Pouca esperança antes da Conferência do Tratado de Não-Proliferação Nuclear

Reiner Braun

Reiner Braun

Historiador e jornalista


Raramente uma conferência mundial foi preparada com tão pouca esperança e empatia como a Conferência do Tratado de Não-Proliferação Nuclear deste ano


Raramente uma conferência mundial foi preparada com tão pouca esperança e empatia como a Conferência do Tratado de Não-Proliferação Nuclear deste ano, que começa em Nova Iorque a 1 de agosto por um período de quatro semanas. As esperanças de um resultado que corresponda mesmo rudimentarmente a uma avaliação e implementação do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares são nulas. Mesmo uma iniciativa para uma proibição da primeira utilização não terá sucesso. Nem sequer precisamos de falar sobre controlo de armas ou desarmamento.

A conferência está sob o signo da guerra da Rússia contra a Ucrânia, da ameaça recorrente de uma possível utilização de armas nucleares, da modernização global de todas as armas nucleares em todos os países com armas nucleares, do desenvolvimento tecnológico das armas nucleares em armas de campo de batalha (mini-nuclear) ou também, de forma mais geral, dos confrontos globais geoestratégicos agressivos.

É concebível que, face às guerras militares e económicas (e ambas vão muito para além do conflito na Ucrânia), haja negociações sérias sobre o controlo de armas, zonas livres de armas nucleares e desarmamento? Realisticamente, este não é o caso.

Os actores, especialmente do Sul, que poderiam empurrar na direcção das negociações, controlo de armas e desarmamento são infelizmente demasiado fracos politicamente, demasiado pouco coordenados e também ainda com muito poucas iniciativas próprias. As abordagens iniciais como a participação no Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) ainda não são um papel político global independente comparável ao papel dos Estados não-alinhados nos anos 60/70. Só se os países centrais do Sul se formarem independentemente e de forma coordenada, independentemente dos EUA e UE-Europa, e em estreita ligação com uma sociedade civil mundial activa para o desarmamento (que também não existe), é que uma abordagem política de paz alternativa é mesmo concebível.

Em vez disso, somos confrontados com o facto de o perigo da guerra nuclear nunca ter sido tão elevado e tão perigoso como é agora. O “relógio do dia do juízo final” (relógio nuclear) está a 100 segundos dos 12 e é apenas a expressão aguçada da loucura nuclear diária. 100 segundos foi antes da guerra da Ucrânia!

O sucesso da conferência sobre a proibição de armas nucleares em Viena em junho, ganha com sucesso contra a vontade dos Estados e países com partilha de armas nucleares, apenas mostra os primeiros inícios de uma política alternativa de desarmamento nuclear. Sim, é gratificante que o número de estados ratificantes esteja a aumentar, que o empenho dos governos, parlamentos e sociedades civis no tratado esteja a crescer. A concretização das formulações do tratado e a ênfase numa base comum para acções futuras contra as consequências humanitárias das armas nucleares devem certamente também ser realçadas. Particularmente gratificante é a integração política do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) na luta por uma política de segurança comum.

Contudo, tudo isto não constitui ainda um rumo político global para a paz.

Este desenvolvimento estratégico do envolvimento humanitário num conceito político alternativo torna claro que a segurança hoje em dia só pode ser alcançada em conjunto. Neste contexto, o desarmamento nuclear é um elo em cadeia para a acção cooperativa. Só se o confronto político entre a NATO e a Rússia ou os EUA e a China for ultrapassado é que os passos no sentido do desarmamento nuclear são novamente possíveis. Por conseguinte, as medidas de diálogo e de criação de confiança são também fulcrais para uma política cujo resultado a longo prazo é ser um mundo sem armas nucleares. Este é sempre o objectivo oficialmente declarado, mesmo dos estados da NATO. A cooperação é não só central para superar o perigo dramático da guerra nuclear, mas também uma componente indispensável para evitar a catástrofe climática. Actualmente, estamos a caminhar com um drama tremendo para uma dupla catástrofe – a nuclear e a climática.

A fim de clarificar estas ligações e de discutir a segurança comum como alternativa geoestratégica, grupos de paz como a “rede internacional Paz e Planeta” e o International Peace Bureau (IPB), em cooperação com a Fundação Rosa Luxemburgo, estão a organizar a conferência internacional sobre “desordem geoestratégica e perspectivas da política de paz” em Nova Iorque a partir de 1 de agosto.

O IPB está representado na conferência do TNP com dois eventos paralelos (sobre armas nucleares na Europa e sobre os desafios tecnológicos de uma nova corrida aos armamentos) para sublinhar que evitar o perigo de uma guerra nuclear é um desafio central para o movimento de paz mundial. Isto deve ser sobre mais educação e mais acção para parar os meios de comunicação e o curso político em direcção a mais loucos armamento e guerra. Um tsunami social e ecológico a nível mundial, bem como económico, é a consequência se esta política, para a qual a política de armamento nuclear do P5 (EUA, Rússia, China, França e Grã-Bretanha), mas também a das outras potências nucleares, bem como a política dos Estados da OTAN, não for travada.

A Conferência do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares pode assim talvez contribuir para colocar na ordem do dia a tão necessária “coligação da razão” global.

Reiner Braun é Director Executivo do IPB

Imagem de capa por International Campaign to Abolish Nuclear Weapons sob licença CC BY 2.0

NachDenkSeiten

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Facebook, Telegram e VK

Autor

Reiner Braun

Leave a Reply