Lendo as runas de guerra

Alastair Crooke

Alastair Crooke

Diplomata e ex-agente de Inteligência


Os EUA e a Europa estão presos. São incapazes de se renovarem, uma vez que as contradições estruturais políticas e económicas bloquearam o seu paradigma. Como então ‘desanuviar’ a situação, sem guerra?


É claro que o conflito, para todos os efeitos, está resolvido – embora esteja longe de ter terminado. É evidente que a Rússia se imporá na guerra militar – e na guerra política também – o que significa que tudo o que surgir na Ucrânia após a acção militar estar completa será ditado por Moscovo nos seus termos.

Claramente, por um lado, o regime de Kiev entraria em colapso se Moscovo lhe ditasse os seus termos. E, por outro lado, toda a agenda ocidental por detrás do golpe de Estado de Maidan em 2014 também implodiria. (É por isso que uma saída da rampa, com a falta de uma rotina ucraniana, é quase impossível).

Este momento marca assim um ponto crucial de inflexão. Uma escolha americana poderia ser acabar com o conflito – e há muitas vozes a pedir um acordo, ou um cessar-fogo, com a intenção compreensivelmente humana de acabar com o massacre inútil de jovens ucranianos enviados para “a frente” para defender posições indefensáveis, apenas para serem cinicamente mortos sem qualquer ganho militar, apenas para manter a actual guerra.

Embora racional, o argumento a favor de um fora da rampa falha o maior ponto geopolítico: O Ocidente está tão fortemente empenhado na sua narrativa fantástica do iminente colapso e humilhação russa que se encontra “preso rapidamente”. Não pode avançar por receio de que a NATO possa não estar à altura da tarefa de confrontar as forças russas (Putin fez notar que a Rússia não tinha sequer começado a utilizar toda a sua força). E no entanto, fazer um acordo, recuar, seria perder a face.

E ‘perder a face’ traduz-se, grosso modo, em perder para o Ocidente liberal.

O Ocidente fez-se assim refém do seu triunfalismo desenfreado, fazendo-se passar por uma guerra de informação. Escolheu este jingoísmo desenfreado. No entanto, os primeiros conselheiros, lendo as runas da guerra – dos implacáveis ganhos russos – começaram a sentir o cheiro de outro débacle de política externa que se encaminha rapidamente.

Eles vêem os acontecimentos, longe de reafirmarem a “ordem baseada em regras”, mas sim a crua colocação diante do mundo dos limites do poder dos EUA – dando frente ao palco não apenas a uma Rússia ressurgente, mas a uma que transporta uma mensagem revolucionária para o resto do mundo (embora um facto para o qual o Ocidente ainda não despertou).

Além disso, a aliança ocidental está a desintegrar-se à medida que o cansaço da guerra se instala e que as economias europeias olham para a recessão. A tendência instintiva contemporânea para decidir primeiro, e pensar depois (sanções europeias), levou a Europa a uma crise existencial.

O Reino Unido exemplifica o enigma europeu mais vasto: a classe política britânica, assustada e em desordem, primeiro “determinada” a apunhalar o seu líder, só para se aperceber depois, que não tinha sucessor com gravitas para gerir o novo normal, e nenhuma ideia de como escapar à armadilha em que está enredada.

Eles não ousam perder a face sobre a Ucrânia e não têm nenhuma solução que se ajuste à recessão que se avizinha (excepto um regresso ao thatcherismo?). E o mesmo se pode dizer da classe política europeia: eles são como cervos apanhados nos faróis de um veículo rápido que se aproxima.

Biden e uma certa rede que abrange Washington, Londres, Bruxelas, Varsóvia e os Bálticos vêem a Rússia de uma altura de 30.000 pés acima da do conflito da Ucrânia. Biden acredita estar numa posição equidistante entre duas tendências perigosas e sinistras que envolvem os EUA e o Ocidente: O trumpismo em casa e putinismo no estrangeiro. Ambos, acredita ele, apresentam claros e actuais perigos para a ordem liberal baseada em regras em que (Equipa) Biden acredita apaixonadamente.

Outras vozes – principalmente do campo do Realismo dos EUA – não estão tão apaixonadas pela Rússia; para elas, os “homens de verdade” enfrentam a China. Estes querem apenas manter o conflito na Ucrânia num impasse, se possível (mais armas), enquanto o pivô para a China é activado.

Num discurso no Hudson Institute, Mike Pompeo fez uma declaração de política externa que tinha claramente em vista o ano 2024 e a sua tomada do lugar de vice-presidente. A sua essência era sobre a China, mas o que ele disse sobre a Ucrânia é interessante: A importância de Zelensky para os EUA dependia da sua manutenção da guerra (ou seja, salvar a face ocidental). Ele não se referiu explicitamente a “botas no terreno”, mas era evidente que não defendia tal passo.

A sua mensagem era: armas, armas, armas para a Ucrânia, e “seguir em frente” – através do pivô para a China AGORA. Pompeo insistiu que os EUA reconhecessem hoje diplomaticamente Taiwan, independentemente do que ocorresse (isto é, independentemente de esta acção desencadear ou não uma guerra com a China). E enfiou a Rússia na equação dizendo simplesmente que a Rússia e a China deveriam ser efectivamente tratadas como uma só.

Biden, contudo, parece movido a deixar passar o momento, e a continuar com a actual trajectória. Isto é também o que os muitos participantes no elefante branco querem. A questão é que as opiniões do Deep State são conflituosas, e os banqueiros influentes de Wall Street certamente não se acalentam com as noções de Pompeo. Eles prefeririam a desescalada com a China. Por conseguinte, levar a cabo é a opção mais fácil, uma vez que a atenção doméstica dos EUA se agarra aos infortúnios económicos.

A questão aqui é que o Ocidente está completamente bloqueado: Não pode avançar, nem recuar. As suas estruturas de política e de economia impedem-no. Biden está preso à Ucrânia; a Europa está presa à Ucrânia e à sua beligerância em relação a Putin; idem para o Reino Unido; e o Ocidente está preso às suas relações com a Rússia e a China. Mais importante ainda, nenhum deles pode responder às insistentes exigências da Rússia e da China para uma reestruturação da arquitectura de segurança global.

Se não conseguirem avançar neste plano de segurança – por medo de perder a face – não poderão assimilar (ou ouvir – dado o cinismo enraizado que atende a quaisquer palavras proferidas pelo presidente Putin) que a agenda da Rússia vai muito além da arquitectura de segurança.

Por exemplo, o veterano diplomata e comentador indiano, MK Badrakhumar escreve:

Depois do Sakhalin-2, [numa ilha no Extremo Oriente russo] Moscovo planeia também nacionalizar o projecto de desenvolvimento de petróleo e gás Sakhalin-1, expulsando os accionistas americanos e japoneses. A capacidade do Sakhalin-1 é bastante impressionante. Houve um tempo antes de a OPEP+ estabelecer limites aos níveis de produção, quando a Rússia extraiu até 400.000 barris por dia, mas o nível de produção recente foi de cerca de 220.000 barris por dia.

A tendência geral de nacionalização das participações de capitais americanos, britânicos, japoneses e europeus nos sectores estratégicos da economia russa está a cristalizar-se como a nova política. Espera-se que a limpeza da economia russa, libertada do capital ocidental, se acelere no período que se avizinha.

Moscovo estava bem ciente do carácter predatório do capital ocidental no sector petrolífero russo – um legado da era Boris Yeltsin – mas teve de viver com a exploração, pois não queria antagonizar outros potenciais investidores ocidentais. Mas isso agora é história. O azedar das relações com o Ocidente até quase ao ponto de ruptura livra Moscovo de tais inibições arcaicas.

Depois de chegar ao poder em 1999, o presidente Vladimir Putin iniciou a gigantesca tarefa de limpar os está da colaboração estrangeira da Rússia no sector petrolífero. O processo de “descolonização” foi extremamente difícil, mas Putin conseguiu levá-lo a bom termo”.

