Site icon

Lei de Macron para “aumentar o poder de compra” – A agenda neoliberal continua na França

Sebastian Chwala

Por Sebastian Chwala

Depois de perder a maioria parlamentar para a aliança eleitoral, o presidente francês Emmanuel Macron, “Ensemble pour la majorité présidentielle” (Juntos por uma Maioria Presidencial), enfrenta um grave problema. Os “macronitas” precisam de votos emprestados de outros grupos parlamentares para poderem implementar os seus projectos legislativos. O primeiro pacote legislativo de Macron, que entre outras coisas prometia aos franceses um alegado aumento do seu poder de compra, foi aprovado esta semana. O presidente francês pôde contar com os votos do Rassemblement National de Le Pen


Nos meios de comunicação social alemães, a lei Macron para aumentar o poder de compra foi notada, mas a reportagem foi reduzida, na melhor das hipóteses, à abolição das taxas de radiodifusão para a televisão estatal, o que foi finalmente decidida. Na verdade, porém, foi uma primeira prova de força entre o parlamento e os “macronitas” e mostrou que verdadeiras linhas de frente existem entre o governo nomeado por Macron e as facções individuais. É impressionante que apenas a aliança de esquerda NUPES tenha levantado consistentemente a questão social e quis tornar os especuladores do custo de vida em explosão socialmente responsáveis. Em contraste, os ultradireitista na forma do Rassemblement National (RN), que foi maciçamente reforçado nas eleições parlamentares, desempenharam o papel esperado e declararam o seu apoio ao modelo neoliberal de Macron.

O poder de compra não será reforçado – o foco está na competitividade

O anúncio de uma lei para reforçar o poder de compra era a única promessa concreta com que a “maioria presidencial” se tinha deixado levar na campanha eleitoral parlamentar, que mal se realizava. Por conseguinte, os projectos para esta lei eram aguardados com expectativa. É certo que o projecto de lei estava inteiramente de acordo com a linha económica de Macron da última legislatura. Antes de mais, as empresas devem ser poupadas, enquanto os custos da crise devem ser transferidos para as grandes massas.

Já durante os dois últimos anos da Covid, a administração Macron desembolsou 100 mil milhões de euros em ajuda económica. Em contraste, apenas 900 milhões de euros foram gastos em medidas sociais para amortecer o impacto da crise da covida para as pessoas no fundo da sociedade. Em contraste, apesar da pandemia, grandes empresas francesas cotadas na bolsa obtiveram lucros recorde de 174 mil milhões de euros em 2021. Enquanto a autoridade nacional de estatística ameaça um aumento da inflação até 7% no final do ano, os planos dos “macronitas”, por outro lado, não prevêem aumentos salariais para os trabalhadores.

Também não prevêem o congelamento de preços para energia ou alimentos ou um limite para as rendas. As taxas de aumento permitidas para aumentos de renda devem ser congeladas a 3,5% e compensadas por um aumento correspondente do subsídio de habitação. Na função pública haverá também um ligeiro aumento no salário. Mas aqui os salários nominais já se encontram congelados desde 2010. Um reforço do poder de compra parece diferente. Do mesmo modo, o aumento das prestações sociais permanecerá abaixo da taxa de inflação; além disso, só haverá pagamentos únicos baixos para os beneficiários de prestações sociais após as férias de Verão.

Um aumento significativo do salário mínimo é decisivamente rejeitado pelos macronitas. O NUPES tinha exigido um aumento de 1.300 para 1.500 euros líquidos. Mas também aqui o “macronismo” está a optar por um caminho diferente. Em vez de um aumento permanente dos salários reais, o campo presidencial defende prémios. Estes deverão estar isentos de impostos e contribuições até ao montante de 6.000 euros até 2024. No entanto, as empresas devem ser autorizadas a pagá-las voluntariamente. Isto não cria um direito legal a salários permanentemente mais elevados. Além disso, os peritos consideram que a expansão destes modelos de bónus resultaria numa perda anual de dez mil milhões de euros para o sector público, enquanto os trabalhadores não adquiririam qualquer direito ao aumento das prestações de desemprego ou de seguro de pensão. O ganho económico para os empregados, em particular, é, portanto, provável que seja bastante modesto.

Macron já tinha tornado possíveis em 2019 bónus especiais isentos de impostos, em resposta aos protestos dos coletes amarelos. No entanto, em média, os pagamentos únicos raramente ultrapassam os 500 euros. Ao mesmo tempo, um potencial aumento do “imposto social”, que existe desde o início dos anos 90 e que é acrescentado ao IVA, ameaça voltar a consumir estes bónus. O macronismo está assim a aderir ao seu dogma na nova legislatura de que não são os salários que devem aumentar, mas sim a competitividade alegadamente demasiado baixa das empresas francesas que deve ser aumentada. Por conseguinte, os custos não salariais do trabalho devem ser ainda mais reduzidos.

Se incluirmos todos os vários programas de desagravamento, tais como programas de crédito fiscal, a parte dos custos não salariais do trabalho, especialmente para os trabalhadores com baixos salários em França, é apenas ligeiramente inferior a sete por cento. No entanto, os efeitos no crescimento do emprego foram marginais. Por outro lado, as novas carências nos fundos de segurança social são susceptíveis de conduzir a novos debates sobre cortes nas prestações e cortes sociais num futuro próximo. Num outro passo, os desempregados devem ser empurrados ainda mais para o sector de baixos salários ou para o falso emprego independente, porque tudo o que cria trabalho é social para Macron.

Assim, depois de se ter tornado conhecido que tinha relações exclusivas com os lobistas da grande empresa americana Uber durante o seu tempo como ministro sob François Hollande, Macron confirmou a justeza da sua decisão de abrir o mercado a esta empresa de táxis. A empresa recrutou os seus motoristas principalmente nos ‘banlieues’ franceses. No entanto, muitos dos condutores nunca conseguiram cobrir os custos associados a ser um condutor independente com a remuneração concedida por Uber, razão pela qual houve mesmo um movimento de protesto contra Uber durante um curto período de tempo, mas voltou a desmoronar-se devido à grande dependência dos condutores.

Apesar da maioria de direita: a aliança de esquerda NUPES consegue algumas melhorias

O pacote legislativo de Macron não passou pelo parlamento francês inalterado na noite de terça-feira para quarta-feira. A aliança de esquerda NUPES conseguiu fazer passar algumas pequenas mas não sem importância correcções. Por exemplo, os custos adicionais resultantes do aumento da habitação e das prestações sociais serão agora reembolsados aos municípios e departamentos. Para este efeito, 300 milhões de euros foram incluídos no orçamento suplementar. Esta resolução também prejudica politicamente o “macronismo”, uma vez que a nova facção “Horizontes” do ex-primeiro-ministro Édouard Philippe, que se vê de facto como parte do campo presidencial, votou a favor desta emenda.

Uma vez que Macron não é permitido correr novamente em 2027, muitos observadores assumem que Philippe quer se aquecer para uma candidatura. A fim de ganhar perfil, é portanto necessário emancipar-se do núcleo duro do “macronismo”, mesmo em fases. Além disso, os subsídios para as famílias que aquecem com óleo de aquecimento foram aumentados de 50 milhões para 230 milhões de euros. Também posteriormente foi acrescentado um novo aumento do desconto de imposto para as empresas petrolíferas minerais de 18 para 30 cêntimos por litro. Este compromisso com os “Republicanos” pós-gaullistas deveria assegurar ao campo presidencial uma maioria para todo o pacote.

O RN de Le Pen aprova a lei neoliberal do campo Macron

Na realidade, no entanto, isto não teria sido de todo necessário. Como anunciado antecipadamente pelo antigo candidato presidencial e actual líder do grupo parlamentar Le Pen, o RN concordou com todos os pontos essenciais das propostas “macronitas”. O partido que, o mais tardar desde que Marine Le Pen assumiu a presidência do partido do seu pai em 2011, quer apresentar-se como o único verdadeiro representante do “pequeno povo”, não concordou com um aumento do salário mínimo, tal como exigido pelo NUPES, nem quis concordar com moções que limitavam as rendas e os preços da energia, também aqui o NUPES foi o autor. Nem mesmo o reforço financeiro das cidades, municípios e departamentos foi acordado.

