Os EUA estão a exacerbatar o fosso entre a Turquia e a Grécia na NATO

Por Vladimir Odintsov

Os conflitos entre membros individuais da NATO estão a tornar-se cada vez mais difíceis para a Aliança varrer para debaixo do tapete – especialmente uma das suas “fendas” mais notáveis, que existe entre a Grécia e a Turquia.

Num contexto de deterioração das relações com Ancara, a Casa Branca já parou mesmo de tentar esconder que procura uma alternativa à Turquia e às suas bases turcas na região, centrando-se cada vez mais no “desenvolvimento da cooperação com a Grécia” ao longo dos últimos meses. E isto, em particular, foi demonstrado por uma chamada do porta-aviões americano USS Dwight D. Eisenhower para um porto na ilha grega de Creta em março, e até o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis foi recebido a bordo, o qual conseguiu manter uma conversa telefónica com o presidente americano Joe Biden. É de salientar que Joseph Biden, na sua conversa telefónica com Mitsotakis, disse que o navio americano “chegou ao porto grego para ajudar a Grécia, para a apoiar” e transmitiu as suas felicitações ao povo grego pelo 200º aniversário da sua libertação do domínio turco. Nos meios de comunicação turcos, as declarações feitas por Biden causaram críticas e descontentamento, e eles chamam-lhe “medidas evidentes da administração Biden para complicar as relações EUA-Turquia”.

Esta é a primeira vez nos últimos 40 anos que este tipo de navio militar americano entra nestas águas. Deve também ter-se em mente que a cidade grega de Larissa é o lar dos drones de combate americanos MQ-9 Reaper, e a cidade grega de Alexandroupoli é o lar de um porto que desempenha um papel fundamental na rotação das tropas americanas na Europa.

Em março, o embaixador dos EUA em Atenas, Geoffrey Pyatt, declarou que, tal como noticiado pelo noticiário turco Haber7, os EUA estavam prontos para vender os jactos F-35 à Grécia em vez de os entregarem à Turquia, o que inicialmente estava claramente previsto. Ao mesmo tempo, o chefe da missão diplomática americana indicou que a infra-estrutura necessária para servir os F-35 e todas as suas operações poderia ser criada em cinco anos. Como salientou o representante dos EUA, este passo contribuirá sem dúvida para a implementação de um novo programa de defesa anunciado por Atenas em setembro de 2020, um programa orientado para a modernização do exército grego.

Durante o seu recente discurso no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais dos EUA, o ministro da Defesa grego Nikolaos Panagiotopoulos salientou que os EUA e a Grécia vão expandir a cooperação militar no Mediterrâneo, atingindo “níveis sem precedentes” nesta área, relata a Contra Magazin. Ao mesmo tempo, o líder militar grego anunciou que durante o Verão os países irão assinar um novo tratado de segurança que proporcionará aos Estados Unidos “mais espaço” para a realização de “actividades militares na Grécia”.

Tudo isto está a acontecer num contexto de tensão acrescida nas relações de Atenas com o seu parceiro da NATO, Ancara; uma das razões para tal é o conflito sobre os recursos energéticos no Mediterrâneo Oriental. As relações entre os Estados Unidos e a Turquia estão também a deteriorar-se, e se isto continuar, é possível que as bases gregas se tornem uma alternativa às bases turcas para a condução de operações militares, dizem muitos peritos. No entanto, até agora Washington não anunciou oficialmente quaisquer planos de retirar as suas tropas da Turquia, onde se encontra a Base Aérea de Incirlik, tal como o radar de defesa antimíssil americano.

Não há dúvida de que os Estados Unidos estão a tentar aumentar a sua presença militar na Grécia, e em grande parte devido a dúvidas crescentes sobre “a credibilidade da Turquia”. E este ponto de vista foi apoiado a 24 de maio pelo jornal grego Kathimerini, citando as suas próprias fontes. Para dar apoio a estas reflexões, a publicação mencionou que nos últimos anos os Estados Unidos reforçaram os laços militares com Atenas, destacando as suas forças numa base naval na Baía de Souda e pretendendo acrescentar mais quatro bases em Creta, Alexandroupoli, Larissa e Stefanovikeio. Para estes destacamentos adicionais, a Grécia já forneceu aos Estados Unidos 22 opções possíveis à escolha, relatam os meios de comunicação social gregos. A Base Naval de Souda é considerada um dos locais chave para a cooperação de defesa EUA-Grécia, e foi aqui que o Acordo de Cooperação Mútua em Defesa (MDCA) foi assinado entre Atenas e Washington no ano passado.

Estes contactos e eventos de alto nível na arena internacional afectam directamente os interesses tanto da Grécia como da Turquia, e estão a ajustar o equilíbrio das relações com estes países. Especificamente, foram também dedicados a isso: uma visita oficial do primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis à Líbia, a visita quase simultânea do primeiro-ministro italiano Mario Draghi a esse mesmo país do Norte de África, e uma viagem a Ancara efectuada pela presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen e pelo presidente do Conselho Europeu Charles Michel. E tudo isto está a acontecer contra o pano de fundo de um constante reinício de ameaças e sanções por parte do Departamento de Estado norte-americano contra a Turquia devido à sua aquisição de sistemas de mísseis antiaéreos russos S-400 e, em geral, devido à aproximação turco-russa que se tem vindo a verificar nos últimos tempos.

E, ao mesmo tempo, claramente como vingança “por ter uma política independente”, os Estados Unidos frustraram o maior acordo militar de Ancara na história em março passado. Falando disto, o secretário de Imprensa Presidencial turco, Ibrahim Kalin no dia 8 de março relatou a intervenção dos EUA na entrega de 30 helicópteros de ataque ATAK de fabrico turco ao Paquistão, apesar do contrato anteriormente assinado por Ancara e Islamabad no valor de 1,5 mil milhões de dólares. Para “convencer” Ancara, Washington recusou-se conceder à Turquia uma licença para exportar os seus motores.

Esta “domesticação” de Ancara por Washington e outros aliados americanos nas suas instruções explícitas tem sido especialmente vigorosa nos últimos meses, confirmando que chegou um momento crítico nas relações entre os Estados Unidos e a Turquia, que não eram tão fortes mesmo sob Trump. Um dos seus momentos demonstrativos foi o anúncio de Biden do Genocídio Arménio de 1915, que para Ancara era a prova de que Washington tinha “atravessado uma linha na areia”. A reacção turca era previsivelmente dura, incluindo chamadas retumbantes para encerrar o acesso americano à Base Aérea de Incirlik, estrategicamente importante. Os americanos foram lembrados de como os turcos foram excluídos do programa de caças F-35, do apoio aos curdos na Síria, e do facto de os Estados Unidos terem dado refúgio ao pregador Fethullah Gulen, que Ancara considera ser o organizador de uma tentativa de golpe de Estado de 2016.

De facto, de forma semelhante, Biden tentou recentemente “domesticar” o príncipe herdeiro saudita. A julgar pelas suas acções, Washington está claramente a tentar mostrar que se a Turquia demonstrar soberania e independência na arena estrangeira, isso será mau para os turcos, uma vez que Washington atravessará todas as “linhas na areia”, uma após outra, que foram estabelecidas nas relações EUA-Turquia.

Nestas condições, não é surpreendente que – para além do crescimento do sentimento anti-americano – a Turquia esteja agora muito ciumenta do facto de Washington estar cada vez mais a mostrar a sua aproximação a Atenas, e a afastar-se da Turquia.


Fonte: New Eastern Outlook

Imagem de capa: NASA’s Marshall Space Flight Center, sob licença CC BY-NC 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube