Site icon

As relações entre a Turquia e a Grécia continuam a deteriorar-se

Vladimir Odintsov

Por Vladimir Odintsov

Agora muitas organizações na Turquia aderem a tal política pan-túrquica e são apoiadas pelo governo, que se prepara para as eleições a realizar em 2023, bem como para a celebração do 100º aniversário do estabelecimento da República Turca


A disputa territorial que se arrasta há décadas entre os dois países membros da NATO, a Turquia e a Grécia, não só não está a abrandar, como, infelizmente, está a ganhar uma dinâmica constante. Os países apresentam regularmente reclamações um contra o outro, incluindo disputas sobre fronteiras marítimas e espaço aéreo no Mediterrâneo Oriental.

Nos últimos meses, as tensões entre os dois países voltaram a aumentar após a Turquia ter apresentado à Grécia outra reclamação relativa à militarização das ilhas do Mar Egeu. O chefe da diplomacia turca, Mevlüt Çavuşoğlu, emitiu um ultimato no final de Maio: as ilhas gregas no Mar Egeu devem ser desmilitarizadas, caso contrário, a “questão da sua propriedade” aparecerá na ordem do dia. Segundo a Turquia, a Grécia está a violar os termos de dois acordos de paz – o Tratado de Lausanne (1923) e o Tratado de Paz de Paris (1947), segundo os quais a Grécia recebeu um grupo de ilhas no Mar Egeu, comprometendo-se a não permitir a sua militarização. O chefe do Partido do Movimento Nacionalista Turco, Devlet Bahçeli, um aliado próximo do presidente Recep Tayyip Erdoğan na coligação, falou de uma forma não menos acutilante. “Os bens que nos foram roubados devem ser devolvidos”, salientou Bahçeli, referindo-se claramente às ilhas disputadas no Mar Egeu, e acrescentou que isto poderia ser feito “amigavelmente ou com o uso da força”.

Por sua vez, a Grécia acusa a Turquia de provocações e teme “ameaças híbridas visando a desestabilização interna” em zonas limítrofes da Turquia. Em particular, o lado grego queixa-se do aumento do fluxo de imigrantes ilegais que entram na UE através da fronteira entre a Turquia e a Grécia. E embora exista agora uma vedação de 40 km ao longo da fronteira, a Grécia já solicitou à UE um financiamento adicional para alargar estas barreiras até 120 km, como o ministro para os Assuntos Migratórios Panagiotis Mitarakis declarou recentemente. Além disso, a Grécia acusa a Turquia de violações do espaço aéreo grego e de voos de aviões militares turcos sobre ilhas gregas, bem como uma retórica agressiva. Estas acusações, como o jornal grego Proto Thema assinalou no final de maio, citando fontes do governo grego, foram discutidas em pormenor na reunião bilateral de maio do primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis com o chanceler alemão Olaf Scholz.

Esta disputa foi continuada por toda uma série de declarações em voz alta sobre as relações greco-turcas. Em particular, em junho, o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, após acusar Mitsotakis de exercer pressão sobre os Estados Unidos a fim de bloquear a venda de aviões de caça F-16 à Turquia, suspendeu os contactos bilaterais e prometeu não voltar a realizar reuniões com Mitsotakis. A razão de uma reacção tão forte por parte de Erdoğan foram as declarações do chefe do governo grego durante a sua viagem aos Estados Unidos em maio deste ano. De acordo com o líder turco, Mitsotakis falou abertamente contra a Turquia e apelou ao Congresso dos EUA para que proibisse a venda de aviões de caça F-16 americanos à Turquia. Foi claramente sob a influência da posição expressa da Grécia que o Comité de Regras da Câmara dos Representantes dos EUA votou em meados de julho para incluir a emenda do democrata Chris Pappas no The National Defense Authorization Act (NDAA) para o ano fiscal de 2023. Esta emenda proíbe a venda à Turquia de aviões de combate F-16 ou kits para a modernização destes veículos de combate “a menos que certas condições sejam cumpridas” e exige que o presidente americano “tome medidas especiais para assegurar que os F-16 fornecidos não sejam utilizados pela Turquia para voos não autorizados sobre o território da Grécia”. A posição anti-grega da Turquia foi também reforçada pelo facto de, entretanto, o chefe do Estado-Maior General da Defesa Nacional Helénica, Konstantinos Floros, ter visitado a empresa Lockheed Martin Defense Corporation nos Estados Unidos e a linha de produção da quinta geração de caças multifunções F-35 que a Grécia pretende comprar, e que os EUA se recusam a vender à Turquia.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Grécia, Nikolaos Dendias, falando na Comissão Permanente de Defesa Nacional e Negócios Estrangeiros do Parlamento Grego, a 13 de julho, salientou a rejeição da Grécia da demonstração do mapa em que várias ilhas gregas no Mediterrâneo Oriental foram designadas como turcas pelo parceiro da coligação Junior do presidente turco Recep Tayyip Erdoğan Devlet Bahçeli, que é o líder do Partido do Movimento Nacionalista.

Ao mesmo tempo, é de recordar que não é a primeira vez que Devlet Bahçeli, perseguindo os objectivos abertamente nacionalistas do seu partido, introduz disputas territoriais nas relações da Turquia com outros países nas costas do Erdoğan. Por exemplo, em novembro do ano passado, publicou uma fotografia sua perto do “Mapa do Mundo Turco”, na qual quase duas dúzias de regiões da Federação Russa, desde o Daguestão e a região de Orenburg até Altai e Yakutia, são designadas como terras túrquicas.

Ao mesmo tempo, por iniciativa de representantes de partidos e associações nacionalistas turcas, as ambições territoriais da Turquia têm-se manifestado cada vez com mais frequência nos últimos tempos. Por exemplo, em fevereiro do ano passado, foi apresentada uma história no canal de televisão turco TRT1, na qual o apresentador demonstrou os territórios que “farão parte da Turquia até 2050”. Entre estes territórios estrangeiros foram nomeados, em particular, não apenas territórios russos (as regiões de Rostov, Volgograd, Astrakhan, Saratov, Samara, Chuvashia, Chechénia, Dagestão, Adygea, Ossétia do Norte, Crimeia, Sevastopol, os territórios de Krasnodar e Stavropol), mas também a Grécia, Arménia, Chipre, Geórgia, Abcásia, Ossétia do Sul, Azerbaijão, Egipto, Líbia, assim como a Península Arábica e a maior parte da Ásia Central. A propósito, foi esta onda pan-turquista, ou seja, a ideia de criar um grande império, que levou os turcos de volta ao lado do bloco alemão, como parte do qual participaram na Primeira Guerra Mundial, o que resultou no colapso do império.

Agora muitas organizações na Turquia aderem a tal política pan-túrquica e são apoiadas pelo governo, que se prepara para as eleições a realizar em 2023, bem como para a celebração do 100º aniversário do estabelecimento da República Turca no próximo ano. Para este fim, a Turquia continua a reforçar a sua posição sobre questões regionais e globais, reforçando, entre outras coisas, as críticas à Grécia em violação deliberada do Tratado de Paz de Lausanne. Em particular, na sua mensagem por ocasião do 99º aniversário da assinatura do Tratado de Paz de Lausanne, o líder turco recordou que graças a este tratado foi possível designar as fronteiras terrestres da Turquia, garantir os direitos da minoria nacional turca na Grécia, e também confirmar o estatuto desmilitarizado das ilhas gregas próximas da costa turca. Segundo ele, a Turquia não pode aceitar o facto de que a Grécia, violando as disposições deste documento, contradiga os princípios da boa vizinhança e do compromisso com os acordos.

Considerando tudo isto, seria insensato esperar uma redução da intensidade da animosidade entre a Turquia e a Grécia a qualquer momento.

Imagem de capa por Anestis Anestis sob licença CC BY-NC-ND 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Exit mobile version