Banco Central Digital – O fim da Democracia

Estamos no final de maio de 2021 e o mundo está no meio da mais profunda convulsão e ao mesmo tempo a maior experiência económica e social de toda a sua História. O que estamos actualmente a testemunhar é nada mais e nada menos do que uma tentativa de digitalizar completamente todas as nossas vidas.

Com a justificação de querer evitar a propagação de uma doença, estamos a ser pressionados a trabalhar a partir dos escritórios em casa, a aprender através do ensino doméstico, a fazer compras apenas online, a comunicar profissionalmente não directamente mas através de plataformas de conferência na internet, e a ter o nosso movimento e perfil de contacto registados através de uma aplicação de rastreio.

Também no sector financeiro, a digitalização está a ser forçada cada vez mais com mais força e rapidez: As agências bancárias estão a ser encerradas, o dinheiro está a ser empurrado para trás com toda a força, e os bancos centrais estão a trabalhar a todo o vapor naquele que é de longe o projecto futuro mais importante do nosso tempo: a introdução de um banco central da moeda digital.

Em paralelo com estes dois processos, estamos a assistir a uma restrição cada vez maior dos nossos direitos fundamentais. Depois dos governos terem retirado a nossa liberdade de viajar e o direito de reunião, a liberdade de expressão está também a ser cada vez mais coarctada.

Existe uma relação causal directa entre todos estes desenvolvimentos: o futuro para o qual estamos a ser conduzidos não é compatível com os princípios da democracia, pela seguinte razão:

Vivemos numa sociedade dominada por uma minoria extremamente rica e extremamente poderosa, mas ao mesmo tempo minúscula. O seu maior interesse é manter a sua própria riqueza e poder. Portanto, a digitalização não é para o benefício de todos nós, mas para o benefício desta minoria.

Mas como a própria digitalização oferece enormes possibilidades de democratização e pode assim pôr em perigo a regra de poucos, esta minoria minúscula é forçada a recorrer constantemente a novos mecanismos de subjugação.

O exemplo mais repulsivo deste desenvolvimento a que temos vindo a assistir desde há algum tempo na China, onde o governo monitoriza, controla e molesta os seus súbditos em cada curva como nenhum outro país na Terra. O facto de este governo, de todas as coisas, ser dirigido por um Partido Comunista deveria fazer com que todos nós nos sentássemos e reflectíssemos.

Pois mostra que a ideologia daqueles que se sentam nas alavancas do poder político não tem qualquer importância no nosso tempo, e isso porque existe um poder que se ergue acima de todos os governos e puxa os cordelinhos no fundo. E esta potência existe na China tal como existe nos EUA ou no nosso país. É o complexo digital-financeiro, a simbiose das corporações mais poderosas dos sectores digital e financeiro.

Este complexo conseguiu concentrar mais dinheiro e mais poder nas suas mãos do que qualquer força na história da humanidade, controlando dados globais e fluxos financeiros. No entanto, este complexo enfrenta há já algum tempo um enorme problema: o sistema monetário em que o seu poder se baseia faliu em março de 2020. Depois de serem mantidas durante mais de 12 anos por criação monetária e cortes nas taxas de juro, as taxas de juro atingiram zero, deixando apenas a criação monetária incondicional. Mas isto leva directamente à desvalorização do dinheiro.

Agora esta desvalorização do dinheiro não é tão inconveniente para o complexo financeiro digital, porque estamos actualmente a lidar com o mais alto nível de dívida de todos os tempos – e a inflação é um meio altamente adequado para se livrar desta dívida. Uma forma de ver o quanto a inflação está a ser pressionada é olhar para o orçamento dos EUA de mais de 8 biliões de dólares ($8 trillion) previsto para este ano.

Mas o que acontece quando a inflação elimina grande parte da dívida? Existe também um plano para isso, nomeadamente a introdução de moedas digitais dos bancos centrais. Mas isto irá mudar as nossas vidas de uma forma historicamente única, e não para melhor.

O dinheiro tem duas características básicas: é um meio de pagamento e um instrumento de poder. Como tal, tem sido sempre utilizado por aqueles que o emitiram para consolidar e expandir o seu próprio poder. Isto tem sido feito de várias maneiras: cobrando juros, provocando inflação, impondo condições aos empréstimos, ou enredando as pessoas numa teia de dívidas.

Estas propriedades antidemocráticas do dinheiro como instrumento de dominação devem agora ser levadas a extremos. No caso da moeda do banco central digital, que será quase certamente introduzida sob a forma do rendimento básico universal, serão acrescentados aos antigos, mecanismos ditatoriais inteiramente novos:

Será possível controlar especificamente o comportamento de consumo dos destinatários, impossibilitando-os de poupar e forçando-os a gastar o dinheiro para um fim específico dentro de períodos de tempo pré-definidos. Será possível recompensar o bom comportamento, punir os críticos e até cortá-los de todos os fluxos financeiros.

O dinheiro do banco central digital será o núcleo de um regime social coercivo que será largamente desprovido de violência explícita porque pode eliminar qualquer oposição logo à partida. O dinheiro do banco central digital será um meio quase perfeito de controlar, manipular e condicionar a população, levando a um exercício de poder largamente invisível. Quando for introduzido, não será mais nem menos do que a reforma monetária mais profundamente intrusiva de todos os tempos.

Tudo isto parece perturbador e as perspectivas são de facto deprimentes, uma vez que esta evolução tem sido dramaticamente acelerada nos últimos meses pelos lockdowns. Seremos então incapazes de escapar a este novo regime monetário?

Isso depende apenas de um factor, a saber: a consciência da maioria das pessoas. Actualmente, apenas uma pequena fracção da população conhece sequer este projecto, porque é em grande parte mantido em silêncio pelos políticos e pelos principais meios de comunicação social. E mesmo aqueles que o conhecem, na maioria dos casos não estão conscientes das suas consequências mais dramáticas.

Por esta mesma razão, é especialmente importante no nosso tempo deixar claro ao maior número possível de pessoas o significado das moedas dos bancos centrais digitais: o fim de toda a democracia e a transição final para um fascismo baseado no sistema monetário.

Henry Ford disse uma vez: “Se o povo da nação compreendesse o nosso sistema monetário, teríamos uma revolução antes de amanhã de manhã”. Precisamos precisamente de uma tal revolução, e em breve – e não nas ruas, mas na mente do povo.

O tempo está a esgotar-se, para um sistema monetário democrático.


Fonte: KenFM

Imagem de capa: Jim Makos sob licença CC BY-ND 2.0

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube