A “reviravolta” estratégica arriscada de Joe Biden na Arábia Saudita

Salman Rafi Sheikh

Doutorando na SOAS University of London


A visita de Biden, sustentada por tensões e interesses temporários dos EUA, é pouco provável que inverta a trajectória da política externa saudita e/ou a forma como a guerra na Ucrânia tem aumentado a importância global do Golfo


Um Estado do Médio Oriente que Joe Biden prometeu em tempos fazer “pária” tornou-se agora fundamental para o sucesso da conspiração dos EUA para cercar e derrotar a Rússia, tanto militar como economicamente. Este é, antes de mais, o objectivo cardinal por detrás da “reviravolta” de Biden na sua política saudita e do encontro com um “assassino” designado pela CIA, o príncipe Herdeiro Muhammad bin Salman (MBS). Embora seja interessante ver as críticas que Biden enfrenta em casa por esta mudança de política, esta não é a primeira vez que Washington abraça líderes autoritários. Como John Bolton, antigo conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, confessou recentemente, ele (o “Estado profundo” dos EUA) planeou golpes muitas vezes, o que significa que os EUA desempenharam muitas vezes um papel fundamental em levar ao poder líderes implacáveis e antidemocráticos muitas vezes em muitos países. Abraçar MBS não é, portanto, invulgar, nem é o total desrespeito de Biden por descartar a sua própria ideia de colocar os direitos humanos no centro da sua abordagem da política externa. Isto é tão táctico como hipócrita e típico da política externa de Washington.

A “reviravolta” mais recente, porém, está ligada à forma como a guerra na Ucrânia criou condições para a mudança permanente da Arábia Saudita para a Rússia e a China como seu aliado chave no Médio Oriente e aquele que pode inclinar a economia política global através da produção e fornecimento de petróleo para qualquer direcção. A visita de Biden tem como objectivo forçar essa mudança e trazer a Arábia Saudita de volta ao eixo americano. Como Jake Sullivan disse aos meios de comunicação social, “porque o mundo está a tornar-se geopoliticamente mais competitivo”, os EUA precisam de “permanecer intensamente empenhados no Médio Oriente”. É por isso que Joe Biden não achou difícil colocar convenientemente os interesses imediatos à frente da sua chamada posição de princípio sobre os direitos humanos e o brutal assassinato de Jamal Khashoggi.

O Médio Oriente é, em palavras simples, mais importante do que os direitos humanos, tornando a verdadeira política mais útil do que o idealismo de proteger e defender os direitos humanos. Como o próprio Biden “defendeu” a sua visita – e “retorno” – à Arábia Saudita, num artigo de opinião no The Washington Post,

“Um Médio Oriente mais seguro e integrado beneficia os americanos de muitas maneiras. As suas vias navegáveis são essenciais para o comércio global e para as cadeias de abastecimento em que confiamos. Os seus recursos energéticos são vitais para mitigar o impacto da guerra da Rússia na Ucrânia sobre o abastecimento global… Temos de contrariar a agressão da Rússia, colocarmo-nos na melhor posição possível para competir com a China, e trabalhar para uma maior estabilidade numa região consequente do mundo. Para fazer estas coisas, temos de nos empenhar directamente com os países que podem ter impacto nesses resultados. A Arábia Saudita é um deles”.

Claro que o objectivo imediato de Biden é convencer MBS a produzir mais petróleo, ou seja, livrar-se do acordo da OPEP+ com a Rússia e, assim, ajudar os EUA e o resto da Europa a controlar o aumento constante do custo de vida e a elevada inflação ligada aos elevados preços do petróleo e do gás.

A Arábia Saudita é fundamental para os EUA também contra a China. Os EUA precisam de milhares de milhões de dólares de investidores privados de todo o mundo para financiar o seu plano de infra-estruturas de 600 mil milhões de dólares para combater a China. A Arábia Saudita juntamente com outros estados do Golfo é um desses países para a administração Biden.

Mas, embora os sauditas possam mostrar vontade de fazer investimentos globais como parte da sua própria política de diversificação da sua economia dependente do petróleo, é pouco provável que os sauditas sacrifiquem os seus laços com a China e a Rússia no altar das garantias de segurança dos EUA. Já existe a possibilidade de a Arábia Saudita vender o seu petróleo à China em yuans, com a Arábia Saudita a utilizar a mesma moeda para pagar as suas importações da China. Este possível acordo entre o maior produtor mundial de petróleo e a segunda maior economia poderia limitar seriamente a medida em que os EUA podem manipular países como a Arábia Saudita como aliados contra a China.

A capacidade de Washington para convencer a Rússia a sair do acordo OPEP+ é também extremamente limitada. Tal como está, foram os sauditas que convenceram a Rússia a fazer este acordo e a manter níveis estáveis de produção de petróleo, fornecimento de petróleo e preços. Este é um acordo que beneficia a Arábia Saudita tanto quanto beneficia Moscovo. Riade, até agora, tem pouco ou nenhum motivo para se desfazer deste acordo, especialmente porque os líderes sauditas sabem que a mudança de Biden para uma posição pró-MBS está directamente ligada à guerra na Ucrânia e que o presidente dos EUA poderia reduzir a sua aproximação após o fim da guerra.

Que os sauditas não esperam qualquer avanço e/ou não estão demasiado interessados em oferecer quaisquer concessões aos EUA é evidente pelo facto de Biden ter sido recebido pelo governador da região de Makkah e não por qualquer funcionário da liderança central saudita. Quando Donald Trump visitou a Arábia Saudita, a sua primeira visita estrangeira como presidente dos EUA, foi saudado pelo próprio MBS.

Portanto, embora Biden se tenha encontrado com MBS, os relatórios mostram que não houve qualquer avanço, excepto que os sauditas disseram vivamente a Biden que só ajudariam Washington na medida dos seus interesses. Além disso, é pouco provável que o Reino Saudita reverta os seus laços, quer com a China e/ou a Rússia. Não há simplesmente qualquer razão para o fazer.

O último ano e meio da “distância de princípio” de Biden em relação à Arábia Saudita já deixou uma abertura que o Reino tem usado para diversificar os seus laços. A constante expansão da cooperação entre Riade e Moscovo inclui a construção de um reactor nuclear e uma profunda e ampla cooperação militar.

Como seria de esperar, a Arábia Saudita, apesar de ser o maior produtor mundial de petróleo, quase duplicou a sua importação de petróleo da Rússia para alimentar centrais eléctricas a fim de satisfazer a crescente procura de electricidade e libertar o seu próprio petróleo bruto para satisfazer a procura de exportação. Como mostram os dados, a Arábia Saudita importou 647.000 toneladas (48.000 barris por dia) de petróleo da Rússia através de portos russos e estonianos em Abril-Junho deste ano. Este valor subiu de 320.000 toneladas no mesmo período de um ano atrás.

Por conseguinte, a visita de Biden, sustentada por tensões e interesses temporários dos EUA, é pouco provável que inverta a trajectória da política externa saudita e/ou a forma como a guerra na Ucrânia tem aumentado a importância global do Golfo.

Imagem de capa por Jaguar Mena sob licença CC BY 2.0

New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook

Autor

Salman Rafi Sheikh

Leave a Reply