O mundo está a mudar rápido demais para os EUA entenderem

Por James ONeill


Na semana passada, em São Petersburgo, Rússia, realizou-se um dos fóruns económicos mais importantes dos últimos tempos. Foi o Fórum Económico Internacional de São Petersburgo (SPIEF). Apesar de terem presenciado, pessoalmente ou por via digital, representantes de mais de 170 países de todo o mundo, mal atraiu uma menção nos meios de comunicação social ocidentais.

O fórum proporcionou a oportunidade para uma grande discussão do que pode ser descrito com justiça o que é a nova ordem económica: a mudança de ênfase económica do Ocidente, onde tem prevalecido pelo menos nos últimos 200 anos, para o Oriente.

Há muitos sintomas desta mudança fundamental no enfoque económico mundial. Um sintoma óbvio, é o declínio constante do dólar dos Estados Unidos como meio de comércio internacional. Isto foi discutido numa das conferências, onde a directora administrativa do FMI, Kristalina Georgieva, a governadora do banco central russo Elvira Nebiullina e o ministro das finanças russo Anton Siluanov participaram.

Siluanov anunciou que em maio deste ano, pela primeira vez, menos de 50% das exportações russas foram feitas em dólares norte-americanos. Siluanov anunciou que a Rússia tencionava abandonar totalmente o dólar no seu fundo de riqueza. Isto faz parte de uma grande reestruturação do sistema cambial russo.

O papel da libra esterlina deveria também ser reduzido (o que não vai cativar os russos para os britânicos). O papel do euro e do yuan chinês também seria aumentado, com o estatuto de ouro e o iene japonês a manter-se estável. Estas mudanças podem ser vistas como preparação para os dias de hoje, que muitos vêem agora como iminente, quando a Rússia é excluída do sistema financeiro mundial.

Um outro tópico de discussão no SPIEF foi o papel crescente dos chineses na economia da Eurásia. Uma combinação da capacidade técnica chinesa e dos enormes recursos energéticos da Rússia proporcionará a fundação de um mercado eurasiático que irá progressivamente diminuir o papel até agora dominante do Ocidente.

Um dos principais factores que impulsionam a mudança são décadas de abuso do poder que os Estados Unidos conservaram como fonte da principal moeda comercial do mundo. Quando a utilização desse poder se transforma em abuso, como tem sido manifestamente óbvio durante as últimas décadas, produz inevitavelmente uma reacção. O abandono do dólar por parte da Rússia e da China é o resultado óbvio do desencanto crescente com décadas de abuso da posição dos Estados Unidos.

O timing da conferência do SPIEF também é notável. Ocorreu nos dias que antecederam as cimeiras do G7 e da NATO e duas semanas antes da cimeira de Biden-Putin marcada para ocorrer em Genebra. O ímpeto para esta cimeira veio de Biden. Juntamente com um abrandamento de alguns pontos de diferença com a Rússia nas últimas semanas, e nomeadamente com a retirada da oposição dos Estados Unidos à conclusão do gasoduto que fornece gás russo à Alemanha e a outros pontos da Europa. Os Estados Unidos têm claramente expectativas de obter ganhos geopolíticos na reunião de Genebra. Com toda a probabilidade, será demasiado pouco, demasiado tarde.

Os russos estão claramente conscientes das tentativas dos Estados Unidos de os separar da China, sobre a qual os americanos estão cada vez mais a concentrar a sua antipatia. A parceria Rússia-China desenvolveu-se demasiado para tornar viável qualquer fantasia de uma separação inspirada nos Estados Unidos.

Um exemplo notável da empresa Rússia-China pode ser visto no papel progressivamente maior que está a ser desempenhado pela Organização de Cooperação de Xangai. A SCO tem actualmente oito estados membros, incluindo de forma algo surpreendente a cooperação entre o Paquistão e a Índia nos seus interesses mútuos, quatro estados observadores, incluindo, de particular interesse, o Afeganistão, com vista a um futuro pós-Estados Unidos, e seis estados com o estatuto de diálogo. A sua composição abrange a região eurasiática.

Juntamente com outros importantes grupos regionais como o Corredor Internacional de Transportes Norte-Sul, e a União Económica Eurasiática de origem russa, que após um início lento se tornou um organismo sério em 2010 com a implementação da União Aduaneira Eurasiática e a assinatura em 2011 por oito países de um acordo de comércio livre. É notável que existe uma sobreposição de membros destas diferentes organizações. Uma coisa que elas têm em comum é o desejo de um conjunto de acordos não dominado pelo Ocidente para governar as suas economias, e cada vez mais outras preocupações.

A perspectiva russa sobre estes desenvolvimentos foi recentemente fornecida pelo presidente Putin. Numa ampla discussão sobre desenvolvimentos futuros, Putin traçou um paralelo directo com a União Soviética e os Estados Unidos da América. Citado pela Reuters, Putin disse que os Estados Unidos estavam errados ao pensar que são “suficientemente poderosos” para escapar à ameaça de outros países, um erro que, segundo ele, levou à queda da União Soviética.

Putin fez os comentários durante uma reunião no final da sexta-feira ao falar sobre as sanções dos Estados Unidos contra Moscovo, de acordo com a agência noticiosa russa TASS. “Ouvimos ameaças do Congresso, de outras fontes”. Isto é feito sob o controlo da imprensa política interna dos Estados Unidos” disse Putin. “As pessoas que o fazem, provavelmente assumem que os Estados Unidos têm um tal poder económico, militar e político que podem escapar impunes. Não é nada de mais, é isso que eles pensam”.

Putin disse que tal comportamento o lembrava da União Soviética “o problema com os impérios é que eles pensam que são suficientemente poderosos para cometerem tais erros”. Vamos comprar estas pessoas, intimidá-las, fazer um acordo com elas, dar-lhes colares, ameaçá-las com navios de guerra”. E isto irá resolver todos os problemas. Mas os problemas acumulam-se. Chega um momento em que eles já não podem ser resolvidos”.

É este pano de fundo que Putin trará ao seu encontro em Genebra com Biden. Não havia razão para esperar que os russos fizessem quaisquer concessões significativas aos americanos. Eles vêem claramente estes últimos como um império em declínio. É duvidoso que os americanos tenham uma visão tão clara do seu próprio futuro como a visão dos outros.

O mundo está a mudar, talvez mais rapidamente do que Biden avalia. Se ele e os seus conselheiros têm a inteligência de reconhecer o impacto destas mudanças, permanece uma questão em aberto. Seria talvez insensato depositar demasiada confiança na capacidade dos americanos para compreenderem estas realidades em mudança.

Fonte: New Eastern Outlook

Imagem de capa: Andrey Lubimov, Roscongress

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube