãs em 1997, após um acordo de 1995 para a construção do gasoduto através do Afeganistão ocidental ter caído por terra.

Mas será que os americanos, a dada altura, acreditaram que o próprio sul do Afeganistão poderia ser um bom local para a exploração de petróleo e gás?

Talvez parte da estratégia a longo prazo no Afeganistão fosse dominá-lo e construir um muro em torno da província de Kandahar de modo a extrair os seus recursos – um objectivo que inevitavelmente nunca foi alcançado, dado que os talibãs também conheciam o valor da região e o que os americanos estavam a tramar. Esta é realmente a principal razão pela qual os americanos permaneceram tanto tempo quanto acreditaram erradamente, que quando um ponto de viragem pudesse ser alcançado, o acordo energético poderia começar. Parte desse negócio obscuro envolvia subornar e pagar a muitas pessoas – ou, no mínimo, permitir que figuras poderosas continuassem a sua extracção de ópio do país para encherem os seus próprios bolsos. O objectivo era sempre petróleo barato, se não de graça.

O ápice desta grande ideia – e o mesmo no Iraque – foi atingido por volta de 2010, sob Obama, que tinha desistido de qualquer ideia de assegurar um oleoduto ainda por construir e começou a reduzir o número de tropas tanto no Iraque como no Afeganistão, sabendo muito bem que os EUA não estavam a conseguir nada mais do que construir o apoio de base dos talibãs.

É o mesmo objectivo no Iraque e mesmo no Irão, onde os americanos sonham um dia em colher lucros do petróleo e do gás, como a Grã-Bretanha e a América fizeram nos velhos tempos que antecederam a revolução que começou em 1979. Aqueles que provam ser difíceis e resistem aos esforços da América para obter petróleo gratuito – Líbia, Irão e Síria, por exemplo – são imediatamente estigmatizados como estados malfeitores. Naturalmente.

Os poucos artigos que marcam o aniversário da retirada do Ocidente do Afeganistão servem apenas para oferecer ao público crédulo uma cortina de fumo, com as referências incongruentes à “derrota” militarmente e à apanhada por cima dos ossos de onde e quando tudo correu mal. Mas na realidade, isto é falso. A “derrota” não foi de facto militar, mas mais ideológica e comercial. O país durante a melhor parte de vinte anos foi utilizado para conter dinheiro sujo utilizado para pagar a terroristas na Síria e noutros lugares e o novo regime não ia claramente permitir que este negócio continuasse. É também inconcebível que os milhares de milhões feitos a partir da exportação de heroína não fossem possíveis sem a ajuda da DEA e da CIA naquilo a que se chama “carregamentos controlados de droga”, outra forma limpa dos países ocidentais pagarem organizações terroristas, bandos criminosos ou ditaduras fascistas por ajudarem o Tio Sam. Para a elite no Afeganistão, que precisa de obter regularmente centenas de milhões de dólares, precisariam de uma pequena ajuda dos seus amigos americanos.

De facto, a saída abrupta de Ashraf Ghani, o presidente carregando centenas de milhões de dólares em malas a bordo de um helicóptero, foi um indicador de que a lavagem de dinheiro parou abruptamente quando os talibãs pareciam estar prontos para entrar na capital. Não tanto a “arte do negócio”, mas mais “o fim do negócio”. Todas as apostas foram canceladas.

A corrupção entre o complexo militar industrial e uma sucessão de presidentes americanos – e as suas cabalas – naturalmente também terminou no mesmo dia, o que, a meu ver, explica porque é que a Ucrânia se tornou o novo local para o dinheiro sujo, feito através da venda de armas. A verdadeira história do Afeganistão pode realmente ser encontrada na Ucrânia, uma vez que as semelhanças são impressionantes. Dinheiro sujo, venda ilícita de armas e branqueamento de dinheiro proveniente do subproduto. No Afeganistão, os americanos perderam quase 300 milhões de dólares por dia, gastos em grande parte em equipamento militar. Se perguntarmos aos que estão na cabala de Cheney e Bush junior se o Ocidente “perdeu” o Afeganistão, seria difícil para eles concordarem com esta analogia, uma vez que todas as coisas boas devem chegar ao fim. O Afeganistão foi em muitos aspectos um marco pungente onde se tornou mais claro que a América tinha transferido a sua gravita política de uma base de moralidade para uma de ganância e enxerto nos campos de batalha de Kandahar onde mais de 2.000 soldados americanos foram mortos como cordeiros enquanto muitas pessoas no círculo Bush ficaram muito, muito ricas de facto.

Imagem de capa por ResoluteSupportMedia sob licença CC BY 2.0


Artigo traduzido do inglês para GeoPol desde Strategic Culture

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Martin Jay
Latest posts by geopol.pt (see all)

Leave a Reply