O RN cumpriu completamente o seu papel de “bonapartista”. Ganhar 89 mandatos parlamentares está intimamente ligado a uma forte atitude “anti-elitistas” dentro da sociedade. Mas, logo que chegou à Assembleia Nacional, o partido apresentou-se como o aliado mais forte das elites quando se tratou de preservar a ordem económica e social existente. Apesar de não haver por enquanto uma aliança formal entre o campo presidencial e outras facções, é evidente que o domínio do campo de direita em todas as questões económicas é tangível.

A abolição das taxas de radiodifusão

A medida em que o RN é um partido para as elites também pode ser vista na questão das taxas de radiodifusão, que foram abolidas no parlamento contra a oposição da esquerda, perfidamente apresentadas como um alívio para os baixos rendimentos. Além disso, não é claro como é que os fundos necessários podem agora ser disponibilizados sem ter de reduzir o pessoal ou a programação. Aqui, o RN apela mesmo à privatização de grandes partes do organismo estatal de radiodifusão. Evidentemente, o domínio político dos meios de comunicação públicos pelas instituições estatais é maciço em França, semelhante ao da Alemanha, e só existe uma reportagem verdadeiramente crítica e equilibrada em determinados nichos.

No entanto, seria desastroso deixar a elaboração de relatórios apenas aos actores do sector privado, cujo historial dificilmente é melhor. Algumas famílias ricas dominam o panorama mediático francês. As campanhas dos jornais e estações de televisão contra a candidatura de Jean-Luc Mélenchon, e também mais tarde do NUPES, visavam principalmente impedir uma política económica de esquerda social-democrática e orientada para a procura. A presença de uma rede pública de comunicação social torna possível compensar, até certo ponto, este enviesamento de reportagens em produtos da comunicação social privada, que não só devem produzir retornos, mas também representar os objectivos ideológicos dos proprietários.

Um exemplo dos desenvolvimentos altamente problemáticos no mercado francês dos media é o papel de Vincent Bolloré, cujas posições políticas de ultra-direita são amplamente conhecidas e que foi capaz de utilizar a sua rede de radiodifusão para apresentar ao público em geral o jornalista de televisão igualmente de extrema-direita Eric Zemmour, permitindo-lhe assim preparar a sua candidatura às eleições presidenciais de 2022.

Outro exemplo de como é difícil acomodar posições de esquerda ou pelo menos progressistas nos meios de comunicação social é demonstrado por uma controvérsia entre o conselho editorial e a direcção do jornal diário tradicional de esquerda Libération, onde o conselho editorial teve de aceitar acusações da direcção de que estava a seguir um curso demasiado amigável para Mélenchon e, assim, a afugentar potenciais investidores. Este conflito tem um efeito perturbador. Os jornalistas do diário Libération, de orientação bastante social-democrata, que não estão certamente entre os maiores amigos políticos de Jean-Luc Mélenchon, só ousaram sublinhar o seu próprio perfil durante a campanha eleitoral parlamentar e opor-se um pouco à frente dos meios de comunicação social de direita, relatando de forma factual e justa o programa do NUPES.

Assim, a esquerda francesa faz bem em apoiar os meios de comunicação social que não estão sob o controlo de magnatas pesados, mesmo que a relação entre a reportagem objectiva e os decisores políticos seja sempre um campo carregado de conflitos. As taxas de radiodifusão, contudo, são recursos financeiros que permitem um certo grau de autonomia.

Imagem de capa por Beth sob licença CC BY-NC 2.0


Artigo traduzido do alemão para GeoPol desde NachDenkSeiten

Gostou desta matéria? Ajude-nos a melhorar!

O nosso trabalho tem o preço que você acha justo. Qualquer contribuição é bem vinda.

1,00 €

Click here to purchase.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Exit mobile version