A vitória deve vir de Ramstein

Willy Wimmer

Ex-membro do Bundestag


Zelensky prometera na Primavera de 2021, que o Donbass e a Crimeia deviam ser reconquistados, pois de outra forma a adesão da Ucrânia à NATO não seria possível


Os visitantes em Kiev tornaram bem claro para onde a viagem deve seguir. O secretário de Estado Blinken e o secretário da Defesa Austin, de Washington, prometeram ao presidente Zelensky a vitória sobre a Rússia. O secretário da Defesa dos EUA também deixou claro algumas horas antes de uma conferência na base americana de Ramstein, na Renânia-Palatinado, o que seria necessário para o conseguir. Segundo ele, um reforço das forças armadas ucranianas pela NATO de acordo com a sua missão é o pré-requisito básico. A questão da dimensão da vitória foi respondida por um antigo embaixador dos EUA em Kiev no mesmo dia na CNN. De acordo com isto, a Ucrânia tem de se tornar/reprisar um Estado soberano dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas.

Assim, o famoso gato está fora do saco: o Donbass e a Crimeia deviam ser reconquistados. Isto deixa claro que o mundo deve ver esta guerra na Ucrânia em conexão com a diretiva do presidente Zelensky da Primavera de 2021. No final de março do ano passado, Zelensky prometeu a recuperação do Donbass e da Crimeia por meios militares, com ou sem os acordos de Minsk. Não houve outra explicação para a acumulação de tropas ucranianas na linha de contacto com o Donbass mantido pelos separatistas no Inverno, apesar da acumulação militar russa na fronteira, que foi discutida internacionalmente durante semanas.

Para cada um dos lados envolvidos, o ataque maciço de artilharia móvel das formações ucranianas de 16 de fevereiro de 2022 contra o Donbass, conforme notificado pela OSCE, deve ser visto como o sinal de partida para a implementação da directiva presidencial de recuperação do Donbass e da Crimeia. A 24 de fevereiro de 2022, o exército russo invadiu a Ucrânia. As declarações dos ministros dos EUA agora em Kiev deixam claro que querem regressar por todos os meios ao objectivo emitido por Zelensky na Primavera de 2021.

Por que razão existia esta directiva de Zelensky em primeiro lugar? No contexto de todos os processos conhecidos e da cobertura de imprensa imediatamente antes da invasão russa da Ucrânia, tudo deveria ser feito para trazer Donbass e a Crimeia “para o império”, pois de outra forma a adesão da Ucrânia à NATO não seria possível, de acordo com o próprio Tratado.

A visita ministerial a Kiev levantou uma vez mais a questão da adesão da Ucrânia à NATO, em honra dos altares neste cenário de vitória americana. Para isso, os tanques alemães devem rolar para a Crimeia, para que, no interesse americano, as brechas desde 1945 sejam novamente fechadas e não haverá mais uma relação razoável entre a Rússia e a Alemanha durante séculos, como os chanceleres e a chanceler alemães têm tentado fazer durante décadas. Deve ficar claro para todos no mundo que os EUA só pretendem perpetuar o golpe de Nuland em Kiev em 2014 através desta guerra.

Isto também foi respondido pela declaração do vice-chanceler Habeck na reportagem da ZDF, a 24 de abril de 2022. Habeck declarou na sua habitual forma convincente que a Ucrânia nos defenderia na guerra na Ucrânia. Mas isso teria então de significar que o governo federal alemão terá dado o seu consentimento explícito à directiva de Zelensky na Primavera de 2021. Se assim for, então seria necessário pensar seriamente se a Alemanha se tinha tornado oficialmente uma “parte na guerra”.

Se não, então não é “a nossa guerra”, independentemente da forma como as situações coercivas dirigidas contra a Alemanha são orquestradas na NATO.

Fonte: Apolut

Imagem de capa: Rob Schleiffert sob licença CC BY-NC-ND 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga os nossos outros canais: Youtube, Twitter, Telegram, VK e Facebook