A periferia ocidental, porém, sem a tradição do Próximo Oriente, “virou-se” para permitir a uma oligarquia credora rica tomar o poder e concentrar a posse de terras e propriedades nas suas próprias mãos. Para fins de relações públicas, alegou ser uma “democracia”, e denunciou qualquer regulamentação governamental protectora como sendo, por definição, uma “autocracia”. Este é o segundo grande modelo, mas com a sua saliência de dívida e agora numa espiral inflacionista, também ela está presa, sem meios para avançar.

Este último modelo é o que ocorreu em Roma. E continuamos a viver no rescaldo. Tornar os devedores dependentes de credores ricos é o que os economistas de hoje chamam um “mercado livre”. É um mercado sem controlos e equilíbrios públicos contra a desigualdade, fraude ou privatização do domínio público.

Esta ética neoliberal pró-credor, afirma o professor Hudson, está na raiz da Nova Guerra Fria de hoje. Quando o Presidente Biden descreve este grande conflito mundial destinado a isolar a China, Rússia, Índia, Irão e os seus parceiros comerciais eurasiáticos, ele caracteriza isto como uma luta existencial entre “democracia” e “autocracia”.

Por democracia, ele significa “oligarquia”. E por “autocracia” significa qualquer governo suficientemente forte para impedir uma oligarquia financeira de assumir o governo e a sociedade e impor regras neoliberais – pela força – como Putin fez. O ideal “democrático” é fazer o resto do mundo parecer a Rússia de Boris Ieltsin, onde os neoliberais americanos tinham a liberdade de retirar toda a propriedade pública de terras, direitos minerais e serviços públicos básicos.

Mas hoje lidamos com tons de cinza – não existe um mercado verdadeiramente livre nos EUA; e a China e a Rússia são economias mistas, embora inclinadas a dar prioridade à responsabilidade pelo bem-estar da comunidade como um todo, em vez de imaginar que indivíduos deixados aos seus próprios dispositivos egoístas resultarão, de alguma forma, na maximização do bem-estar nacional.

É este o ponto: A economia de Adam Smith mais individualismo está enraizada no zeitgeist ocidental. Não irá mudar. Contudo, a nova política do presidente Putin de limpar os estábulos de Augean de “capital ocidental predatória” e o exemplo dado pela Rússia da sua metamofose rumo a uma economia largamente auto-sustentada, imune à hegemonia do dólar, é música para os ouvidos do Sul Global e de grande parte do Resto do Mundo.

Em conjunto com a liderança da Rússia e da China em desafiar o “direito” do Ocidente a estabelecer regras; a monopolizar os meios (o dólar) como base para o estabelecimento do comércio interestatal; e com os BRICS e a SCO a adquirirem constantemente “fundo”, os discursos de Putin revelam a sua agenda revolucionária.

Resta um aspecto: Como provocar uma metamorfose “revolucionária”, sem incorrer em guerra com o Ocidente. Os Estados Unidos e a Europa estão presos. São incapazes de se renovarem, uma vez que as contradições estruturais políticas e económicas bloquearam o seu paradigma. Como então ‘desanuviar’ a situação, sem guerra?

A chave, paradoxalmente, pode estar na profunda compreensão da Rússia e da China sobre as falhas do modelo económico ocidental. O Ocidente precisa de catarse para se ‘desvincular’. A catarse pode ser definida como o processo de libertação, e assim proporcionar alívio de emoções fortes ou reprimidas, ligadas a crenças.

Para evitar a catarse militar, parece que a liderança russa e chinesa – compreendendo as falhas do modelo económico ocidental – deve então visitar o Ocidente com uma catarse económica.

Será doloroso, sem dúvida, mas melhor do que uma catarse nuclear. Podemos recordar o final do poema de CV Cafavy, Waiting for the Barbarians (À espera dos Bárbaros),

Porque a noite caiu e os bárbaros não vieram.
E alguns dos nossos homens que acabam de chegar da fronteira dizem
já não há bárbaros.

Agora o que nos vai acontecer sem bárbaros?
Essas pessoas eram uma espécie de solução.

Imagem de capa por

Strategic Culture

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Alastair Crooke

Leave a Reply