A elite norte-americana usa o mundo para as suas lutas internas

Sem adversários internos, a oligarquia dos EUA utiliza a campanha contra a China para resolver o curso da sua estratégia internacional numa competição feroz


A ordem do presidente Joe Biden aos serviços de inteligência para investigar se houve uma fuga de informação no Instituto de Virologia de Wuhan (IVW) em novembro de 2019 capaz de desencadear a pandemia de Covid-19 e a actual campanha de imprensa contra a República Popular reactivaram subitamente as denúncias do governo de Donald Trump, quando este falou do “vírus chinês”. Para além do facto de, genericamente, poderem ser enquadrados dentro da competição estratégica entre as duas potências, não parece haver qualquer razão para o relançamento da campanha anti-chinesa. Provavelmente, então, é necessário procurar o gatilho na política interna. Além disso, a centelha parece ter sido acesa numa luta pela riqueza e poder entre os 1% dos multimilionários que concentram tanto rendimento como os 50% mais baixos da população. A elite globalista americana está a utilizar o espantalho chinês para determinar o futuro rumo do Império mundial numa luta interna feroz com consequências globais. No entanto, os mais ricos já não estão sozinhos e a sua discórdia abre a porta a inimigos internos e externos.

No passado 8 de junho, o Wall Street Journal (WSJ) publicou um artigo de Michael R. Gordon e Warren P. Strobel revendo um relatório que o Laboratório Nacional Lawrence Livermore publicou em maio de 2020, considerando plausível que o vírus que deu origem à Covid-19 veio de um laboratório em Wuhan, na China. Na altura, o estudo, preparado pela “Divisão Z” (inteligência) do laboratório, foi apreendido pelo Departamento de Estado para as suas denúncias contra a China nos últimos meses da administração Trump.

Na verdade, mais interessantes do que o conteúdo do artigo são os seus autores e as circunstâncias da sua publicação. Michael R. Gordon tem sido correspondente de segurança nacional do WSJ desde outubro de 2017. Anteriormente, foi correspondente militar e diplomático do New York Times (NYT) durante 32 anos. Desse ponto de vista, foi o primeiro a informar com Judith Miller sobre o alegado programa de armas nucleares de Saddam Hussein, em setembro de 2002. Depois, durante a primeira fase da guerra, ele foi o único jornalista incluído no comando terrestre aliado. Entretanto, o seu co-autor, Warren P. Strobel, cobre questões de inteligência e segurança no gabinete do WSJ em Washington. Viajou com sete secretários de Estado dos EUA e dois presidentes. Por outras palavras, ambos pertencem ao aparelho de inteligência militar.

A primeira questão levantada por este “relatório” é a razão pela qual o presidente Joe Biden ordenou esta investigação em maio último, a segunda é a razão pela qual um relatório de maio de 2020 está agora a ser divulgado, e a terceira é a razão pela qual os serviços de informação estão interessados no assunto.

Deitando mais lenha à fogueira, a 4 de junho o Dr. Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID), disse ao Financial Times (FT) que os registos relativos aos investigadores do IVW e aos mineiros que adoeceram após entrarem numa caverna de morcegos em 2012 poderiam fornecer provas vitais no esforço em curso para compreender o surto de coronavírus.

Anthony Fauci, presidente do Instituto Nacional de Alergias

Uma equipa científica da Organização Mundial de Saúde (OMS) visitou O IVW numa missão de averiguação em fevereiro passado e também relatou que era “extremamente improvável” que o vírus tivesse escapado do laboratório. Segundo a equipa da OMS, a transmissão de animal para humano através de um intermediário é a hipótese “mais provável” para a origem do coronavírus.

A China convidou duas vezes peritos da OMS para realizarem estudos de rastreio de fontes, durante os quais peritos internacionais e chineses realizaram conjuntamente visitas de campo, analisaram uma grande quantidade de dados, emitiram relatórios conjuntos de missão e chegaram a conclusões fidedignas. De acordo com o governo chinês, o estudo conjunto OMS-China “provou” que a introdução da Covid-19 através de um incidente laboratorial era “extremamente improvável”.

Bill e Melinda Gates

Os meios de comunicação chineses acusam os americanos de quererem perturbar a “cooperação internacional”, mas na realidade não é uma cooperação qualquer, mas aquela que a Fundação Bill & Melinda Gates tem vindo a conduzir há anos com o IVW. A fundação, que está entre as maiores entidades privadas do seu género no mundo, tem mais de 51 mil milhões de dólares em activos. Apesar do recentemente anunciado divórcio de dois dos seus presidentes (o terceiro é Warren Bufett), o casal disse numa declaração que continuará a trabalhar em conjunto na instituição de caridade, que doa anualmente cerca de 5 mil milhões de dólares a causas em todo o mundo.

Em 2010, os Gates decidiram doar a maior parte da sua fortuna – estimada pela Forbes em cerca de 133 mil milhões de dólares – à fundação, para a qual transferiram desde então mais de 36 mil milhões de dólares. Embora os advogados do divórcio digam que a soma prometida deixaria de ser considerada propriedade conjugal, não é claro o que poderá acontecer após o divórcio.

