As Maldivas estão a afundar-se, o que pode ser feito?

Por Petr Konovalov


Situada no meio do Oceano Índico, a República das Maldivas gasta anualmente cerca de 10 milhões de dólares americanos na construção de barragens e no trabalho de reforço das suas linhas costeiras. Contudo, de acordo com a avaliação feita pelo Ministério do Ambiente, Alterações Climáticas e Tecnologia neste país, o Estado precisa de investir até 9 mil milhões de dólares para proteger as suas ilhas do risco de ficarem debaixo de água na máxima extensão possível. Quão justificadas são as acções tomadas pela liderança das Maldivas para combater as cheias das ilhas? Quanto tempo levará o país a desaparecer da face da Terra, se a comunidade mundial não manifestar um interesse adequado por este problema? Quem ajudará as Maldivas se o nível do mar, num futuro distante, atingir um nível crítico?

É do conhecimento geral que as Maldivas são um dos países mais baixos do mundo. Mais de 80% do território do seu território está localizado pouco menos de um metro acima do nível médio do mar, o que torna a população das Maldivas, em número de cerca de 560.000 pessoas, extremamente vulnerável a tempestades e furacões. O ponto mais alto do país situa-se a 2,4 metros acima do nível do mar.

Em 2004, um tsunami extremamente poderoso no Oceano Índico infligiu danos colossais a esta nação insular. As perdas financeiras incorridas pelo país ascenderam a cerca de 470 milhões de dólares. Para as Maldivas, constituídas por pequenas ilhas, uma catástrofe natural desta magnitude foi um verdadeiro desastre. A maioria das instalações economicamente significativas foram destruídas até às suas fundações ou seriamente danificadas, e foram necessários fundos significativos para a sua reconstrução.

A pesca e o turismo são duas áreas fundamentais para a economia das Maldivas. Estas duas indústrias dependem principalmente dos recursos costeiros. A esmagadora maioria das povoações habitadas, e as infra-estruturas mais significativas do Estado, estão localizadas ao longo das linhas costeiras.

As Maldivas são constituídas por quase 1.200 ilhas. Mesmo que o nível do Oceano Índico aumente apenas ligeiramente, ainda assim levará a inundações através das pequenas ilhas, algumas das quais irão afundar-se para sempre debaixo de água.

Em 2014, mais de 100 ilhas habitadas em todo o arquipélago já se encontravam parcialmente inundadas. Cerca de 30 ilhas têm sido caracterizadas por peritos como gravemente corroídas. Este foi um sinal muito perturbador para as autoridades das Maldivas.

Como muitos cientistas especializados no campo da ecologia prevêem, no final do século XXI, o nível dos oceanos poderá subir 18 cm em todo o mundo. O derretimento dos glaciares é susceptível de levar à inundação das Maldivas. De acordo com os pressupostos mais ousados, dentro de cerca de 50-60 anos mesmo os maiores atóis irão afundar-se sob a água.

Ao longo dos últimos anos, os estrangeiros que chegam às Maldivas para relaxar nos numerosos hotéis das ilhas de resorts puderam observar um quadro bastante sombrio sob a forma de sacos de areia estendidos ao longo da costa. Este é um dos obstáculos para as águas do Oceano Índico, que todos os anos, metro a metro, estão a devorar as famosas estâncias de recreio localizadas nos atóis das Maldivas. Nas águas costeiras das lagoas marítimas, as dragas de areia operam com mais frequência – barcaças marítimas que lavam a areia do fundo destes corpos de água.

A cada ano que passa, as marés estão a ficar mais fortes, e cada dia mais toneladas de areia são arrastadas para o Oceano Índico, cujo nível está constantemente a subir. O funcionamento das bombas de areia não é, no mínimo, a tentativa mais eficaz de adiar a rendição dos seres humanos aos elementos do mar. Devem ser tomadas medidas mais decisivas para evitar que o país se afunde.

Em 2008, o presidente Mohamed Nasheed propôs uma forma extraordinária de sair desta situação. O chefe de Estado disse que o seu país precisa de reservar as receitas que o orçamento ganha com o turismo num fundo financeiro especialmente criado para resolver o problema do aquecimento global. O dinheiro do fundo, tal como concebido pelo presidente das Maldivas, seria gasto na aquisição de novos territórios dos países adjacentes à República das Maldivas: Índia e Sri Lanka. Segundo Mohamed Nasheed, isto tornaria possível evacuar cidadãos das Maldivas em prazos muito curtos no caso de uma catástrofe ambiental. Como medida de recurso, o presidente também considerou adquirir terras à Austrália, que tem um número muito grande de áreas livres e despovoadas. Obviamente, transformar esta ideia em realidade exigiria quantidades astronómicas de dinheiro que uma pequena nação insular dificilmente é capaz de acumular. É também muito importante notar que quase todos os países do mundo estão extremamente relutantes em partilhar as suas terras com outros estados. O plano de Mohamed Nasheed nunca chegou a ser concretizado.

No entanto, em 2010 a ONU criou um fundo para ajudar os países em desenvolvimento denominado Fundo Verde para o Clima, que atribuiu até à data cerca de 24 milhões de dólares para a construção de estruturas de protecção nas Maldivas. O Japão desempenhou um papel directo na construção da muralha marítima em torno da cidade de Male, a capital da nação insular.

Em 2019, em Madrid, durante as conversações da ONU sobre o clima, membros da delegação das Maldivas instaram a comunidade mundial a ajudá-la financeiramente a enfrentar as catástrofes e os danos a longo prazo associados às alterações climáticas. No entanto, os representantes da República das Maldivas encontraram-se com um fracasso.

Em conclusão, pode-se afirmar que a situação com as Maldivas afundadas é, num certo sentido, uma situação sem precedentes. Se a comunidade mundial não enfrentar o desafio de construir estruturas de protecção para esta nação insular, as Maldivas tornar-se-ão o primeiro país na história a deixar de existir, não como resultado de uma conquista por uma potência mais forte, ou por causa de uma fusão com outro Estado, mas por causa de uma catástrofe natural.

Talvez a maioria da comunidade mundial seja indiferente ao risco das Maldivas se afundarem devido ao facto de a história nunca ter testemunhado este tipo de acontecimentos. Também se pode assumir que muitos países não estão preocupados com este problema porque é mais fácil para eles aceitar 560.000 imigrantes de um Estado afogado nas suas terras do que gastar milhares de milhões de dólares na construção de estruturas de protecção que podem ou não valer a pena.




Fonte: New Eastern Outlook

Imagem de capa: Mac Qin, sob liceça CC BY-ND 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube