Porque é que a Arábia Saudita está a falar com o Irão?

Em maio de 2017, quando o príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammad bin Salman (MBS) foi questionado sobre as perspectivas de conversações directas com o Irão, ele rejeitou qualquer possibilidade de tal empreendimento. Nessa altura, MBS era politicamente forte, era muito mais aceitável no Ocidente, especialmente nos EUA, e podia, pelo menos nos seus próprios cálculos, comer também a sua parte do bolo vis-a-vis com o Irão. Como tal, nessa altura MBS estava mais do que pronto para enfrentar o Irão por todos os meios possíveis. “Somos um alvo principal para o regime iraniano”, disse MBS numa entrevista televisiva em 2017, argumentando que a ideologia revolucionária do Irão tornava impossível negociar com os seus líderes. “Não vamos esperar que a batalha seja na Arábia Saudita”. Em vez disso, vamos trabalhar para que a batalha seja para eles no Irão”.

Em 2021, MBS é muito mais maleável e ‘pragmático’ do que era há alguns anos atrás. Não só está disposto a falar com o Irão, como também o considera vital para a estabilidade na região. “Temos interesses sauditas no Irão, e eles têm interesses iranianos na Arábia Saudita, que devem impulsionar a prosperidade e o crescimento na região e no mundo inteiro”, disse ele numa entrevista transmitida na semana passada na televisão estatal saudita. O que explica esta mudança?

Têm ocorrido algumas mudanças fundamentais. A CIA implicou MBS no assassinato de Jamal Khashoggi; os principais aliados de MBS nos EUA, Trump e Jared Kushner, não conseguiram assegurar um segundo mandato, e a administração Biden, tendo primeiro tentado – e falhado – utilizar na “estratégia máxima” de Trump para forçar o Irão a um novo acordo nuclear, iniciou negociações com o Irão para reavivar o JCPOA, a fim de assegurar a participação dos EUA e o pleno cumprimento por ambas as partes. Além disso, a administração Biden está mais concentrada na China e na Rússia, na Ásia e no Pacífico, do que no Médio Oriente, uma região que os EUA estão a tentar desvincular com vista a deslocar os seus recursos para a “verdadeira batalha” que deverá ser travada noutros locais.

O Médio Oriente, incluindo a Arábia Saudita, está portanto a perder o seu tradicional guarda-chuva de segurança que anteriormente o protegeria de ameaças externas, especialmente do Irão; daí a lógica das conversações.

Enquanto Israel continua a confrontar as chamadas “ambições nucleares” do Irão, e os sauditas podem ser admiradores secretos dos ataques cibernéticos israelitas às instalações nucleares iranianas, os sauditas também sabem que tais ataques, e mesmo o assassinato de um cientista iraniano de topo, não foram capazes de forçar o Irão a submeter-se, quanto mais impedir a administração Biden de reiniciar as negociações com o Irão para reiniciar o JCPOA. Isto para além do facto de os EUA terem apoiado as tentativas de Israel para forçar o Irão a reduzir a sua presença também na Síria, falhou em grande parte. O Irão, mesmo com os seus escassos recursos económicos, continua forte, e é bastante provável que veja as suas fortunas económicas a mudar com a chegada dos investimentos chineses estimados em cerca de 500 mil milhões de dólares.

Até mesmo no Médio Oriente, os sauditas não têm muitos aliados dispostos a aceitar o Reino como o líder contra o Irão. Enquanto os EAU têm prosseguido as suas políticas em grande parte “independentes” e têm sido capazes de solidificar as suas relações com Israel, e é provável que recebam também jactos F-35, o seu envolvimento no Iémen também recuou, deixando a “coligação árabe” liderada pela Arábia Saudita em farrapos. A Coligação Militar Islâmica contra o Terrorismo liderado pela Arábia Saudita, a chamada “NATO árabe”, composta por cerca de 40 nações, não pode ser vista em parte alguma como uma base de poder saudita eficaz no seio do mundo muçulmano. A administração Biden também reduziu significativamente o apoio dos EUA à guerra da Arábia Saudita no Iémen.

A mudança no Médio Oriente, portanto, tem pouco ou nenhum espaço para uma hegemonia saudita, fazendo com que a Arábia Saudita prossiga políticas que anteriormente eram difíceis de imaginar em Riade. Os sauditas, acham agora mais útil envolver-se com o Irão para pôr fim à guerra no Iémen, que não só tem tido um custo muito elevado para as finanças sauditas, que lhe custam mais de 100 mil milhões de dólares, como também os houthis têm sido capazes de trazer a guerra também para dentro dos territórios sauditas. Não só os líderes houthi conseguiram levar a cabo uma série de ataques com mísseis balísticos e drones contra a Arábia Saudita propriamente dita, mas também os ataques aéreos e as campanhas de bombardeamentos maciços da própria Arábia Saudita se tornaram um exemplo internacionalmente reconhecido de bombardeamentos indiscriminados e ineficazes.

Portanto, não tendo conseguido subjugar o Irão através de uma longa e directa colaboração com os EUA e Israel, e não tendo conseguido derrotar os houthis no Iémen apoiados pelo Irão, os sauditas, com o apoio dos EUA já não disponíveis, têm poucas ou nenhumas opções a não ser prosseguir uma estratégia alternativa face ao seu rival ideológico.

As tentativas da Arábia Saudita de alcançar um certo grau de aproximação ao Irão não são, portanto, um mero resultado das mudanças que estão a ocorrer no Médio Oriente devido ao progressivo desinteresse dos EUA; são mais um resultado do esgotamento político, económico e militar da própria Arábia Saudita que a guerra provocou.

Os sauditas, em palavras simples, já não estão em posição de se cingir à sua versão de “pressão máxima” sobre o Irão. Estão logicamente mais inclinados a “conversações máximas” para resolver o que se tornou um verdadeiro atoleiro no Iémen. Os sauditas aprenderam uma lição que os EUA levaram 20 anos a aprender no Afeganistão, ou seja, o que se pode alcançar através de negociações não pode ser alcançado através de meios militares, especialmente quando a parte contrária não é simplesmente uma milícia jihadista, mas um movimento armado orgânico com raízes no próprio país.

Fonte: New Eastern Outlook

As ideias expressas no presente artigo / comentário / entrevista refletem as visões do/s seu/s autor/es, não correspondem necessariamente à linha editorial da GeoPol

Para mais conteúdos, siga-nos no Facebook, Twitter, Telegram, VK e Youtube