Entretanto, aumenta a pressão sobre o governo dos EUA para que este se pronuncie sobre o seu compromisso com a investigação em Wuhan: de 2014 a 2019, os Institutos Nacionais de Saúde deram 3,4 milhões de dólares a uma organização sem fins lucrativos chamada EcoHealth Alliance (EHA) para estudar os coronavírus dos morcegos. Essa subvenção deveria continuar até 2024, mas foi abruptamente cancelada em abril de 2020. Pela sua parte, o Dr. Fauci reconheceu que o governo dos EUA financiou indirectamente tais estudos, mas negou que fosse para a chamada investigação de “ganho de função”, Este é um campo de investigação centrado no crescimento de gerações de microrganismos para causar mutações num vírus. Estas experiências são chamadas de “ganho de função” porque envolvem a manipulação de agentes patogénicos para que estes ganhem uma vantagem em ou através de uma função, tal como o aumento da transmissibilidade.

A EcoHealth Alliance é um grupo de investigação não governamental centrado na investigação de doenças emergentes causadas por interacções homem-animal. O grupo é regularmente financiado pela Fundação Gates e é liderado pelo Dr. Peter Daszak, uma conhecida figura de saúde pública que trabalhou em doenças emergentes e é também um dos fundadores do que é conhecido como medicina de conservação, que trata da conservação ambiental como uma das intervenções que podem reduzir os problemas de saúde pública. Daszak terá sido o organizador da carta publicada no início de 2020 no The Lancet, também assinada por outros cientistas de renome, o que excluiu qualquer possibilidade de que a SARS-CoV-2 tivesse escapado de um laboratório chinês.

Contudo, desde então, o papel da EHA tem estado sob escrutínio global como “parte terceira” utilizado pelo NIAID de Anthony Fauci para financiar investigação de risco sobre o vírus no Instituto Wuhan, aprovado em 2014 pela administração Obama e renovado em 2019 durante a presidência de Donald Trump.

Preventivamente, desde o início desta pandemia, a EHA redireccionou o seu apoio para a Índia, para aí criar uma plataforma integrada de intervenções de saúde pública capaz de lidar com doenças zoonóticas transmitidas pelos animais aos seres humanos. Recebeu uma subvenção de 1,5 milhões de dólares para este fim da Fundação Bill & Melinda Gates, que está agora a considerar retirar a subvenção.

O ressurgimento da discussão sobre a possibilidade de o vírus Sars-Covid19 tenha escapado de um laboratório do IVW não parece ser dirigido principalmente ao governo chinês, mas sim parte de uma luta feroz pelo poder dentro dos próprios Estados Unidos. Nenhuma nova informação chegou ao conhecimento do público que justifique reinar a discussão. Pelo contrário, o relatório final da missão de averiguação da OMS após a sua estadia na China parecia encerrar a discussão. Na altura, este relatório foi apoiado pelas autoridades dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA e pela maioria da comunidade científica internacional. Por conseguinte, vale a pena perguntar por que razão o presidente Biden ordenou em maio último à comunidade dos serviços secretos que investigasse esta hipótese e por que razão o Dr. Fauci está agora a inverter a sua posição de há quatro meses e a acusar a China de ter causado o acidente que teria conduzido à pandemia.

No entanto, a manobra parece ser dirigida apenas secundariamente contra a China. Dados publicados nos últimos meses mostram que o Instituto de Wuhan foi apenas um dos muitos laboratórios em que a Aliança EcoHealth cooperou na investigação de “ganho de função” em nome da Fundação Bill & Melinda Gates. Este compromisso explica a reorientação das subvenções para a Índia e o apoio de Fauci à Aliança.

Desde a sua fundação em 2000, a Fundação Gates especializou-se no financiamento de projectos de investigação que aplicam a técnica do “ganho de função”. Promete resultados de ponta, mas acarreta enormes riscos. É por isso que, no contexto do divórcio entre Bill Gates e a sua esposa Melinda, veio à luz que há anos que ela se tem afastado desta linha de investigação para apoiar, em vez disso, projectos de género.

133 mil milhões de dólares é muito dinheiro. Se, como o casal concordou, 95% da sua riqueza fosse doada à fundação, a fundação teria uma artilharia poderosa para orientar o mercado mundial de vacinas, mas também para ameaçar a Rússia e a China desde a cadeia de laboratórios biotecnológicos que se estende desde a Ásia Oriental até à Europa Central.

Os principais concorrentes de Gates no mercado farmacêutico têm interesse em intervir no processo de divórcio matrimonial, para evitar que a riqueza familiar seja investida no desenvolvimento de um gigante farmacêutico e biotecnológico. A República Popular da China, por outro lado, não quer envolver-se numa disputa interna dos EUA ou ser vítima de processos civis multi-milionários e rejeita quaisquer suspeitas sobre o Instituto de Wuhan.

É absurdo ter de se envolver num divórcio para escrever sobre política mundial, mas dada a extrema concentração de riqueza e poder nos EUA, as vicissitudes familiares da oligarquia podem decidir sobre as vidas de dezenas de milhões de seres humanos. Em jogo neste debate está acima de tudo a disposição de uma imensa fortuna e a sua instrumentalização para definir o rumo do projecto globalista. A pequena classe dominante dos EUA luta pelo poder e pelo dinheiro, como se não tivesse concorrentes internos e externos, mas já não está sozinha no seu país ou no mundo. Enquanto lutam, o resto da humanidade está a construir o futuro e em breve terá de pagar a conta.

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube